Alcoutim

Alcoutim sem médico há dois meses

A vila de Alcoutim está sem médico há mais de dois meses, apesar de a situação ter sido sinalizada oportunamente pelo presidente da Câmara Municipal junto das entidades responsáveis e da apresentação de alternativas por parte do Município para assegurar a prestação de cuidados de saúde primários à população.

Quando em outubro de 2015, infortúnios vários comprometeram a assiduidade dos dois médicos que asseguravam tais serviços, ficámos dependentes do único médico disponível, colocado a mais de trinta quilómetros na Extensão de Saúde de Martim Longo, onde serve a população das freguesias de Martim Longo e de Vaqueiros, depois do encerramento inesperado e injustificável da Extensão de Saúde de Vaqueiros em outubro de 2013.

Desde essa data, o presidente da Câmara Municipal de Alcoutim, encetou diligências junto do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Sotavento e na Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve, no sentido de assegurar a prestação de cuidados de saúde primários à população e resolver esta situação que coloca em causa toda a população do concelho, dispersa por mais de 100 povoações espalhadas pelos seus 577 quilómetros quadrados.

Destes contactos, surgiu uma alternativa por parte da ARS do Algarve, que recorreu à prestação de serviços de uma empresa, e que colocou uma profissional de saúde que cumpria integralmente os requisitos para desempenhar as funções de médico de família na USF em Alcoutim.

Sabendo a ARS do Algarve que esta era uma solução provisória e que a continuidade desta colocação dependia de um novo procedimento com a empresa prestadora de serviços, e que deveria acontecer só a partir de Janeiro de 2016, eis que recomeça novamente o problema, ora por falta de verba para contratar, ora por falta de autorização da despesa por parte do Ministério da Finanças, num processo moroso e burocrático.

Atento a esta dificuldade e sabendo que o resultado desta morosidade iria traduzir numa quebra prolongada da prestação de cuidados de saúde primários à população, o Município de Alcoutim propôs-se assumir a responsabilidade da contratação do médico, e das despesas financeiras inerentes, pelo tempo que demorasse o procedimento contratual, viabilizando dessa forma a continuidade da prestação dos serviços.

Tendo a ARS do Algarve concordado com esta proposta, o presidente da Câmara Municipal de Alcoutim diligenciou a continuidade da profissional de saúde que tinha estado colocada até final de Dezembro, tendo sido autorizada a sua designação.

Dois dias antes do início da prestação de serviços, foi o presidente da Câmara contactado pelo ACES do Sotavento, a dar conta de que a solução encontrada não estaria a ser muito bem vista e que não seria possível autorizá-la, pelo que teríamos que esperar que a solução viesse da própria ARS do Algarve.

Hoje, passados mais de quatro meses sobre o início deste problema, não há qualquer solução temporária ou definitiva, sendo questionável, já, se de facto alguém está verdadeiramente preocupado com a prestação de cuidados de saúde primários à população para além do Presidente da Câmara Municipal de Alcoutim.

Ninguém de bom senso consegue entender esta morosidade na resolução do problema e os cidadãos de Alcoutim não aceitam que a crise seja desculpa para tudo.

Centro de Saúde de Alcoutim

Centro de Saúde de Alcoutim

Categories: Alcoutim, Saúde