Algarve

PAN Faro pronuncia-se sobre os incêndios no Algarve

O Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN) manifesta solidariedade aos habitantes dos municípios de S. Brás e Tavira, em especial a todos os que foram directamente afectados pelo incêndio que deflagrou na quarta-feira à tarde na Catraia, perto do Cachopo (Tavira) e que incidiu sobre uma área de 26442 hectares.

O PAN saúda o esforço dos bombeiros e outros agentes da protecção civil, bem como autarcas que lutaram e evitaram que as consequências se tornassem mais pesadas, sobretudo em termos de danos pessoais.

O PAN destaca ainda a enorme onda de solidariedade e voluntarismo de apoio aos Bombeiros e às comunidades afectadas pelo incêndio, promovida pela sociedade civil.

Este fogo destruiu áreas de sobreiral, pinheiros, hortas, bem como casas, carros ou armazéns agrícolas. Além das perdas materiais, com enormes implicações na economia da região e sobretudo destas populações, houve também dramáticas perdas animais.

Sem questionar a estratégia de combate a incêndios e a eficácia dos centros de decisão, que deverá ser avaliada após a divulgação dos respectivos relatórios das entidades competentes, o problema de fundo continua a residir no crescente abandono do interior da região e na falta de medidas que promovam essas zonas rurais ou que salvaguardem a paisagem florestal na ausência de população. Neste âmbito é essencial o reforço da vigilância e a modernização dos meios de alerta e detecção de fogos.

O PAN que desde a sua fundação e no seu programa de acção promove a biodiversidade, a integridade ecológica e o seu potencial produtivo, salienta que os incêndios são igualmente potenciados pelas monoculturas florestais. Neste sentido, alerta-se que a recente proposta de permitir arborizar com qualquer espécie em pequenas parcelas agrava o problema e contraria a aposta numa mata de uso múltiplo e de espécies vegetais autóctones, modelo este tido como o mais equilibrado de exploração da paisagem florestal e garante de rendimentos diversificados e de fixação de população.

Face à dimensão da área ardida, é essencial iniciar-se rapidamente a reposição dos solos e evitar a sua degradação com as primeiras chuvas, bem como agilizar os mecanismos e verbas disponíveis para apoio à reflorestação e ao tecido económico-social destas áreas rurais.

O PAN, no âmbito da sua actuação e voluntarismo, disponibiliza-se desde já para participar e dinamizar campanhas de sensibilização e apoio aos proprietários na limpeza, reposição ou replantação dos seus terrenos.

Recebido de: PAN Faro, reencaminhado por parceiro

Categories: Algarve, Faro

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.