Opinião

Portugal pode beneficiar com a crise no Egito

canal_do_suez

A Revolução no Egito ameaça fechar o canal do Suez. Isto, porque existe a possibilidade do Egito cair sob o controlo dos nacionalistas árabes e destes fecharem o canal.

O Canal de Suez é uma das vias marítimas mais importantes do mundo e um dos grandes focos da economia do Egito. É o eixo de união entre o Oriente e Ocidente (tem 163km de extensão). Fica situado em terras do Egito, no istmo que une a África à Ásia.

Com a extensão de 195 quilômetros, permite que embarcações naveguem da Europa à Ásia sem terem que contornar a África pelo cabo da Boa Esperança. Antes da sua construção, as mercadorias tinham que ser transportadas por terra entre o Mar Mediterrâneo e o Mar Vermelho.

Com a Guerra dos Seis Dias, em 1967, o canal permaneceu fechado até 1975.

Assim, a rota pelo oceano Índico, passando pela África do Sul, ou seja, pelo Cabo da Boa Esperança, voltou ser mais utilizada para transportar o petróleo do Oriente Médio, apesar de ser bem mais longa, logo, encarecendo o preço do crude.

Nesse trajeto, o primeiro ponto que atingem na Europa é Portugal. O Governo de O então Chefe do Governo, Marcello Caetano, viu aí uma boa oportunidade para o País, aceitando a proposta da iniciativa privada, decidindo então a construção da refinaria de Sines. A autorização foi dada em 1971 pelo Decreto-Lei 479/71, promulgado em Conselho de Ministros e promulgado pelo Presidente da República de então, Américo Thomaz, em concretização do plano petrolífero e petroquímico estabelecido no despacho ministerial de 16 de Outubro de 1970. Representava, na época, o maior empreendimento do setor que jamais se realizara no País, ombreando com a da grande maioria de unidades similares que se encontravam, na altura, instaladas em todo o Mundo.

A sua localização foi escolhida por se tratar de um porto de águas profundas (50 metros de profundidade), o que viria a tornar este porto na mais movimentada rota mundial de petroleiros.

Designos do destino, a partir de 1975, o Canal de Suez foi reaberto para todas as nações do mundo mas a refinaria de Sines só viria a iniciar a sua laboração em 1978. Com a reabertura do canal do Suez, a mega refinaria portuguesa nunca chegaria a ser utilizada para a finalidade com que foi concebida: exportação para o mercado mundial numa conjuntura internacional de expansão do consumo de produtos petrolíferos. Após as crises do petróleo, a refinaria de Sines acomodou a sua produção às necessidades do mercado doméstico, atualizando o nível tecnológico do seu aparelho por forma a torná-lo competitivo em cenário de crise.

Esta unidade industrial estratégica, muito importante na atividade económica do país, está estrategicamente localizada em Sines, a 150 quilómetros a sul de Lisboa, na mais movimentada rota mundial de petroleiros, o porto de Sines.

Agora, a Revolução no Egito ameaça fechar o canal do Suez para as petroleiras, o que semearia o pânico no mundo capitalista, agitaria freneticamente as bolsas de todo o mundo e encareceria os preços do petróleo sabe-se lá para que níveis.

Se tal ocorrer, ora aqui está a nossa boa oportunidade agora renovada. A refinaria de Sines poderia assim ser o primeiro porto onde os petroleiros cheguem, depois de contornarem o Continente Africano. O crude chegaria a Sines em bruto e sairia refinado para todo o mundo. Portugal não tem petróleo mas esta é a possibilidade que mais de aproxima.

Agora, resta esperar se de facto o canal é fechado e se efetivamente o Governo de Portugal e a Galp, atual detentora dos direitos de exploração da refinaria, vejam esta janela de oportunidade e não a deixem escapar. Não seria nada mau para Portugal que o canal se mantivesse fechado o tempo suficiente para Portugal anular o Défice, pagar a Dívida Pública, atingir um Superavit na balança externa e, já agora, para que os portugueses conhecessem algum período de prosperidade… antes que aparea uma força militar multinacional para pôr ordem naquela zona, sob falsos pretextos, como aconteceu na invasão do Iraque por parte de George W. Bush.

Jorge Matos Dias

Categories: Opinião

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.