Algarve

Algarve foi a região que registou maior aumento dos inscritos nos centros de emprego

  • Portugal Balanço Social
  • Nova SBE, a Fundação “la Caixa” e o BPI lançam Relatório “A pandemia e o mercado de trabalho: O que sabemos um ano depois”

A Fundação “la Caixa”, em colaboração com o BPI e a Nova SBE, lançam o relatório intercalar “A pandemia e o mercado de trabalho: O que sabemos um ano depois” elaborado por Susana Peralta, Bruno P. Carvalho e Mariana Esteves, do Nova SBE Economics for Policy Knowledge Center. Esta nota é um complemento ao Relatório de Balanço Social, um projeto integrado na Iniciativa para a Equidade Social, este relatório visa traçar um retrato de como a pandemia tem afetado o mercado de trabalho em Portugal, nomeadamente as empresas e população em idade ativa.

No relatório “A pandemia e o mercado de trabalho: O que sabemos um ano depois” os investigadores começam por constatar que as medidas de confinamento devidas à pandemia tiveram um impacto profundo nas condições laborais, com muitas empresas a reduzirem atividade ou a encerrarem, o aumento da prevalência do teletrabalho e a implementação de políticas como o regime de Layoff simplificado.

Segundo apontam os dados compilados neste relatório, em 2020, constituíram-se menos 10 mil empresas do que no ano anterior, mas o número de dissoluções foi semelhante. Em 2021, até abril, já tinham sido encerradas mais 4 mil empresas do que no mesmo período de 2019. Janeiro de 2021 foi o mês com mais dissoluções (mais de 5 mil), o dobro do observado em janeiro de 2019 e 2020.

Durante a pandemia, as taxas de desemprego e de subutilização de trabalho aumentaram, especialmente a partir de junho de 2020, sendo que em abril de 2021 estavam próximas de valores pré-pandemia (cerca de 7% e 13%, respetivamente).

Por outro lado, o relatório dá conta que o número de inscritos nos centros de emprego aumentou em 28% entre fevereiro e dezembro de 2020, principalmente devido ao aumento de 30% nos inscritos com educação secundária. Embora o número de inscritos com ensino superior também tenha aumentado, o relatório aponta que a recuperação foi mais expressiva para este grupo (redução de 12% entre janeiro e maio de 2021) do que para aqueles que tem no máximo o ensino secundário (6%) ou o básico completo (0.4%). O número de inscritos face a 2019 é especialmente significativo na região do Algarve.

O documento identifica ainda que entre o segundo trimestre de 2020 e o primeiro trimestre de 2021, o número médio de horas trabalhadas diminui para os agregados com salários mais baixos e aumentou para os agregados com salários mais elevados. Entre os primeiros, 46% afirmam querer trabalhar mais, mas não encontrar emprego que o permita, o que contrasta com apenas 14% para os segundos. As famílias com crianças, especialmente as monoparentais, e os jovens foram mais afetadas pela redução no número médio de horas trabalhadas.

O teletrabalho ganhou nova relevância neste contexto pandémico. A percentagem de pessoas em teletrabalho no segundo trimestre de 2020 era de 22,6%, diminuiu progressivamente nos trimestres seguintes e voltou a aumentar no primeiro trimestre de 2021, para 20,7%.

Entre as conclusões do relatório denota-se ainda que o salário médio aumentou de 929€ para 982€, entre o primeiro trimestre de 2020 e de 2021. Segundo os investigadores este facto sugere que a maior parte dos postos de trabalho destruídos são os de pessoas com salários mais baixos.

Para a elaboração do relatório “A pandemia e o mercado de trabalho: O que sabemos um ano depois” a equipa de investigadores combinou dados do Inquérito ao Emprego (IE) realizado pelo INE, do Gabinete de Estudos e Planeamento do Ministério do Trabalho e Segurança Social (GEP – MTSSS), do Instituto para o Emprego e Formação Profissional (IEFP) e da Google. Os dados do IE e do GEP são de periodicidade trimestral, enquanto os do IEFP e da Google são mensais; os primeiros cobrem o período até março e os segundos até maio de 2021. Sempre que possível, os números foram comparados com o ano pré-pandémico (2019) e foram decompostos os efeitos observados por diferentes grupos da população.

Relatório “A pandemia e o mercado de trabalho: O que sabemos um ano depois”:

Categories: Algarve