Algarve

Mais de seis mil pessoas na Algarve Nature Week

O turismo de natureza acaba de ganhar novo fôlego na região algarvia com a primeira edição da Algarve Nature Week, evento que durante nove dias mostrou a beleza natural do destino a milhares de pessoas que procuraram atividades ao ar livre com descontos especiais. Entre 11 e 19 de abril, cerca de 130 propostas provaram que o Algarve é mais do que praia e pode ser a melhor opção para projetos de férias na natureza, o ano inteiro.

São números redondos os do balanço da Algarve Nature Week, organizada pela primeira vez este ano pela Região de Turismo do Algarve (RTA). Só pela mostra de atividades de natureza que ocupou o Parque Ribeirinho de Faro entre 17 e 19 de abril passaram seis mil visitantes e 500 alunos das escolas da região. As experiências disponíveis nestes três dias esgotaram num piscar de olhos e poucos foram os que resistiram ao charme dos burros mirandeses e ao prazer de chapinhar na água de uma piscina durante um batismo de mergulho.

Mas estas foram apenas duas das atividades agendadas para a mostra onde estiveram 60 expositores. Percursos pedestres, passeios de jipe até às ruínas de Milreu, de bicicleta ou de barco pelos canais da ria Formosa, observação de aves, montar a cavalo em volteio, workshops e jogos encheram o programa de fim de semana de muitos residentes e turistas.

E se aos três dias da mostra se adicionarem os restantes seis da Algarve Nature Week, as propostas duplicam e o número de participantes no evento cresce: «os números totais de reservas de atividades de natureza e de alojamento estão a ser apurados. Temos já a clara noção de que o evento gerou maior procura por este produto turístico e pelas empresas aderentes», afirma o presidente da RTA, Desidério Silva.

A Algarve Nature Week quis promover a beleza natural do Algarve e as características únicas que a região oferece para a prática de desporto ao ar livre. Com 19 áreas classificadas (cinco protegidas e 14 integradas na Rede Natura 2000), o Algarve tem cerca de 40 por cento de área com estatuto de conservação, o que para Desidério Silva «consagra a importância biológica e paisagística da região em termos europeus», adianta o presidente.

«O turismo de natureza, atualmente em desenvolvimento no Algarve, é um produto em ascensão a nível europeu. Estima-se que venha a motivar cerca de 26 milhões de viagens na Europa em 2020, sendo os seus mercados emissores a Alemanha, Holanda, Reino Unido, Escandinávia, França e Itália, que representam cerca de 91% do mercado europeu», continua Desidério Silva, para quem é preciso «divulgar o Sul do país nesses mercados além do sol e mar, golfe ou do turismo residencial».

Nesse sentido, a RTA organizou durante a Algarve Nature Week uma visita ao destino para jornalistas de Portugal e Espanha, enquanto a Associação Turismo do Algarve preparou uma fam trip para profissionais de turismo do Reino Unido, da Irlanda, Holanda, Bélgica, Suécia, Alemanha, Dinamarca e França. Tudo para que os jornalistas e operadores conhecessem de perto a oferta de turismo de natureza do Algarve através de um programa ativo de passeios de barco, de bicicleta ou em burros albardados, de caminhadas, observação de aves e safaris pela serra.

A Algarve Nature Week voltará na primavera de 2016 e a mostra das empresas e produtores locais que este ano decorreu em Faro acontecerá em Loulé, anunciou Desidério Silva durante a cerimónia de encerramento do evento, no último domingo, dia 19.

Nesta primeira edição, a Algarve Nature Week contou com o apoio do Turismo de Portugal e a parceria da Associação Turismo do Algarve, Câmara Municipal de Faro, CP – Comboios de Portugal, Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve, Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares do Algarve, Água de Monchique e das associações de desenvolvimento local In Loco, Terras do baixo Guadiana e Vicentina.

Por: RTA – Região de Turismo do Algarve

Categories: Algarve, Turismo

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.