Loulé

Chega ao fim mais um Summer School no Colégio Internacional de Vilamoura

Depois de um mês de verão pautado pelo rigor científico e a animação, eis que chega ao fim mais um CIV Summer School. Ao longo destas quatro semanas passaram por esta escola de educação internacional 190 crianças e jovens provenientes de países como Rússia, Roménia, Canadá, Israel, China, Holanda, Itália, Inglaterra, Espanha, Bélgica, África do Sul, Israel e Portugal.

Este ambiente multicultural, vivido no Júnior School (dirigido a crianças entre os 3 e os 5 anos) e no Summer School (para crianças a partir dos 6 anos) veio enriquecer todas as atividades, do desporto às artes, da ciência aos desafios estratégicos, da literatura à filosofia, passando pelas saídas de grupo, num espírito de interação onde a criança se relaciona de forma viva e afetiva com a cultura de outros povos.

O número de alunos que escolheram o CIV e o seu programa de férias é um reflexo do sucesso do trabalho desenvolvido no ano transato e também uma prova de confiança nos métodos de ensino e entretenimento proporcionados por uma equipa docente com mérito reconhecido dentro e fora do país.

As atividades foram organizadas em torno de temas base em ambos os programas de férias. Para além da programação vivida nos laboratórios e espaços verdes do CIV, os mais pequenos deslocaram-se ao Centro de Ciência Viva, em Faro, ao teatro, a uma fábrica de cortiça em S. Brás de Alportel, à piscina, à praia e a alguns parques temáticos.

Seguindo a filosofia do Projeto Educativo do CIV, que privilegia o cruzamento de conhecimentos, e respeitando o binómio diversão/aprendizagem, as crianças tiveram oportunidade de: enriquecer o seu imaginário com histórias e trabalhos de expressão plástica; criar e dar vida a materiais, através da reciclagem; interagir com animais no seu espaço natural; visitar uma empresa de transformação de matérias primas, ganhando noções de sustentabilidade; e dar alguns passos na culinária divertida. O cinema, a prática do desporto, das línguas materna e estrangeira (português e inglês) e o contacto com o mundo transformador da ciência completaram este programa de férias acompanhado por profissionais experientes e prestimosos.

Entre os mais velhos, promoveram-se outras aprendizagens, sempre centradas no cruzamento de áreas curriculares: a matemática aplicada aos planetas ou ao corpo humano; as artes e a expressão plástica em ambiente natural ou em comunhão com o teatro e o storytelling; os percursos pedestres combinados com o desporto e a biologia;  a literatura de mãos dadas com a arte; para além dos jogos, gincanas, sessões de cinema e de banda desenhada, as atividades culinárias e desportivas, as saídas à praia ou a parques temáticos.

Dina Adão – Coordenadora da BE e Comunicação

Categories: Loulé

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.