Faro

FARO | Homenagens e Memorial marcam Dia do Município

 Chefe do Estado-Maior da Armada e Autoridade Marítima Nacional, Almirante Henrique Gouveia e Melo, e antigos presidentes da Câmara Municipal receberam distinções na sessão solene

O Município de Faro assinalou esta quarta-feira, dia 7 de setembro, os 482 anos da sua elevação a cidade com um conjunto de distinções e homenagens a funcionários, personalidades e entidades coletivas de relevo do concelho, nomeadamente a quatro antigos presidentes da Autarquia – José Vitorino, José Apolinário, José Macário Correia e Luís Coelho – e ao Chefe do Estado-Maior da Armada e Autoridade Marítima Nacional, Almirante Henrique Gouveia e Melo.

Após o hastear de bandeiras junto aos Paços do Município e uma missa de sufrágio pelos funcionários e servidores da Câmara Municipal de Faro que teve lugar na Igreja da Sé, as comemorações oficiais do Dia do Município prosseguiram com a habitual sessão solene.

A cerimónia teve lugar no Teatro das Figuras e foi aberta pelo presidente da Assembleia Municipal de Faro, Cristóvão Norte, que lamentou o estado do Serviço Nacional de Saúde na região e no concelho, que espera “por um Hospital Central há 20 anos”, e pediu maior participação cívica de toda a comunidade para desenvolvimento do território. No seu discurso, o autarca assinalou ainda seu “repúdio pela circunstância de, à mesma hora das comemorações do Dia da Cidade, o senhor Primeiro Ministro estar a inaugurar a nova toponímia do Aeroporto de Faro”, situação que, considera, “configura uma grande deslealdade institucional”.

Seguiu-se a distinção dos funcionários do Município com medalhas de bons serviços e dedicação e medalhas de mérito a personalidades e entidades do concelho. Foram distinguidos com a medalha honoríficas de mérito – grau ouro Artur Nunes da Silva, mais conhecido como “chefe Artur”, da Polícia de Segurança Pública; a Arquente – Associação Cultural; o Hotel AP Eva Senses; João José Gago Horta (ex-empresário, deputado e com forte ligação ao movimento associativo – a título póstumo); João Amaro (empresário, diretor da Tertúlia Algarvia); Maria Cabral (docente universitária e ex-presidente da Orquestra Clássica do Sul e Ricardo Colaço (atleta de tiro com arma de caça).

Além destas personalidades, foram ainda distinguidos igualmente com a medalha de mérito – grau ouro quatro antigos Presidentes da Câmara Municipal de Faro: José Vitorino, José Apolinário, José Macário Correia e Luís Coelho.

A sessão foi ainda marcada pela atribuição da Chave de Honra da Cidade de Faro, galardão que se destina a agraciar pessoas singulares ou coletivas exteriores, pelo seu reconhecido mérito, prestígio ou contributos para a comunidade, ao senhor chefe do Estado-Maior da Armada e Autoridade Marítima Nacional, Almirante Henrique Gouveia e Melo. A dedicação e colaboração demonstrada por ocasião das comemorações do Dia da Marinha, que decorreram em maio de 2022, além do seu percurso de vida e ligação ao mar, tão importante para as comunidades que integram o território, justificaram sobremaneira a outorga deste galardão.

“ O Dia da Marinha em Faro mostrou quem somos e o que fazemos, oferecendo aos seus habitantes a oportunidade de nos conhecer e os valores que caracterizam a Marinha e com os quais, estou certo, se identificam. Estou certo também que o ano de 2022 marca um novo rumo nas relações institucionais entre a Marinha e a cidade de Faro, e acredito que os laços que nos unem serão mantidos e fortalecidos. A chave de honra da cidade que acabo de receber consagra na minha pessoa a relação de confiança e amizade entre os farenses e todos aqueles que servem na Marinha”, referiu o Almirante Henrique Gouveia e Melo.

O Presidente da Câmara Municipal de Faro, Rogério Bacalhau, congratulou-se com o facto de “o Almirante Gouveia e Melo assumir agora simbolicamente um lugar especial no coração dos farenses”, destacando “a realização das cerimónias do Dia da Marinha, que projetaram Faro de uma forma muito positiva e o empenho pessoal do Senhor Almirante no sucesso destas festividades, dando um exemplo de dinamismo, educação e competência”, bem como o seu papel decisivo “num processo sanitário marcante e histórico”.

No seu discurso de encerramento da sessão solene, Rogério Bacalhau destacou igualmente as muitas conquistas alcançadas ao longo da história da cidade, e que são resultado do trabalho em rede, nomeadamente a inovação no ensino, a inovação digital, uma dinâmica e moderna vida cultural, atividades novas ligadas ao mar e à náutica, novos espaços verdes e outros que foram recuperados e devolvidos, uma preocupação evidente com a qualidade de vida dos animais, novos investimentos na habitação social, a preocupação de ajudar famílias e investidores, a aposta na mobilidade suave e no desenvolvimento sustentável ou melhoria das acessibilidades.

Além da sessão solene, as homenagens marcaram também o Dia do Município através do descerramento de várias novas placas toponímicas, todas na zona da Lejana: Praça José Marciano Nobre (antigo presidente e vereador da Câmara Municipal de Faro e comandante dos Bombeiros Municipais); Praça José Matos Junça (vereador da Câmara Municipal de Faro e dirigente associativo e do Instituto D. Francisco Gomes); Praça Joaquim Carvalho Afonso (antigo presidente da Assembleia Municipal de Faro) e Praça Geleate Canau (assistente social e educador, antigo reitor da Universidade do Algarve para a Terceira Idade).

Inaugurado memorial de homenagem a pescadores que salvaram náufragos durante a II Guerra Mundial

 No âmbito das comemorações do Dia do Município, foi também inaugurado junto ao parque do Largo de S. Francisco o memorial em homenagem aos pescadores de Faro que salvaram náufragos durante a II Guerra Memorial. Além da presença do Presidente da Câmara Municipal de Faro, a cerimónia contou ainda com a presença do Chefe do Estado-Maior da Armada e Autoridade Marítima Nacional, Almirante Henrique Gouveia e Melo, do mentor do memorial Michael Pease, da autora da escultura Toin Adams e de inúmeros familiares e descendentes dos pescadores homenageados.

“O facto de um conjunto de pescadores sair para o mar para resgatar vidas que estavam em perigo diz muito dos farenses e da cultura marítima dos farenses e é isso que este monumento, de forma brilhante, homenageia”, declarou o Almirante Henrique Gouveia e Melo.

Também Rogério Bacalhau, presidente da Autarquia, disse esperar “que este memorial possa contribuir para que quem passa aqui nos possa conhecer melhor e a esta história maravilhosa de pessoas que salvaram a vida de outros pondo a sua própria vida em risco”, mas também para que possamos refletir “sobre aquilo que todos desejamos, que é a proximidade entre as pessoas e a paz entre os povos”.

A cerimónia ficou ainda marcada pela atuação do fadista Luís Manhita, neto e sobrinho de dois dos heróis homenageados por este memorial que pode agora ser admirado no Largo de S. Francisco, junto à muralha da Vila Adentro e à Ria Formosa.

Categorias:Faro