Loulé

Novo disco de Luís Galrito apresentado em Loulé | Um dia, o Sonho Pintado deste Menino pode tornar-se realidade

“Menino do Sonho Pintado” é o novo disco de originais de Luís Galrito, apresentado em absoluta estreia nacional esta tarde no palco do Cine-Teatro Louletano. Participaram neste trabalho vários convidados, onde se destacaram Dino D’Santiago, João Afonso, Reflect e Napoleão Mira, contando ainda com a colaboração nos arranjos de João Nunes, Gabriel Costa e Luís Melgueira.

Um trabalho com uma qualidade musical e instrumental extraordinários, com letras que nos remetem para universos paralelos onde reinam o amor, a paz, a justiça, a defesa dos mais fracos…, onde não há espaço para o consumismo, a guerra, a hipocrisia… Quem sabe se um dia o Sonho Pintando por este “menino” Luís Galrito não venha mesmo a realizar-se.

No final, Luís Galrito deixou alguns agradecimentos, designadamente à sua esposa Eugénia; à sua mãe que contribuiu com um poema para este trabalho; ao seu companheiro musical de sempre, António Hilário; a João Espada, que gravou e misturou os vídeos projetados ao longo do espetáculo, apelidando-o de “tocador das imagens”; a ex-alunos seus de Música de Armação de Pêra, que participaram no coro, assim como a sua prima Teles; a Luís Guedes, que contribui com mensagens gravadas num dos seus temas; a sua sobrinha Rita Nascimento, autora do grafismo da capa; à empresa de Tiago Cruz e Joana Espada, que fez a fotografia e as pinturas faciais; aos amigos seus que vieram de longe para assistirem ao espetáculo; ao Cine-Teatro Louletano e a toda a sua equipa; bem como à Câmara Municipal de Loulé, na pessoa do seu presidente, Vítor Aleixo, que assistiu ao espetáculo; entre outros.

Por: Jorge Matos Dias / PlanetAlgarve

Mais sobre “Menino do Sonho Pintado” e o seu autor

À sonoridade deste álbum não são alheias as incontornáveis influências dos cantautores portugueses, das raízes folk do Alentejo e de outras sonoridades de matriz tradicional (ou não) de diversas zonas do país e do mundo. O título do disco é retirado de uma das canções que fala sobre as crianças vítimas de violência em cenários de guerra, relembrando aqui também a atualíssima questão dos refugiados e outros contextos preocupantes. Ao mesmo tempo, o título evoca um desenho que Luís Galrito fez na infância e que o marcou profundamente pela carga simbólica do mesmo (ativismo pela paz); e não deixa de ser um reflexo dos momentos de cumplicidade que passa no seu dia-a-dia desenhando com a sua filha Eva.

A expressão que dá nome ao novo disco de Galrito reflete assim o conceito, a mensagem visível em várias canções deste trabalho discográfico: a vontade de esboçar o sonho na pureza de uma criança, o desejo de mudança, o querer apagar um céu riscado de tintas de medo e afins, e de desenhar cores de harmonia, paz e amor. A fase de composição deste novo disco coincidiu também com a experiência de ser pai pela primeira vez, sendo que alguns dos seus temas, como “Filhos” ou “Balada para o meu Amor”, espelham esta nova e bonita fase da sua vida.

Letrista, compositor, e intérprete das suas canções, nota-se em Luís Galrito uma genuína vertente de trovador, um saudável misto das raízes alentejanas, de onde é oriundo, e das referências urbanas mais modernas. Há uma intervenção despretensiosa e natural nos seus temas, aliada a uma visão algo romântica que renasce continuadamente nos seus textos e se revive de uma voz, com um timbre bem peculiar, e uma guitarra mano a mano. Foi em 1996 que registou seu primeiro trabalho discográfico intitulado Véu vermelho, um álbum temático, filosófico, surrealista e introspetivo, com influências do pop-rock progressivo ao estilo de bandas lendárias como Pink Floyd e outros.

Em 2002 grava Matura Inculta, novo disco de originais com uma sonoridade mais orgânica e crua, revelando referências marcantes da música portuguesa, tais como Jorge Palma, Sérgio Godinho e bandas de sempre do pop-rock nacional, casos dos UHF e Xutos & Pontapés. Dois anos depois regista novas versões promocionais, com novos arranjos, de alguns temas marcantes dos seus anteriores discos. Este trabalho conta com a colaboração e produção de Kalú, baterista do Xutos e Pontapés.

Já em 2005 inicia um ciclo de diversos espetáculos de tributo a grandes cantautores portugueses, onde se destaca a sua homenagem a Zeca Afonso e a outros cantores ligados à Revolução do 25 de abril, a qual tem levado a vários pontos do país e do estrangeiro, e tem recebido as melhores críticas da imprensa, do público e também de algumas personalidades próximas do cantautor, bem como de membros da Associação José Afonso.

Quero Ser Humano é o novo disco que lança em 2010 e que contou com a produção do reconhecido Luís Jardim. Em 2015 edita o seu álbum de tributo a Zeca Afonso, denominado Seja bem-vindo quem vier por bem. Participa ainda, mais recentemente, com João Afonso (sobrinho do cantautor) e o coletivo “O Barco do Diabo” (Rogério Pires, Paulo Machado, Sónia Pereira e João Espada), num projeto inédito denominado “O Sul de José Afonso”, que, num formato audiovisual, revisita as vivências e geografias pessoais, afetivas e musicais de Zeca no sul do país. “Grafonola voadora”, um dueto artístico com João Espada, é o seu mais novo projeto, assente numa performance-concerto interdisciplinar e intimista que opera um diálogo criativo entre imagem, música, palavra e espaço envolvente, a qual conta com convidados especiais nas suas apresentações ao vivo, como Napoleão Mira ou João Frade.

Categorias:Loulé