Consumidor

“Tenho ouvido falar na subida das taxas de juro. Que vantagens ou desvantagens tem essa subida?”

Delegação Regional do Algarve

CONSULTÓRIO DO CONSUMIDOR / DECO

A DECO INFORMA…

O aumento das taxas de juro acontece porque a inflação está a aumentar devido à subida dos preços da energia (o preço do petróleo também aumentou). Os bancos centrais, neste caso o BCE (Banco Central Europeu), terão de tomar medidas para combater a inflação, e a subida dos juros é a que está ao seu alcance.

O que pode acontecer às suas poupanças se os juros ou as taxas Euribor aumentarem? Para as aplicações financeiras com rendimento indexado à Euribor, as notícias são boas. É o caso dos Certificados de Aforro e das Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV).

Para os depósitos a prazo também. Com o financiamento nos mercados a ficar mais caro, os bancos irão preferir recolher fundos junto dos clientes, cativando-os com taxas um pouco mais apelativas.

O mesmo raciocínio se aplica ao Estado, que terá interesse em preferir o financiamento junto dos particulares, emitindo novas séries de Certificados do Tesouro Poupança Mais (CTPM) e de OTRV. O rendimento destas últimas depende da Euribor, mas cada nova série tem sido emitida com uma indexação menos vantajosa. No futuro próximo, é quase inevitável que o Estado venha a oferecer rendimentos mais elevados nas emissões de OTRV e, eventualmente, criar uma nova série de CTPM.

aumento dos juros também tem impacto nos créditos, mas neste caso as notícias são más. Mais de 90% dos contratos de crédito à habitação têm uma taxa variável indexada à Euribor, logo uma subida dos juros implica um aumento da taxa aplicada ao financiamento. Significa que a prestação mensal a pagar ao banco também sobe, em particular nos contratos após 2008, que apresentam spreads mais altos. Por exemplo, se uma família tiver um financiamento de 100 mil euros a 30 anos e um spread de 2%, uma subida de 1% na Euribor representa cerca de € 52 a mais por mês na prestação.

Categorias:Consumidor