Albufeira

Território Património – Outros Turismos

Seminário sobre Turismo lotou Auditório Municipal

A 2.ª edição do Seminário “Território Património”, este ano subordinado ao tema “Outros Turismos” decorreu em Albufeira, no dia 24 de maio, com o Auditório Municipal completamente lotado. A iniciativa que foi organizada pelo Município de Albufeira com a colaboração da Direção Regional de Cultura do Algarve e da Entidade Regional de Turismo teve por objetivo discutir a importância do turismo de nichos em complemento ao turismo de sol e mar.

Diversos especialistas, autarcas, empresários e estudantes estiveram reunidos em Albufeira, na passada sexta-feira, para debater o Turismo. A capital do turismo de sol e mar acolheu o Seminário “Território Património”, este ano dedicado a discutir o turismo de nichos na atual conjuntura de crise, com vista à diversificação da oferta, de produtos e destinos.

Na sessão de abertura, José Carlos Rolo, presidente do Município referiu que “O turismo de sol e mar é o mais tradicional e deve ser encarado como a âncora da atividade económica no Algarve”. Com recurso a definições de Turismo que apontam para diferentes motivações, deixou bem claro que a atividade turística tem que saber conjugar o Património a um conjunto de atividades destinadas ao lazer e a instruir o espírito de turistas e visitantes: “o turismo tem que saber conjugar estas diferentes complementaridades”, afirmou o autarca. O presidente da ERTA, Desidério Silva, entre outras afirmações, disse que o Algarve é uma referência para a Europa e para o Mundo e que o turismo de sol e mar por si só não basta, uma vez que a região tem potencialidades para ser um destino de férias durante todo o ano. A terminar, Dália Paulo, diretora Regional da Cultura, salientou a importância das parcerias estratégicas existentes entre aquele organismo, a ERTA e os municípios, destacando, no caso de Albufeira, o protocolo existente no âmbito do Castelo de Paderne. Destacou, igualmente, alguns dos projetos mais significativos que aliam o Património e a Cultura ao desenvolvimento da economia e ao Turismo da região. “É importante saber qual é a nossa identidade, olhar o Património e a partir dele saber inovar, sem destruir, mas sempre com a preocupação de não estagnar”.

Os trabalhos tiveram início com a apresentação do tema “Para além do sol e praia? Trajetórias do Turismo em Portugal no início do Século XX”, da autoria de Maria Alexandre Lousada, investigadora do Centro de Estudos Geográficos da Universidade de Lisboa, no núcleo de Turismo, Cultura e Território, autora de uma vasta publicação na área do Turismo. A preletora que tem trabalhado sobretudo a História do Turismo, falou sobre as possibilidades que existiam em Portugal no final do séc. XIX, princípios do séc. XX, e da trajetória do turismo, tendo salientado que desde muito cedo que o clima é o produto de aposta do turismo nacional. António Correia, presidente da Câmara Municipal de Peniche, apresentou a comunicação “Peniche, capital da onda”, onde destacou a estratégia do município, “centrada na fileira socioeconómica da cadeia de valor do surf”. O responsável frisou que o mais importante é que cada território saiba descobrir as suas especificidades e criar a sua marca diferenciadora. São João da Madeira “a cidade do trabalho” trouxe os “Circuitos pelo Património Industrial”. O projeto, com pouco mais de um ano, foi apresentado por Vanda Cardoso, técnica do Município, que informou que desde então a região passou a ser uma referência a nível nacional e europeu, registando milhares de visitantes nas fábricas que integram o projeto. Seguiu-se António Ceia da Silva, presidente do Turismo do Alentejo, que destacou a importância de certificar o destino, tendo referido que o grande desafio que tem pela frente passa “por conseguir que em 2020 o Alentejo seja um dos primeiros destinos certificados, assim como toda a cadeia de valor associada à atividade do turismo”. O presidente do Turismo do Alentejo salientou ainda que não basta criar produtos e que estes sejam diferenciados; no final da linha é imprescindível que a rede de distribuição e venda funcionem. A nível institucional cabe a responsabilidade de criar e estruturar o produto, a venda deve ser feita pelos operadores e animadores turísticos afirmou. José Brito, da CCDR Algarve, falou sobre o Autocaravanismo, os estudos que apontam para as potencialidades deste tipo de turismo e a necessidade de intervir e ordenar a atividade no território algarvio. Anabela Santos, da Almargem, apresentou a Via Algarviana, uma grande rota terrestre com cerca de 300 km, que atravessa o interior do Algarve, desde Alcoutim ao Cabo de S. Vicente, com o objetivo de promover o turismo de natureza em zonas menos favorecidas. Luís Sá Couto, trouxe mais uma forma diferente de fazer turismo, desta feita com o projeto Ocean Revival que tem por objetivo tornar o Algarve num destino europeu de mergulho, preservando a memória de antigos navios da Marinha Portuguesa e simultaneamente contribuindo para a preservação e aumento da biodiversidade marinha.

O Seminário encerrou com a apresentação de Paulo Dias, vereador do município de Albufeira responsável pelo Turismo, que apresentou o tema “E Albufeira?”. Na sua intervenção o autarca referiu que Albufeira é um destino de referência no segmento “sol e de mar” .“É isto que vendemos, faz parte da nossa marca, do nosso ADN; é o nosso principal produto turístico”. De acordo com as previsões, estima-se que em 2015 o Turismo de sol e mar represente 80 milhões de viagens por ano e Albufeira é um destino reconhecido internacionalmente pela qualidade das suas praias, elevado número de bandeiras azuis e número de horas de sol, o que constitui a principal força em termos de marca turística. No entanto, na sua apresentação, Paulo Dias sublinhou a necessidade de complementarmos a nossa oferta turística, adicionando-lhe mais-valias relacionadas com as condições únicas de que disfrutamos, nomeadamente ao nível do Golfe, Congressos, o Turismo Residencial, Turismo Náutico, Desporto e Natureza, Saúde e Bem-Estar, Gastronomia e Vinhos.

CM-Albufeira

Categories: Albufeira, Turismo

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.