Algarve

Centro Hospitalar do Algarve assume despesas de 5 milhões

Instituto de Financiamento da Agricultura gasta 3,3 milhões em azeite, marmelada e açúcar

chalgarve

O Centro Hospitalar do Algarve foi o organismo público que mais encargos assumiu na aquisição de bens e serviços na última semana, de acordo com os contratos publicados no Portal Base, entre os dias 19 e 26 de Dezembro. Neste período, de acordo com as contas do i, foram publicados 1529 contratos no valor global de 57,9 milhões de euros. Vinte e seis organismos contratualizaram mais de meio milhão de euros e vinte empresas vão receber verbas acima deste montante.

A unidade hospitalar algarvia publicou 47 contratos no valor de cinco milhões de euros, a quase totalidade em medicamentos. O mais caro (876,1 mil euros) foi pago aos Laboratórios Pfizer pelo fornecimento de “Etanercept”, um medicamento usado no tratamento da artrite reumatóide, espondilite anquilosante e psoríase. Este centro hospitalar gastou ainda 28,8 mil euros na contratação de médicos de cirurgia geral (Julho a Dezembro de 2013), 8,5 mil euros numa prótese de joelho, 831 euros em material e 49,80 num dispositivo intra-uterino em cobre.

A câmara de Lisboa foi o segundo organismo com mais despesas contratualizadas com um total de 3,9 milhões de euros em 55 contratos. O mais elevado (284,5 mil euros) foi celebrado com a empresa Domingo no Mundo, Sociedade de Entretenimento e é relativo ao espectáculo “UP LISBOA 2014”, no âmbito da festa de passagem de ano no Terreiro do Paço. Em segundo lugar na lista surgem três contratos no valor de 165,5 mil euros que visam a contratação de dois assessores jurídicos para o gabinete da vereadora Catarina Vaz Pinto e um na área do desporto e gestão de sistemas e tecnologias de informação para o gabinete do vereador Jorge Máximo.

O terceiro organismo com mais gastos assumidos foi o Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas, com um total de 3,3 milhões de euros em apenas dois contratos. Em causa está a compra de azeite, marmelada e açúcar para os carenciados, no âmbito do protocolo assinado com o Instituto da Segurança Social.

A ANA – Aeroportos de Portugal, com 2,4 milhões de euros em dois contratos e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, com 1,7 milhões em 20 contratos, fecham o top five dos organismos com mais encargos assumidos. Com contratos acima de um milhão de euros encontramos ainda cinco municípios (Barcelos, Vila Pouca de Aguiar, Lousada, Gondomar e Braga), duas empresas (Estradas de Portugal e REN – Rede Eléctrica Nacional) e o Centro Hospitalar de Lisboa Central.

A conclusão da 2.ª fase do projecto da central térmica 2 do Aeroporto de Faro permitiu ao consórcio da Politérmica – Indústrias Térmicas e Ecofluído – Serviços e Engenharia liderar a tabela das empresas que mais dinheiro receberam de organismos públicos e entidades ligadas ao Estado. O contrato, no valor de 2,3 milhões, já foi assinado no final de Setembro de 2010 mas só foi publicado no portal Base a semana passada.

A Azcoa – Azeites do Côa foi a segunda empresa que mais verbas encaixou no período em análise. O contrato já referido com o Instituto do Financiamento da Agricultura permitiu a esta empresa receber 1,9 milhões. Em terceiro lugar da tabela está a Norcep – Construções e Empreendimentos com 1,5 milhões. Esta empresa de Vila Real ganhou o concurso público que a câmara de Vila Pouca de Aguiar lançou para o novo Centro Hípico das Romanas – Pedras Salgadas. Este projecto visa a recuperação do centro equestre e a requalificação das margens do rio Avelames. J.d’E.

Fonte: João D’ Espiney / Jornal i

Categories: Algarve

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.