Algarve

Autarcas defendem criação de “pontes” entre Concelhos e uma só voz na defesa da região

A Teia D’Impulsos – Associação Social, Cultural e Desportiva (TDI), em parceria com a Câmara Municipal de Portimão e a Rádio Costa D’Oiro, realizou o segundo episódio da terceira série do ciclo de debates Teia D’Ideias na noite de quarta-feira, dia 18 de dezembro, no Teatro Municipal – TEMPO, em Portimão.

Debate - foto Teia D'Impulsos

Debate – foto Teia D’Impulsos

A temática em discussão e o respetivo painel de oradores convidados fizeram prever maior adesão por parte do público em geral, pelo que, desta vez, o debate “mudou de casa” e recebeu cerca de 120 pessoas na confortável plateia do pequeno auditório do TEMPO.

Para além do habitual registo áudio para transmissão posterior pela Rádio Costa D’Oiro no programa semanal “Impulso”, a Teia D’Impulsos disponibilizou o acompanhamento deste debate em direto, pela publicação de “posts” na sua página do Facebook, com frases e comentários relevantes dos intervenientes.

A Teia D’Impulsos esteve representada no painel por Carla Alfarrobinha. A moderação e dinâmica do debate de ideias estiveram mais uma vez a cargo de Nuno Silva, que promoveu uma conversa descontraída e cativante entre os 4 políticos que marcaram presença com o seu testemunho de “eleito”: Isilda Gomes – Presidente da Câmara Municipal de Portimão, Francisco Martins – Presidente da Câmara Municipal de Lagoa, Rosa Palma – Presidente da Câmara Municipal de Silves e Rui André – Presidente da Câmara Municipal de Monchique. Ausente esteve o presidente da Câmara Municipal de Albufeira, Carlos Silva e Sousa, inicialmente previsto no debate.

O encontro iniciou com a assinatura dos protocolos entre a Teia D’Impulsos e as instituições que beneficiaram do donativo obtido através da distribuição dos Passaportes de participação da edição da Rota do Petisco deste ano. O Refeitório Social do Centro Social Paroquial de Nossa Senhora do Amparo, em Portimão, o Lar de Crianças e Jovens Bom Samaritano, de Alvor e o Centro de Apoio a Idosos de Ferragudo, receberam mais de 3 mil euros cada um para obras de beneficência e melhoria das suas condições de funcionamento.

A noite foi ainda marcada pelo lançamento da 2.ª Edição do livro “Teia D’Ideias”, onde se encontram registados os debates de Outubro de 2012 a Junho de 2013, publicado em parceria com a editora “Arandis”.

O debate iniciou-se com o cenário das eleições autárquicas do passado dia 29 de Setembro, marcadas quer pela crise que todo o país atravessa, quer pelo limite de mandatos que desde logo obviou novidades e reservou algumas surpresas nos resultados eleitorais. A questão que deu o mote a todo o debate foi a de que, em tempo de fracos recursos económicos, como pretendem os recém-eleitos “agarrar” a oportunidade e o desafio de fazer a diferença neste mandato?

Rui André, presidente da C.M. Monchique, cumpre agora o seu segundo mandato,mas os restantes presentes estão numa fase primordial de “arrumar” a casa para poder conhecer bem o município, estruturar um plano próprio de ação que, em primeiro lugar, incluirá o potenciar das suas mais-valias: preservar e rentabilizar as infraestruturas físicas existentes, apostar nos recursos naturais próprios de cada local e na obra social, nas pessoas.

Isilda Gomes reconhece que Portimão está muito bem servido de equipamentos e que é altura de olhar mais para as pessoas e assumir pequenas obras que no dia-a-dia se revelam essenciais para tornar o município mais “confortável”.

Francisco Martins revela que o concelho de Lagoa precisa de ser pensado e estruturado para rentabilizar todo o investimento que foi feito ao longo dos últimos anos. Rosa Palma tem como objetivos a promoção da segurança e manutenção dos espaços de lazer do concelho de Silves, a preservação dos bens culturais que lhe são muito próprios e o reforço das coletividades e associações do concelho para esses organismos possam também colaborar no apoio social à população.

Rui André mantém a aposta nos serviços públicos de educação em Monchique e corrobora a lógica de que é tempo de deixar um pouco de lado a obra física e realizar mais ações no âmbito social e principalmente ao nível das necessidades básicas de que algumas populações serranas ainda carecem.

A opinião foi unanime no que respeita a eventuais “pontes” a criar entre concelhos: para além de potenciar o que cada concelho tem de melhor, é importante poder partilhar esses bens e criar sinergias intermunicipais. Foi sublinhada a necessidade de criar projetos comuns e rentabilizar recursos; resolver problemas entre municípios e idealmente resolver problemas a nível regional.

Indo mais longe nos objetivos de trabalho intermunicipal, Francisco Martins defende ainda que é preciso ganhar força na gestão do barlavento algarvio e “à posteriori” ao nível de todo o algarve, com a criação de uma voz comum que defenda a região e que possa colocar em prática Planos Estratégicos existentes e que foram um investimento muito grande que não pode permanecer “na prateleira”, como acontece até hoje.

O tema da Regionalização voltou a estar em cima da mesa deste debate.

Nesta edição, a Teia D’Impulsos contou com a parceria da “Loja Portuguesa” e da pastelaria “Bolos e Vitaminas” para as habituais iguarias do intervalo, juntamente com o patrocínio habitual da “Delta Cafés”.

Ainda sobre a necessária criação de laços entre municípios e a discussão e resolução conjunta de problemas comuns e idênticos, foi abordada a questão emergente do Centro Hospitalar do Barlavento Algarvio… aqui a Teia D’Impulsos também tem uma palavra a dizer: encontra-se já agendado o 3.º episódio desta série da Teia D’Ideias que vai decorrer no dia 22 de janeiro de 2013 e será subordinada ao tema “O Estado de Saúde do Barlavento Algarvio”. Marque na sua agenda e não perca mais um debate que a todos diz respeito.

Por: Teia D’Impulsos

Categories: Algarve, Portimão

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.