Opinião

Desmaios

Artigo de opinião Dra. Katya Reis Santos

Cardiologista e Secretária-Geral da APAPE (Associação Portuguesa de Arritmologia, Pacing e Electrofisiologia)

Dra. Katya Reis Santos

Dra. Katya Reis Santos

Do ponto de vista médico, o termo “desmaiar” corresponde, na maioria dos casos, a episódios sincopais.

A síncope é uma perda de consciência (PC) resultante de uma hipoperfusão (diminuição da circulação sanguínea) cerebral global e transitória. Caracteriza-se por um início súbito, curta duração e recuperação completa e espontânea. A redução da pressão arterial (PA) sistólica (máxima) para valores iguais ou inferiores a 60 mmHg durante 6 a 8 segundos resulta numa hipoperfusão cerebral suficiente para causar uma PC transitória.

Existem 3 grandes grupos de causas:

1)      A síncope cardíaca resulta da presença de alterações estruturais (p. ex. apertos valvulares) ou do ritmo cardíaco (demasiado rápido ou lento) que condicionam uma redução do volume de sangue bombeado pelo coração e consequente redução da PA, diminuição da perfusão cerebral e PC.

2)      A síncope reflexa (ou neuromediada) inclui um conjunto heterogéneo de condições caracterizadas por uma desregulação intermitente dos reflexos cardiovasculares responsáveis pela manutenção da circulação sanguínea. Esta desregulação surge em resposta a um evento desencadeante e resulta numa dilatação do leito vascular (vasodilatação) e/ou redução da frequência cardíaca (bradicardia), com consequente queda da PA (p. ex. as síncope que ocorrem com a dor ou a tirar sangue).

3)      A síncope secundária a hipotensão ortostática (queda da PA quando um indivíduo se coloca de pé) resulta de um defeito crónico dos reflexos cardiovasculares (p. ex. nos doentes com diabetes e envolvimento neurológico) ou de uma redução marcada do volume intravascular (p. ex. numa perda de sangue importante). Nestes casos, quando o doente se levanta verifica-se uma queda progressiva da PA e da perfusão cerebral até à perda de conhecimento.

A síncope é muito frequente na população geral, estima-se que nos indivíduos que atingem os 70 anos a sua prevalência seja de 42%. Ou seja, quase metade dos septuagenários já “desmaiaram” pelo menos uma vez. E existem dois picos para a ocorrência do primeiro episódio, um primeiro em torno dos 15 anos e outro acima dos 65.

Interessa salientar que o prognóstico da síncope, em termos de mortalidade, depende da sua causa. Muitas síncopes têm um prognóstico benigno, contudo há casos em que a síncope é um precursor de morte súbita, reforçando a importância da sua correta avaliação.

Categories: Opinião, Saúde

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.