Faro

Faro quer estar na rota do Turismo de Saúde e Bem-Estar

O Presidente da Câmara Municipal defendeu que Faro é “um dos concelhos do País com melhores condições para se assumir como destino de turismo de saúde e bem-estar”, um mercado que vale qualquer coisa como 70 mil milhões de euros / ano e que no Algarve começa apenas a dar os primeiros passos.

Rogério Bacalhau sustentou esta convicção ontem na intervenção de abertura das III Jornadas da Associação Portuguesa de Hotelaria Hospitalar que decorrem no grande auditório do campus de Gambelas, elencando um conjunto de atributos e equipamentos de que o concelho dispõe e que podem fazer a diferença para o investidor como o aeroporto internacional de Faro, a 2ª porta de entrada de visitantes no nosso País; um património histórico e cultural generoso; o Centro Hospitalar do Algarve, bem dentro da cidade; equipamentos desportivos; circuitos de manutenção e uma universidade com um curso de Medicina”. O edil referiu igualmente o Parque Ribeirinho como ponto diferenciador, “obra que inaugurará em breve e que vai redefinir toda a relação que o concelho tem com a Ria Formosa”. E depois há ainda “teatros, cinemas, comércio, a beleza e o encanto das freguesias rurais, da campina, do barrocal entre tantos outros atrativos” que, segundo Rogério Bacalhau são argumentos únicos no Algarve, capazes de colocar o concelho de Faro na rota dos turistas de saúde e bem-estar.

Para o presidente da Câmara só falta mesmo que esta realidade seja devidamente assimilada pelo universo dos investidores. Porque “Faro quer assumir uma posição de relevância enquanto destino turístico de grande qualidade e o Turismo de Saúde e Bem-Estar ocupa neste desígnio um dos papéis principais”.

Em conformidade com isso, afirmou, “a Câmara, dentro das suas competências, tudo fará, desburocratizando e atraindo potenciais investidores em articulação com os outros agentes”. E “estamos prontos para prestar toda informação e apoio relativamente aos incentivos financeiros, ao licenciamento e assegurar que cada projeto que nasça em Faro tenha um acompanhamento administrativo simples e desburocratizado por parte da autarquia”, concluiu.

Movimentando mundialmente cerca de 70 mil milhões de euros por ano, o turismo de saúde é uma das mais promissoras actividade turísticas e foi considerado pelo Governo um sector estratégico da afirmação turística do País onde ainda vale apenas cerca de 1,9% do volume de receitas com turismo. Por tudo isto, durante o mandato que agora se inicia, será um objetivo estratégico afirmar o concelho como um destino de excelência para o desenvolvimento do turismo de saúde e bem-estar.

Categories: Faro, Turismo

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.