Portimão

Unidade de Portimão para apoio a adultos com doença mental pode inspirar rede social no barlavento

No prazo máximo de um ano, Portimão irá dispor de uma unidade sócio-ocupacional da UNIR – Associação dos Doentes Mentais, Famílias e Amigos do Algarve, a qual permitirá apoiar no barlavento os portadores de enfermidades do foro psiquiátrico e colmatará uma lacuna existente nesta sub-região, onde não existe qualquer tipo de equipamento social para adultos com doença mental grave.

As instalações, situadas na Rua Poeta António Aleixo, têm 600 m2 e serão cedidas graciosamente pelo Município de Portimão na sequência do protocolo hoje celebrado com aquela instituição particular de solidariedade social, visando responder às necessidades detetadas no barlavento algarvio, onde residem cerca de 150 mil pessoas e não existe nenhum equipamento para adultos com doença mental.

Após a assinatura do documento, a presidente da direção da UNIR, Orlanda Trindade, sublinhou que o futuro equipamento “pretende suprir as carências apontadas nos diagnósticos sociais feitos nos concelhos de Aljezur, Vila do Bispo, Lagos, Monchique, Silves, Portimão e Lagoa, e terá como população-alvo os adultos com doença psiquiátrica grave estabilizada, tendencialmente crónica, que apresentem reduzida capacidade relacional e de integração social, frequentes dificuldades na estruturação das atividades de vida diária e na manutenção do espaço habitacional, bem como no exercício profissional”.

Aquela responsável divulgou que as instalações poderão receber diariamente 30 clientes/utentes selecionados, que apresentem grau moderado ou reduzido de incapacidade, estabilização clínica e comportamentos não lesivos do relacionamento em grupo, podendo ainda ser prestado apoio indireto a mais 150 doentes desta região, “recorrendo também ao regime de ‘outdoor’ em infraestruturas da comunidade local, para atividades sócio-ocupacionais”.

Segundo a presidente da Câmara Municipal de Portimão, Isilda Gomes, “o bem-estar dos que se sentem excluídos da sociedade deve ser preocupação prioritária para todos nós e em boa hora surge este projeto da UNIR, que resulta das boas vontades entre o movimento associativo e a autarquia e que reforçará a inclusão social no barlavento, ao formar uma grande rede em torno da problemática da saúde mental”.

“No ano em que se assinalará o 40.º aniversário da Revolução de Abril, só poderemos dizer que existe uma democracia efetiva quando atingirmos condições para não haver excluídos e todos formos iguais em direitos e deveres”, sustentou Isilda Gomes ao revelar que, “apesar das escassas verbas disponíveis, foi reforçada substancialmente em Portimão a área dos cuidados sociais, tendo sido criado um grupo de trabalho para constituição da Rede de Emergência Social Municipal, numa medida em torno da qual se uniram todas as forças políticas representadas nos órgãos autárquicos locais.”

Apesar da atual conjuntura económica, é convicção dos responsáveis da UNIR e da autarquia de Portimão que uma resposta social deste calibre pode ser erguida e mantida “com base na boa vontade de todos”, conforme defendeu Isilda Gomes, que lançou o desafio às outras câmaras do barlavento e às entidades privadas para apoiarem esta causa.

A unidade barlaventina da UNIR promoverá uma panóplia de serviços e intervenções, tendo em consideração o diagnóstico de cada cliente, de forma a elaborar um plano de desenvolvimento individual, constando dessas valências o apoio e monitorização nas atividades da vida diária, a facilitação na aquisição de terapêutica e controlo dos parâmetros vitais, um serviço gratuito de estomatologia/odontologia por clínica da especialidade, o acompanhamento de técnico às consultas de psiquiatria ou o apoio a grupos de autoajuda, incluindo familiares e cuidadores informais, além de outros serviços e intervenções.

Para assegurar níveis adequados de qualidade dos serviços prestados, a nova unidade irá disponibilizar uma equipa multidisciplinar que incluirá psicólogo clínico, assistente social, técnico superior da área de reabilitação psicossocial e monitor, entre outros profissionais, que fomentarão atividades estritamente ocupacionais, socioculturais, de desenvolvimento pessoal e social, lúdico-terapêuticas e socialmente úteis.

A UNIR, que integra o Conselho Local de Ação Social de Portimão, foi fundada em 2002 por técnicos de psicologia e familiares de pessoas com experiência de doença mental e tem por missão desenvolver respostas biopsicossociais às necessidades do doente mental e seus familiares, colmatando a inexistência de apoios e defendendo o direito à saúde mental, e tem como valores criar autonomia, união e dignidade, incutir confiança, competência e desenvolvimento humano, ao mesmo tempo que promove a responsabilidade social, o direito à privacidade e individualidade, a iniciativa e o dinamismo, visando prestar um serviço de excelência nesta área e estender a sua ação a toda a região algarvia.

Por: Município de Portimão

Categories: Portimão

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.