Algarve

O som do Algarve está a ser gravado para outros tempos

Existe uma nova associação cultural no Algarve que começa a dar os primeiros passos, com projectos que prometem ser inovadores. Chama-se Fungo Azul e tem sede em Lagos, mas garantem os responsáveis que o trabalho a desenvolver englobará toda a região algarvia.

“A Fungo Azul nasceu com vontade de trabalhar sobre o património cultural, quer seja material ou imaterial. Sobre a necessidade de o proteger, de o valorizar e de o promover” afirma Nuno Murta, presidente da jovem associação. Um dos primeiros avanços é com um projecto de recolha de som intitulado ASPA (Arquivo Sonoro Paisagístico do Algarve).

Carlos Norton, mentor deste projecto, teve a ideia inicial há 10 anos, quando começou a trabalhar na área do som e da rádio. “Na altura o projecto era porventura demasiado inovador, ainda não se falava de património imaterial como acontece hoje. Durante este período estudámos técnicas, materiais e tecnologias e investimos em equipamento. Em 2013 conseguimos os primeiros apoios para o projecto e em 2015 apresentámos a ideia à Direcção Regional de Cultura do Algarve. Agora, passada a fase de preparação, conseguimos reunir as condições para avançar com o ASPA. Gravar uma região inteira é um trabalho pioneiro em Portugal e com poucos exemplos a nível mundial, mas é um trabalho que tem tanto de fascínio como de megalomania” salienta o sonoplasta em residência artística no LAC, onde desenvolve um conjunto de trabalhos dedicados ao som de onde se destaca o ASPA.

Ao todo serão mais de 300 lugares onde o som ambiente vai ser registado, em locais variados que vão desde os ambientes rurais aos urbanos. O levantamento servirá de registo de um som que é diverso e que está em mutação. “O som do mercado de Olhão não é hoje igual ao que era em 1960. Mas nem o som das salinas de Castro Marim se manteve inalterado. As condições físicas, ambientais e humanas estão em permanente evolução” acrescenta Carlos Norton que promete que “esta será apenas a primeira fase, para registar e testemunhar a diversidade sonora ambiental do Algarve. Recolhas posteriores servirão para observar a evolução do som e esse é um dos objectivos a longo prazo da Fungo Azul”.

Mas a recolha não será meramente de carácter cultural, já que há igualmente uma vertente lúdica como salienta o mentor do ASPA – “Alguém que esteja longe da terra natal, alguém de Faro que tenha passado a juventude sentado no cais a ler um livro, poderá repetir o momento, mesmo estando a milhares de quilómetros de distância, seleccionando o ficheiro de som desse local e usando-o como banda sonora enquanto lê o livro em Melbourne, Singapura ou Maputo. É uma forma extraordinariamente bonita de matar saudades e de se fazer sentir em casa”. Para que isto e muito mais possa acontecer, todos os ficheiros recolhidos serão livremente disponibilizados num mapa interactivo onde será possível aceder ao ficheiro de som, bem como ter a informação do momento de recolha.

“Não queremos produzir conteúdos destinados meramente ao estudo, para arquivar. O arquivo pode e deve ser vivo, as pessoas podem ouvir, roubar, utilizar o som como o entenderem. E até podem colaborar, dando sugestões de locais que gostariam que fossem alvo de recolha, para que este ASPA seja de todo o Algarve” convida Nuno Murta.

Recentemente, a Fungo Azul assinou um protocolo de cooperação com a RUA FM, já que “a vontade de colaborar, juntar esforços, e valorizar mutuamente valências específicas de cada entidade é um caminho essencial para o bem comum – a nossa região” confirma Nuno Murta, que acrescenta que esta é apenas uma de muitas das ideias a que a associação já deu início ou que vai desenvolver a curto prazo, sempre de mãos dadas com outras associações e entidades algarvias. O projecto ASPA é exemplo disso e neste arranque junta para já mais de uma dezena de associações, instituições e entidade oficiais, em parcerias que beneficiam mutuamente quem participa, mas acima de tudo o próprio projecto e como tal, o património imaterial da região.

O Projecto ASPA já deu início à fase de recolha e vai ser oficialmente lançado em Abril, estando prevista para o Outono a conclusão da primeira fase. Fica a promessa de que em breve os algarvios poderão “ouvir o ambiente” que os rodeia de forma bem diferente.

Categories: Algarve