Consumidor

DECO PROTESTE e Google juntas para uma internet mais segura

“Net & Siga” é um site com vídeos, dicas e informações úteis sobre os cuidados que os consumidores devem ter ao utilizar a internet, para evitar a fraude online.

A DECO PROTESTE, organização de Defesa do Consumidor, associou-se à Google para a criação do “Net & Siga” um projeto que reúne informações sobre como fazer compras online, usar as redes sociais, o homebanking ou os serviços do Estado na internet de forma segura, disponível em www.netesiga.pt.

Um estudo europeu, divulgado em janeiro de 2020, revela que 23% dos portugueses não fazem compras na internet por desconfiarem da segurança dos pagamentos online. No geral, cerca de 30% dos portugueses nunca tiveram acesso à internet, com mais incidência nas áreas rurais, e a faixa etária com mais de 50 anos é das que menos a utilizam. Estes dados colocam Portugal abaixo da média europeia na utilização da internet (27% contra os mais de 45% de média na Europa) e levam a que seja o Estado-membro mais reticente neste tipo de transações na União Europeia.

No atual contexto de pandemia devido à covid-19, as compras online aumentam e são uma mais-valia em pleno confinamento. As vantagens da utilização da internet superam os perigos, desde que sejam tomadas as devidas precauções.

Esta parceria com a Google, segundo Tito Rodrigues, Public Affairs & Media Relations da DECO PROTESTE, tem como objetivo ”reforçar a literacia digital junto dos portugueses com mais de 50 anos, que, no meio desta corrente pandémica, se viram forçados a uma acelerada conversão ao digital, procurando entregar-lhes ferramentas para que possam tirar o máximo partido da internet”.

No primeiro confinamento, em março de 2020, aumentaram as mensagens com esquemas fraudulentos, muitas delas relacionadas com promessas de cura do novo coronavírus. É possível que, durante este confinamento, voltem a surgir esquemas a promover campanhas de angariação de fundos para combate à doença, testes de despiste da covid-19, plataformas de informação sobre a evolução da pandemia, campanhas de vacinação comparticipadas pelo SNS ou redução no preço da água, do gás e da luz, remetendo para um documento no portal das Finanças.

Para evitar burlas, a DECO PROTESTE continua a recomendar 7 regras essenciais:

  1. seja por e-mail, WhatsApp ou sms, apagar sempre mensagens escritas com erros ortográficos ou gramaticais;
  2. desconfiar de mensagens escritas noutros idiomas, sobretudo vindas de organismos oficiais. Estes comunicam sempre em português de Portugal;
  3. nunca clicar no link enviado. É preferível copiá-lo e colá-lo na caixa de pesquisas do Google para encontrar informação sobre o eventual esquema;
  4. desconfiar sempre de curas ou soluções milagrosas. Provavelmente é fraude;
  5. confiar apenas em comunicações de organismos oficiais, como a Direção-Geral da Saúde e o Ministério da Saúde;
  6. a oferta de bens de primeira necessidade, como máscaras, gel desinfetante ou até papel higiénico, costuma ser esquema fraudulenta;
  7. os endereços que remetem para formulários de levantamento de dados pessoais também são de suspeitar. Pode ser um esquema para recolher dados que permitirão aceder às credenciais de acesso ao e-mail ou ao homebanking.

A segurança online começa nos equipamentos de acesso à internet, seja o smartphone, o computador ou o router. Todos os passos para garantir a proteção dos diferentes equipamentos estão também disponíveis no “Net & Siga” em www.netesiga.pt.

Categories: Consumidor, Nacional