Internacional

Marrocos inaugurou o seu primeiro Museu de Arte Contemporânea em Rabat e foram lançadas as obras de construção do Grande Teatro de Rabat

No âmbito do programa “Rabat cidade luz, capital cultural de Marrocos”, o Rei Mohamed VI inaugurou na passada semana, o Museu Mohammed VI (MMVI).

O Programa “Rabat cidade luz, capital cultural de Marrocos”

O programa “Rabat cidade luz, capital cultural de Marrocos” pretende posicionar Rabat enquanto destino e cidade de cultura e diversificar a oferta marroquina no mercado internacional.

Recorde-se que esta cidade imperial foi escolhida como capital da cultura árabe em 2003; Considerada “Cidade Verde” em 2010 (a cidade dispõe actualmente de 230 hectares de espaços verdes para além dos 1063 hectares de floresta – de Maamora – que rodeiam a cidade); Inscrita no Património mundial da UNESCO em 2012; Premiada com o segundo lugar dos destinos “TOP TRAVEL DESTINATIONS” para 2013 pela CNN

O programa – um programa integrado em prol do desenvolvimento urbano da cidade – visa a valorização do património cultural e civilizacional da cidade, consagrar a vocação Rabat como cidade verde, reabilitando os espaços verdes, os jardins e os parques da cidade, e desenvolver espaços de lazer e de divertimento.

Para além do recém inaugurado Museu, o projeto compreende a construção do Grande Teatro, do Museu nacional da arqueologia e ciências da Terra e várias casas de cultura, um complexo residencial, unidades hoteleiras, espaços dedicados a atividades comerciais e recreativas, ordenamento de espaços verdes, para além da extensão da actual Marina. Estes projetos, virão acrescentar-se às diversas instalações culturais e artísticas já existentes da capital: Teatro nacional Mohammed V, a Biblioteca nacional e diversos museus especializados e de galerias privadas disseminadas pela cidade.

O Museu de Arte Contemporânea – Rabat

Inaugurado na passada semana, o Museu Mohammed VI (MMVI), no centro da cidade de Rabat, é o primeiro museu do país dedicado inteiramente à arte moderna e contemporânea e o primeiro museu nacional construído desde 1958.

O museu tem como objectivo preservar e conservar, valorizar e promover o património nacional, cobrindo a evolução da criação artística marroquina nas artes plásticas e visuais do início do século XX aos nossos dias.

A primeira exposição inaugural intitulada “1914-2014: cem anos de criação ” apresenta 400 obras de 150 artistas marroquinos, de diferentes gerações de criadores marroquinos ao longo dum século, entre as quais, as obras do pintor Farid Belkahia, Mohamed Chabaa, Mohamed Kacimi, Chaïbia Tallal ou Hassan El Glaoui, permitindo apreciar um panorama histórico e documentado da evolução da arte moderna e a arte contemporânea produzidas em Marrocos.

Este museu inscreve-se no âmbito de uma vasta política de desenvolvimento e reforço das infraestruturas culturais de grande envergadura em Marrocos (a recente Fundação Nacional de Museus de Marrocos (FNM), liderada por Mehdi Qotbi, pretende construir um museu em todas as principais cidades de Marrocos) e no quadro do programa “Rabat cidade luz, capital cultural de Marrocos”.

O museu quer-se um espaço de exposições mas também de produção de obras de arte e de formação, tendo desenvolvido parcerias com instituições como o Louvre em Paris e o Museu das civilizações da Europa e do Mediterrâneo (MUCEM) em Marselha para formar novas competências e organizar exposições conjuntas. O Museu conta com empréstimos de mecenas e de colecionadores privados (um colecionador que dispõe de 200 obras de Picasso e de Braque está disposto a empresta-los).

Mais informações sobre o Museu: www.museemohammed6.ma

Vídeo disponível em: https://www.facebook.com/permalink.php?id=346503512179939&story_fbid=371759639654326

Este é o primeiro projeto a ser inaugurado no âmbito do programa “Rabat Cidade Luz, Cidade da Cultura” e a sua abertura coincidiu com o anúncio lançamento das obras de construção do Grande Teatro de Rabat.

Grande Teatro de Rabat

O projeto virá reforçar a infraestrutura cultural na capital e constituir uma obra-prima arquitetural única que combina tradição e modernidade.

No coração do Vale do Bouregreg, perto da Torre Hassan e do Mausoléu de Mohammed V, o “ Grand Theâtre de Rabat” vai ser construído como um símbolo do renascimento cultural e artístico da capital e irá certamente melhorar o acesso da população às atividades culturais e artísticas resultando no desenvolvimento do potencial intelectual e criativo de toda a população.

Espaço de vocação sociocultural por excelência, o futuro teatro, visa dotar a cidade de Rabat, e toda a região, de um polo dedicado à animação artística e lazer, capaz de acolher as grandes manifestações culturais nacionais e internacionais e favorecer a emergência de talentos, nomeadamente dos jovens.

Num terreno de 7 hectares, compreenderá uma sala de espetáculos (2000 lugares), um anfiteatro ao ar livre com uma capacidade de 7.000 lugares, um auditório (1.900 lugares), inúmeras outras salas de espectáculos, bem como jardins e promenades numa superfície de 30 mil metros quadrados.

A sua concepção é de Zaha Hadid, a arquiteta inglesa de origem iraquiana – a primeira mulher do mundo laureada com o prémio Pritzker em 2004 – conhecida mundialmente pelas suas ambiciosas criações das quais se destacam: o Museu de Arte do século 21 em Roma; o Centro Científico de Wolfsburg na Alemanha; e o Centro Rosenthal de Arte Contemporânea em Cincinnati (Estados Unidos).

Mais informações : http://www.grandtheatrerabat.com/

Por: Turismo de Marrocos

Categories: Internacional, Turismo

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.