Albufeira

JOEL BUTON, ativista francês em Albufeira

Europa a pé: 13 anos e mais de 50.000 quilómetros

Joel Buton de passagem por Albufeira

Hoje, tive a honra de conhecer Joel Buton, um pacifista francês de 52 anos que viaja por toda a Europa a pé, recolhendo assinaturas para a luta contra as minas terrestres antipessoais. Cruzei-me com ele esta manhã em Albufeira. Envergando uma T-shirt da Freguesia de Olhos de Água, transmitiu-me a sua mensagem. Também assinei o seu livro contra as minas antipessoais porque apoio a sua ação.

Não é um indigente, mas vive como tal. Joel Buton define-se como um pacifista e viaja pelo mundo, arrastando um carrinho em peregrinação solitária para espalhar a mensagem da princesa Diana de Gales, cortada pela sua morte prematura: alcançar a abolição total das minas antipessoais em todo o mundo.

Desde que partiu dos Campos Elísios, em Paris, no dia 29 de maio de 1999, até ao seu regresso, no final de 2011, viajou mais de 50.000 quilómetros a pé pela França, Itália, Irlanda, Grã-Bretanha, Rússia, Letónia, Estónia, Bélgica, Suécia, Noruega, Alemanha, Albânia, Áustria, Holanda, Luxemburgo, Dinamarca, Finlândia, Eslováquia, Sérvia, Croácia, República Checa, Polónia, Ucrânia, Grécia, Roménia, Espanha, etc. A viagem recomeçou em 2012 mas a contabilidade ainda está por fazer. A viagem inclui também Portugal, com entrada pela Andaluzia – Espanha, atravessando o Algarve e com paragens em Lisboa e no Porto.

Passando por cidades, reúne assinaturas, cartas de apoio e conselhos de milhares de pessoas anónimas que exprimem a sua admiração num livro amassado. Joel Buton nasceu em Nantes em 1959 e é solteiro. Durante a década de noventa, ganhava a vida como um artista de rua, em Paris, como fakir – no seu carro ainda tem a cama de pregos usada nas suas atuações – decidiu continuar a campanha que a Princesa Diana deixou inacabada após a sua morte, em 31 de agosto de 1997, devido a um trágico acidente de carro. Joel defende que “não foi um acidente. Ela lutou muito contra as minas terrestres antipessoais e alguém a matou”, sustenta.

Cartazes colados no seu carrinho de mão explicam quem é o dono (um ativista francês) e qual é a sua missão (sensibilização para os perigos das minas antipessoais em todo o mundo).

Vive na rua para chamar a atenção dos poderosos, como “Obama e os bancos”, observa, com um tom entre a preocupação e o aviso para, em seguida, esboçar um sorriso capital e um grande poder comunicativo.

Depois de Albufeira, dirigiu-se para Ocidente em direção a Pêra, recolhendo mais assinaturas para tentar parar, como ele mesmo diz, “a barbárie sem sentido que já causou muitas vítimas em todo o mundo. O seu objetivo final é levar as assinaturas ao presidente dos EUA, Barak Obama, “porque ele é o Prémio Nobel da Paz”, sublinha.

Até chegar a Albufeira, já tinha contactado ao longo destes 13 anos, 6 Presidentes da República, 16 Primeiros Ministros, 108 Governadores Civis, 2425 Autarcas, 855 agentes da autoridade e 301 800 cidadãos. Temos muito a aprender com pessoas como ele… Parabéns Joel e que a sua mensagem seja ouvida!

Texto e Fotos: Jorge Matos Dias

Categories: Albufeira

1 reply »

  1. hoje esse senhor passou por Espinho ,onde tive o prazer de o conhecer e lhe dar a minha assinatura .para que ele consiga levar a sua obra até ao fim com sucesso …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.