Loulé

LOULÉ | Extinção da Fundação António Aleixo? Sim, responde o Governo PSD/CDS

Foi noticiada pelo Jornal de Negócios a intenção de o Governo pretender extinguir a Fundação António Aleixo, entre outras, no seguimento de uma avaliação feita às Fundações existentes em Portugal.

A Fundação António Aleixo é uma instituição de direito privado, com utilidade pública reconhecida pelo Estado em 1997. Resultou da vontade dos seus instituidores para a promoção prioritária nas áreas da solidariedade e da segurança social no concelho de Loulé.

Ao longo dos anos (desde 1995) que a Fundação tem consolidado o seu trabalho em prol da comunidade do concelho de Loulé, prestando apoio quer a idosos, quer a jovens, directa ou indirectamente.

A Fundação António Aleixo desenvolve a sua actividade em diversas valências, designadamente, com o serviço de apoio domiciliário, com o centro comunitário, com o centro Espaço Infantil com 153 crianças, com a creche Os Meninos do Aleixo, com 65 crianças, com a atribuição de bolsas de estudo e com o desenvolvimento de vários projectos no âmbito do voluntariado como o Banco do Tempo.

Ao revelar esta intenção de extinguir a Fundação António Aleixo, o Governo pretende atingir 3 objectivos.

Primeiro, dizer que extinguiu um número de Fundações, entre elas a Fundação António Aleixo, porque agora são o bode expiatório da despesa do Estado, metendo tudo dentro do mesmo saco.

Segundo, matar diversas estruturas organizadas de apoio social, cultural e desportivo, para que quem quiser um apoio trafique influências junto dos (ir)responsáveis, para que a relva da corrupção cresça ainda mais, no mais vil apelo à caridadezinha.

Por último, poupar cerca de €2.500.000 (dois milhões e quinhentos mil euros) anuais, cerca de 60% das contribuições do Estado para a Fundação António Aleixo.

Ou seja, contas feitas – à moda de Vítor Gaspar – o Estado com a extinção da Fundação António Aleixo, passará a suportar estes dois milhões e quinhentos mil euros mais os restantes 40% das actuais receitas, partindo do pressuposto de que as pessoas continuarão com o apoio social que têm tido até agora. Pelos vistos este acréscimo de despesa não está nos horizontes do Governo, pelo que se pode deduzir que muitos munícipes do concelho de Loulé perderão apoio social.

Assim, não se percebe esta esquizofrenia de identidade ideológica. Este Governo, assumindo-se como o mais liberal que Portugal conheceu desde sempre, apregoa, por um lado que a sociedade civil se deve movimentar e desenvolver esforços para criar as suas próprias estruturas, e por outro, desfere um golpe duro na autonomia privada. Das duas, uma: ou é incoerente, ou é ignorante.

Saliente-se que a CML já se pronunciou contra esta intenção do Governo do seu partido, o que merece reconhecimento, porque também a Fundação António Aleixo tem desempenhado o papel que um executivo camarário diligente devia desempenhar, nomeadamente, na criação de creches, tão essenciais em algumas zonas do concelho, por exemplo, em Quarteira.

Toda a comunidade do concelho de Loulé reconhece o trabalho de mérito desenvolvido pela Fundação António Aleixo. Mau grado se ver exposta a torpe horizonte de extinção por um Governo que só vê a tesoura à frente!

O Secretariado da Juventude Socialista de Loulé

Categories: Loulé

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.