Quarteira

QUARTEIRA | 43.º Jantar do Movimento Popular Raízes de Abril

Após dois anos de interregno devido à pandemia, o 48.º Aniversário da Revolução do 25 de Abril foi, uma vez mais, comemorado em Quarteira. O Movimento Popular Raízes de Abril promoveu o seu tradicional Jantar do 25 de Abril no Restaurante O Algarvio, na Rua da Alegria, em Quarteira.

Um jantar cuja organização decidiu que fosse mais reduzido em virtude do contexto atual mas que, à semelhança dos anteriores, foi muito emotivo e mais uma vez contou com sala cheia, com cerca de 30 convivas dos mais variados partidos e também muitos independentes, todos imbuídos no mesmo espírito: Manter bem viva a chama de Abril e os seus ideais.

Entre os presentes, destacamos Carlos Silva Gomes, Presidente da Assembleia Municipal de Loulé e Helena Baião, da Associação 25 de Abrl (A25A), elementos das diversas bancadas políticas com acento na Assembleia de Freguesia de Quarteira e na Assembleia Municipal de Loulé e ainda Carlos Filipe, presidente da Junta de Freguesia de S. Clemente – Loulé.

Alexandre Madureira assumiu o protocolo da noite, apresentando os oradores e agradecendo “a todos os que colaboraram com o Guedes na organização deste jantar, bem como a toda a equipa do restaurante.

Luís Guedes agradeceu “a todos os presentes. Foi possível criar este espírito de amizade e, ao mesmo tempo, de companheirismo que há muitos anos nós temos vivido uns com os outros. Estão aqui presentes diversas tendências. A democracia é precisamente isto. Tivemos sempre o cuidado de não partidarizar esta data que é o 25 de Abril e a prova está aqui e tem estado através dos anos anteriores. Quero também saudar o nosso Presidente da Assembleia Municipal que nos orgulha em estar aqui junto de nós. Está entre operários e intelectuais e sente-se bem. Quero deixar também uma palavra para esta magnífica noite bem servida, bem comida e bem alimentada”, pedindo “um minuto de silêncio em homenagem a todos aqueles que já não estão entre nós. Viva o 25 de Abril! A vida continua!”.

Foram lembrados os mais recentemente falecidos, designadamente Joaquim Vairinhos, Jaime Correia e Tó Zé.

Helena Baião enviou “um grande abraço para todos vós que estão aqui no jantar de organização espontânea do 25 de Abril que se realiza, com a minha presença, desde 2007 mas começou há muito mais anos antes. Foi interrompido 2 anos pelo Covid-19 mas, felizmente, foi agora possível retomar esta iniciativa louvável.  Deixo também uma palavra de agradecimento à chefe da cozinha que nos preparou um jantar magnífico. Apesar de não estar mandatada pela Associação 25 de Abril para falar em seu nome, posso referir que estive na Comissão Instaladora da A25A Algarve, juntamente com o coronel Piteira Santos, o Luís Villas-Boas e o coronel Rosado da Luz, 3 ‘algarvios’ que foram 3 capitães de Abril que eu aproveito para homenagear porque eles não foram só capitães em Abril, foram mesmo capitães de Abril. Quero saudar todos aqueles que nos devolveram a liberdade, que conseguiram fazer uma revolução sem derramamento de sangue há 48 anos atrás. O espírito deles e todos os momentos de exaltação, todos os valores e todas as missões em que ainda hoje se sentem personificados, que nós possamos levar até ao fim da nossa vida e que nos encontremos aqui ou em outro restaurante no próximo ano, não só com este grupo mas que possa ser ainda maior. Quero agradecer ao Jorge Matos Dias pela organização deste jantar, coadjuvou o Guedes, mas também por ter sido o tesoureiro desde jantar com muita competência”.

José Cabrita, como tem sido tradição nesta data, também este ano escreveu um poema alusivo à efeméride, partilhando-o com os presentes.

Rogério Ferreira lembrou o poema de José Fanha, “Eu Sou Português Aqui”, popularizado em 1977, no antigo programa da RTP, A Visita da Cornélia.

Carlos Silva Gomes começou por realçar que, “quando me falaram deste jantar, inicialmente pensei em não vir precisamente por ser um jantar bonito e com história, que se repete há anos e anos e perguntei a que propósito é que eu iria cair aqui de paraquedas mas o facto é que recebi convites de vários amigos que disseram que o meu lugar seria aqui e então resolvi não faltar e aqui estou e com muito gosto. Costumo dizer que desde pequenino que sou de Esquerda. Nós às vezes já não sabemos muito bem o que é isso de ser Esquerda ou de Direita mas, seja aquilo que for, eu irei ser de Esquerda até ao final da minha vida. Isto para dizer que é um gosto estar aqui. O 25 de Abril está no meu coração. Aqueles que me conhecem sabem isso”, convidando os presentes para a Sessão Solene do 25 de Abril no Cineteatro Louletano. “Amanhã comemoramos os 48 anos do 25 de Abril e já foi lançado o repto à câmara municipal, que o aceitou, para se começar logo a partir do dia 26, as comemorações do cinquentenário. Portanto, durante um ano inteiro, irá ser feito um trabalho de preparação de materiais e de divulgação junto das escolas e, no ano seguinte, junto de associações e coletividades. O objetivo é fazer com que os 50 anos do 25 de Abril possam ser de facto objeto de uma grande comemoração no nosso concelho. O nosso Presidente Vítor Aleixo já enviou um ofício à A25A nesse sentido. Termino dizendo 25 de Abril sempre!”.

Após as intervenções, teve lugar o sorteio de rifas com a sorte a caber a Helena Baião, contemplada com 3 medalhas comemorativas do 25 de Abril, numa cortesia de Luís Guedes.

O jantar terminou com todos os presentes de cravo na mão a cantarem em coro Grândola Vila Morena, de Zeca Afonso.

A iniciativa contou com o apoio da Junta de Freguesia de Quarteira que forneceu os cravos e o sistema de som.

Por: Jorge Matos Dias / PlanetAlgarve

Categorias:Quarteira