AGENDA

ALCANTARILHA | Apresentação do livro “Vale a Pena Sonhar”, de Maria de Jesus | 17 de maio

A Santa Casa da Misericórdia de Alcantarilha vai ser palco da apresentação do livro “Vale a Pena Sonhar”, de Maria de Jesus, a realizar-se no sábado, dia 17 de maio, pelas 16 horas, no Salão Polivalente da instituição.

vale_a_pena_sonhar

“VALE A PENA SONHAR”

Não é todos os dias que desponta um poeta que aos 83 anos tem a coragem de editar um livro de poemas e de textos poéticos recheado de amor, carinho pelos outros, fé, muita fé em Deus, mas também desgostosa e, cansada de viver e deseja partir, mas quis deixar aos familiares e amigos os seus desabafos.

Apresento-vos Maria de Jesus Sales, nascida em Armação de Pêra e que repartiu a vida com o marido Vítor Rocha durante 63 anos, entre Silves e a sua terra natal.

Tive o privilégio de a conhecer e conversar e ajudá-la a publicar “VALE A PENA SONHAR”, o seu livro qual netinho que ajuda a crescer.

Nas conversas que tivemos, dizia: “E quando chegar ao fim / Se já não poder falar / Coração, diz tu por mim / Que vivi só para amar”, ou: “O rosto de uma criança / É o símbolo da pureza / O meu olhar não se cansa / Ao admirar tanta beleza”.

Mais adiante, Maria de Jesus escreve: “Uma longa caminhada / Transformou a nossa vida / Já não nos resta mais nada / Só esperamos a partida”.

O companheiro marido de uma vida partiu e, Maria de Jesus perdeu a felicidade em viver, refugiando-se na escrita como que em consultas de psicanálise: “Estou a entrar em depressão / Sinto desejo de morrer / Esta vida é uma ilusão / Quero desistir de viver”, acrescentando: “Já vai longa a minha vida / Já muitos anos vivi / A Deus estou agradecida / Por vivê-los junto de ti”, ou ainda: “Um dia quando partir / Outra vida vai começar / Quero morrer a sorrir / Não quero ninguém a chorar”.

Maria de Jesus viveu oitenta e tal anos para os outros, essencialmente para o marido e filhos, é do outro tempo e do tempo em que as mulheres eram submissas aos homens, ao seu homem para toda a vida. Eram felizes ou infelizes uma a vida.

A autora reclama: “Foste o grande amor da minha vida! Sem ti ela não tem sentido.
Fui admiradora da Natureza, mas sem ti, o mar, o campo, as flores, não têm o mesmo encanto… (…) “Pede a Deus que me leve, porque sem ti, não posso viver” e, quando a mulher confessa tal por escrito e decide oferecer as suas palavras ao mundo, pergunto aos leitores: O que teria sido este poeta mulher se aos 40 ou 50 anos tivesse decidido escrever e publicar o que lhe ia na alma, o seu amor, a felicidade, a incompreensão, a fé em Deus, no Senhor e nos outros pelos outros?

Outro grande amor de Maria de Jesus sempre foi as crianças, foi catequista uma vida inteira: (…) “Amo muito as crianças, sejam elas ricas ou pobres, mas gostava que a nossa sociedade fosse mais justa!”.

Em “VALE A PENA SONHAR” as confissões através da escrita são uma constante:
(…) “Hoje acordei de madrugada, e pensei em ti! Pensei em escrever-te esta carta, seria bom que a pudesses receber… Vou fazer de conta que é possível! Tu não sabes ler Mãe, mas pede aos anjinhos que a leiam. Tenho muitas saudades tuas (…)”. “Querido Vítor, todas as manhãs choro por ti. As minhas lágrimas correm como um pequeno rio que corre para o mar, tentando a jogar nele a minha sanidade. A minha alma suspira, por entrar na eternidade. Sinto a tua falta, gostava de sair deste mundo, onde há tanta maldade, tanta violência, tanta corrupção!

No passado dia 9 de dezembro fazíamos 63 anos de casados, tu partiste, mas nosso amor não morreu! Estás ausente, mas sempre presente no meu coração! (…)”.

Podia escrever-se outro livro acerca de Maria de Jesus, mas este é o seu livro, fui e serei com todo o prazer o seu editor, finalizo este pequeno, mas emocionado texto com as palavras a lacrimejar de Maria de Jesus, como aliás, são a maior parte delas:

(…) “Sinto-me como uma ave que ficou só no seu ninho, sem forças para voar, esperando que Deus lhe abra o caminho para voar em direção ao céu! Querendo fugir do mundo, refugiei-me no Lar da Santa Casa da Misericórdia de Alcantarilha, onde encontrei idosos em diferentes condições (..,), mas que lhe dão força para continuar a viver.

Obrigado D. Maria de Jesus por ter confiado em mim.

Por: João Pina

Categories: AGENDA, Silves

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.