Loulé

Metopossaurus Algarvensis encontrado no Concelho de Loulé dá origem a protocolo entre Autarquia Louletana, Fundação António Aleixo e Universidade Nova de Lisboa

No dia 24 de março de 2015 foi dado a conhecer ao mundo uma nova espécie de salamandra gigante, encontrada em Loulé. Octávio Mateus teve oportunidade de, no âmbito dos 20 anos do Museu Municipal de Loulé, realizar uma conferência no dia 23 de maio sobre este achado que é considerado muito importante e significativo para a Paleontologia mundial.

Trata-se de uma nova espécie de anfíbio descoberta no Algarve que viveu durante a ascensão dos dinossauros foi um dos maiores predadores da Terra há cerca de 200 milhões de anos atrás. O paleontólogo que participou na descoberta e estudo, Octávio Mateus, afirma que “esta descoberta é um exemplo de um achado de uma época da qual conhecemos muito pouco em Portugal, o Triásico, há cerca de 200 milhões de anos, altura em que viveram alguns dos primeiros dinossauros”.  Além deste paleontólogo da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, o estudo inclui ainda investigadores das Universidades de Edimburgo, Birmingham e Museu de História Natural de Paris.

As criaturas assemelham-se a salamandras gigantes, algumas com 2 metros de comprimento, que viveram em lagos e rios durante o Período Triásico, de forma semelhante aos crocodilos de hoje, dizem os investigadores. Os metopossauros faziam parte do grupo ancestral do qual os anfíbios modernos – tais como sapos e salamandras – evoluíram, diz a equipa.

Apenas uma fração do local – cerca de 4 metros quadrados – foi escavado até agora, e a equipa irá prosseguir o trabalho para descobrir novos fósseis. A maioria deste tipo de grandes anfíbios foi exterminada durante uma extinção em massa que ocorreu há 201 milhões anos atrás, muito antes da morte dos dinossauros. Isto marcou o fim do Período Triásico, quando o supercontinente Pangea, que incluiu todos os continentes do mundo, se começou a dividir. O estudo, publicado no Journal of Vertebrate Paleontology, foi financiado pela National Science Foundation, Fundação Alemã de Investigação, Jurassic Foundation, CNRS, Columbia University Climate Center e Chevron Student Initiative Fund. Apoio adicional foi fornecido pela Câmara Municipal de Loulé, Câmara Municipal de Silves e Junta de Freguesia de Salir, no Algarve.

Nesse sentido, a Câmara Municipal de Loulé demonstrou interesse em colaborar quer na investigação quer na divulgação deste património ímpar e por isso foi hoje, dia 5 de janeiro, assinado um protocolo de colaboração entre a Câmara Municipal de Loulé, a Fundação António Aleixo e a Universidade Nova de Lisboa/ Faculdade de Ciência e Tecnologia, o qual tem como objetivos colaborar no âmbito do estudo da Paleontologia e da Geologia e na defesa do Património paleontológico e geológico do Concelho de Loulé, e participar, como parceiros, em projetos de investigação científica, bem como na exploração e divulgação dos seus resultados.

De acordo com as declarações do presidente da Câmara Municipal de Loulé, Vítor Aleixo, este protocolo “insere-se numa visão estratégica de longo prazo que temos para o Município, apostando no Património como um dos eixos de desenvolvimento sustentado; um trabalho que se quer continuado e consistente, selando assim, aqui, um compromisso para o futuro, contribuindo para a continuação da investigação, através do apoio às escavações, assim como a bolsas de mestrado e de doutoramento”.

Categories: Loulé

1 reply »