Loulé

ESPÉCIE EM VIAS DE EXTINÇÃO | Libertação de 19 cágados-de-carapaça-estriada criados em cativeiro na Lagoa de São Lourenço, em Almancil

O RIAS/ALDEIA e toda a equipa do projecto LIFE + Trachemys vão promover no próximo sábado, dia 19 de julho, a libertação de 19 indivíduos de Cágado-de-carapaça-estriada (Emys orbicularis) nascidos em cativeiro. A libertação destes animais decorrerá pelas 9h30 na Lagoa de São Lourenço, em Almancil, naquela que será uma ação pioneira em Portugal. O reforço de populações de Cágado-de-carapaça-estriada, pelo segundo ano consecutivo, com esta libertação de cágados nascidos em cativeiro, ajuda a salvar esta espécie ameaçada de extinção.

cagado_emys_orbicularis

O Projeto LIFE+ Trachemys, que se iniciou em 2011 e foi concluído em Dezembro de 2013, tinha como um dos objetivos a reprodução em cativeiro do Cágado-de-carapaça-estriada (Emys orbicularis), uma espécie considerada Em Perigo de extinção em Portugal. Este projeto foi resultado de uma parceria entre o CIBIO, o Parque Biológico de Gaia e a Associação ALDEIA/RIAS, em Portugal, e a Generalidade Valenciana e a empresa Vaersa, em Espanha.

Durante os três anos da ação nasceram 95 crias de diferentes posturas desta espécie nas instalações do RIAS-Olhão (Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens) e 50 no Parque Biológico de Gaia, aumentando assim a esperança de fortalecer as populações em declínio desta espécie.

As fêmeas grávidas foram capturadas nas 4 áreas de atuação do Projeto na Ria Formosa. Após a confirmação das posturas em instalações desenvolvidas para esse fim, as fêmeas foram devolvidas à natureza nos mesmos locais onde haviam sido capturadas.

Estes nascimentos em cativeiro têm como objetivos aumentar a reduzida taxa de sobrevivência dos animais nos primeiros anos de vida e reforçar as populações selvagens desta espécie. Os resultados obtidos representam o equivalente a um acréscimo de cerca de 40% da população total conhecida nas lagoas abrangidas pelo Projeto.

Os indivíduos nascidos foram mantidos em cativeiro durante 2 anos, de forma a evitar a fase mais crítica de sobrevivência na natureza e minimizar o perigo de predação a que estes animais estão sujeitos.

A libertação dos primeiros 40 indivíduos ocorreu, pela primeira vez em Portugal, a 12 de Junho de 2013 nas lagoas de origem dos seus progenitores: Lagoa de São Lourenço, Quinta do Lago Sul, Dunas Douradas e Garrão, todas situadas em Almancil, Loulé.

Apesar do projeto ter oficialmente terminado, o facto de os juvenis terem de permanecer em cativeiro por 2 anos obrigou à manutenção dos indivíduos nascidos em 2012 e 2013 por um período superior ao do projeto, de forma a serem libertados este ano e em 2015.

A libertação das crias nascidas no segundo ano do projeto decorrerá no próximo dia 19 de Julho às 09:30h na Lagoa de São Lourenço, sendo o ponto de encontro a receção do San Lorenzo Golf Club, estando convidada toda a comunicação social para acompanhar este evento, bem como todas as entidades envolvidas neste projeto.

Sobre o Projeto LIFE+ Trachemys

O Projeto LIFE+ Trachemys “Estratégias e técnicas demonstrativas para a erradicação de cágados invasores” foi co-financiado pelo Programa LIFE+ Biodiversidade, um instrumento financeiro para a conservação e proteção da natureza na União Europeia, que visa desenvolver projetos inovadores ou de demonstração que contribuam para a concretização do objetivo de “travar a perda de biodiversidade”.

O Projeto, com uma duração de 3 anos, teve como foco principal avaliar a situação atual e impacto das populações de Tartaruga da Flórida (Trachemys scripta) e o desenvolvimento e teste de diferentes métodos de captura em 4 zonas húmidas de Portugal (Ria Formosa) e 13 em Valência, Espanha. Esta espécie invasora tem-se estabelecido em diferentes zonas húmidas nacionais, fruto da libertação destes animais de estimação em meios naturais, com fortes impactos negativos na fauna autóctone.

Os objetivos principais do Projeto foram:

• Avaliação da situação atual das populações de cágados invasores e autóctones nas áreas de estudo;

• Desenvolvimento e teste de técnicas inovadoras de captura de cágados e demonstração da sua adequabilidade e viabilidade em zonas-piloto;

• Captura de tartarugas exóticas e seu encaminhamento para Centros de Receção, de forma a controlar e, se possível, erradicar as populações naturalizadas;

• Reforço populacional de tartarugas autóctones em 10 zonas húmidas de Portugal e Valência através de um programa de reprodução em cativeiro;

• Desenvolvimento de uma estratégia de comunicação para informar a sociedade sobre a problemática causada pela libertação de espécies exóticas na natureza de forma a evitar esta prática.

Durante este projeto foi possível constatar que as populações de Trachemys scripta estabelecidas na zona da Ria Formosa apresentam densidades muito elevadas e foi comprovado pela primeira vez em Portugal que se reproduzem na área, o que, dada a sua alta capacidade reprodutiva, constitui uma situação muito preocupante.

Todas as tartarugas exóticas invasoras capturadas foram retiradas da natureza e enviadas para Centros de Receção, nomeadamente o Zoo Krazy World, onde foram criadas instalações apropriadas para o seu acomodamento e exibição, funcionando como meio de educação ambiental para esta problemática.

A libertação de tartarugas exóticas invasoras na natureza é punida por lei e causa enormes impactos ambientais.

Assim, todas as pessoas que não desejem ou não possam manter os cágados que têm em casa, devem sempre entregá-los em Centros de Receção oficiais, como o ICNF, o Parque Biológico de Gaia e o RIAS em Olhão.

Por: Associação ALDEIA – RIAS (Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens)

Categories: Loulé

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.