Loulé

Loulé canaliza mais de 1 milhão de euros para programa de apoio ao desenvolvimento social e anuncia medidas

Foi apresentado esta manhã a 32 parceiros sociais que atuam no concelho de Loulé o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Social de Loulé 2022, instrumento determinante para que as IPSS possam levar por diante as suas atividades, e que tem para este ano uma dotação orçamental superior a 1 milhão de euros.

Este programa vem na senda dos programas que a Câmara Municipal de Loulé começou a desenvolver em 2016 e nele destacam-se cinco medidas.

A primeira diz respeito ao apoio às atividades correntes das instituições, que permitirá a cada entidade obter um limite máximo de 20.000€.

Outra medida apresentada destina-se, por um lado, à manutenção e renovação de edifícios e, por outro lado, à eficiência energética, de forma a melhorar as instalações das instituições numa aposta que vai ao encontro das políticas de sustentabilidade promovidas pelo Município.

Este ano é contemplado também o apoio às obras de adaptação dos sistemas de controlo da legionela, uma situação de saúde pública que pode causar problemas às instituições e aos utentes.

Foi igualmente abordada a questão da aquisição de equipamentos informáticos e outros equipamentos fundamentais para a instituição desenvolver as suas atividades,

assim como o apoio à aquisição de viaturas, destinado às instituições que fazem transporte de utentes ou apoio domiciliário e que necessitam de uma viatura para o desenvolvimento dessas respostas sociais.

A última medida apresentada diz respeito a apoios extraordinários, nomeadamente a programas de apoio e emergência alimentar.

As candidaturas ao Programa de Apoio ao Desenvolvimento Social de Loulé 2022 decorrerão durante o mês de abril, enquanto que em maio e início de junho as mesmas serão analisadas e submetidas a reunião de Câmara, sendo depois celebrados os contratos-programa. A execução das medidas decorrerá durante o segundo semestre do ano.

Relativamente ao programa apresentado, o autarca Vítor Aleixo dirigiu-se aos parceiros sociais para sublinhar que os seus objetivos têm em vista “que as IPSS sejam robustas, com boas condições para poderem prestar um trabalho social que é absolutamente imprescindível até porque queremos um concelho inclusivo, coeso e sustentável”.

Dentro do tema da guerra na Ucrânia, o autarca deixou um pedido a todos os representantes sociais que participaram nesta sessão: “Se alguma das vossas instituições receber vítimas refugiadas da guerra peço a máxima atenção e o máximo carinho, olhem para a situação do ponto de vista humanitário, pois são pessoas que partiram das suas terras, onde tinham vidas organizadas e eram felizes”.

Vítor Aleixo fez ainda um balanço daquela que tem sido a Estratégia Municipal de Habitação de Loulé, nomeadamente dos 12 pedidos de apoio gerados no âmbito da parceria com o IHRU, na ordem dos 15 milhões de euros, para resolver os problemas no concelho.

O presidente da Câmara Municipal de Loulé deixou, por último, uma nota em relação às políticas para responder aos problemas dos idosos, bem como as novas abordagens para o envelhecimento ativo que tiveram um momento alto com a recente inauguração na aldeia de Alte do Observatório Nacional do Envelhecimento.

Categorias:Loulé