Nacional

Linha de apoio da APDP atendeu cerca de 600 chamadas de pessoas com diabetes em duas semanas

Relação entre diabetes e COVID-19 é uma das principais preocupações

A linha de apoio telefónico da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP), que foi criada há duas semanas, já atendeu cerca de 600 pessoas com diabetes de todo o país. Esta é uma medida preventiva que permite dar resposta às necessidades de uma população de elevado risco no período em que durar a pandemia de COVID-19.

“A linha de apoio da APDP destina-se a todas as pessoas com diabetes que procuram, principalmente, assistência em situações de descompensação da doença e esclarecimento sobre os procedimentos a adotar em caso de infeção pelo novo coronavírus. Além de questões relacionadas com a doença, as dúvidas sobre o enquadramento legal, o dever de proteção dos grupos de risco e as informações veiculadas pela comunicação social e pelas autoridades de saúde, como as medidas de prevenção e de isolamento, são o principal motivo de preocupação de pessoas com diabetes” afirma José Manuel Boavida, presidente da APDP.

José Manuel Boavida acrescenta ainda que “depois de duas semanas em funcionamento foram identificadas algumas situações que necessitaram de acompanhamento presencial, como casos de feridas graves nos pés e risco de cegueira por descolamento de retina. À linha recorreram, também, pessoas com sintomas suspeitos de COVID-19 que foram devidamente encaminhadas para os canais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).”

Os profissionais de saúde da APDP receberam maioritariamente chamadas da Região de Lisboa e Vale do Tejo (67%), mas também do norte (17%), centro (9%) e sul (5%) do país e, inclusivamente, das ilhas e de portugueses residentes no estrangeiro. A associação registou ainda que as mulheres são as que mais procuram o serviço, com uma média de idades que ronda os 60 anos.

O principal objetivo desta linha é que as pessoas com diabetes, em muitas situações, não tenham de se deslocar para resolver o seu problema de saúde e reforçar assim a comunicação com este grupo de risco. Além disso, aconselhar as pessoas com situações muito graves de saúde a não deixar que o medo de contraírem Covid-19 os impeça de se dirigirem a um serviço de urgência.

O número de telefone é o 21 381 61 61 e está disponível das 8.00h às 20.00h, incluindo fins de semana.

Categories: Nacional, Saúde