Loulé

Câmara de Loulé e Algarve Film Comission unem esforços para promover região como destino de produções audiovisuais

Com o objetivo de promover o Algarve, em particular o Concelho de Loulé, como local para a realização de produções audiovisuais, tanto nacionais como internacionais, contribuindo para o desenvolvimento do setor do cinema, multimédia e audiovisual na região, foi celebrado na passada sexta-feira, no Hotel Conrad, na Quinta do Lago, um protocolo entre o recém-criado Loulé Film Office e a Algarve Film Comission.

Nesta cerimónia, que contou com a presença de várias personalidades ligadas à produção audiovisual na região, bem como convidados internacionais da área do cinema, foi ainda apresentado o Loulé Film Office, a primeira estrutura do género existente no Algarve.

Através desta parceria entre as duas entidades, pretende-se fazer o acompanhamento das fases de desenvolvimento, distribuição e promoção, divulgando as capacidades e recursos naturais, históricos, culturais, humanos e técnicos existentes na região, criando um clima favorável ao relacionamento entre o setor público e os produtores do setor do cinema e audiovisual que motive a escolha do Concelho para a rodagem de produções nacionais e estrangeiras.

A ideia é promover o Concelho e o desenvolvimento da economia do cinema e do audiovisual através do apoio logístico à realização de produções audiovisuais.

Jacques le Mer, presidente da Algarve Film Comission, salientou o facto de Loulé ter sido a primeira autarquia algarvia a conseguir ter “um Film Office de verdade, com a qual a Algarve Fim Comission poderá trabalhar a sério”. Apesar das dificuldades iniciais da estrutura que representa, Jacques le Mer acredita esta cooperação poderá ser muito positiva.

A realização de uma longa-metragem filmada integralmente no Algarve, nomeadamente durante o inverno, é um dos sonhos deste responsável desde que está à frente dos destinos da Algarve Film Comission. “Apesar das condições que o Algarve tem, que permitem fazer qualquer coisa em qualquer altura do ano, continua a estar ligado fundamentalmente às férias de verão com praias. Poucas pessoas sabem que o Algarve tem muitas outras coisas”, referiu Jacques le Mer.

Já o presidente da Câmara de Loulé, Vítor Aleixo, reportou-se a este protocolo como “um encontro de vontades para potenciar na nossa região uma atividade que claramente tem duas vertentes: uma cultural e outra económica”.

Se por um lado o autarca acredita que este protocolo permitirá a “produção estruturada de filmes no Algarve”, por outro lado realçou o interesse económico da indústria da imagem.

A continuação do festival de curtas-metragens que arrancou este ano e o apoio aos jovens talentos do Concelho “que têm realizado pequenas curtas-metragens e que conseguem produções de muita qualidade com recursos praticamente ínfimos” são algumas das apostas da Autarquia nesta área.

“O Algarve é uma região riquíssima – temos luz, património e os algarvios que são a nossa maior riqueza. Temos muitos fatores e temos que apostar neles”, disse ainda Vítor Aleixo.

Loulé Film Office

O Loulé Film Office iniciou a sua atividade em abril de 2014, com a missão dinamizar, promover e agilizar a produção de Cinema, Televisão, Publicidade e Fotografia no Concelho. Pretende-se, desta forma, captar filmagens e produções fotográficas, referenciar o Município de Loulé como um destino privilegiado com multiplicidade cénica e capacidade logística, incentivar um movimento local de produção.

Este projeto, para além de estar integrado numa estratégia de aposta na Cultura, pretende igualmente contribuir para o desenvolvimento deste sector de atividade, aumentar a visibilidade do território e da sua oferta, auxiliando assim a dinamização da economia do Concelho.

Para Manuel Baptista, coordenador deste serviço municipal, o projeto Loulé Film Office liga entre si três pontos da vida do Concelho: o poder local, a produção de imagem e a promoção do território.

A multiplicidade cénica e a capacidade logística instalada, nomeadamente ao nível da oferta hoteleira e das boas acessibilidades, são, segundo este responsável, fatores decisivos para o desenvolvimento deste projeto.

Servir de elo de ligação entre a Autarquia e os produtores, desenvolver um conjunto de procedimentos que agilizem os processos de autorização e licenciamento junto dos serviços camarários, facilitar o acesso às localizações no espaço público com gestão autárquica e fazer a ponte com outras entidades são algumas das áreas de intervenção do Loulé Film Office.

No entanto, o projeto passa também pelo apoio aos criadores locais “não só para que ganhem experiência e capacidade de produção, mas sobretudo para que prestigiem cada vez mais o nosso território com uma produção cultural de excelência”, segundo Manuel Baptista.

Refira-se que desde que o Loulé Film Office iniciou a sua atividade na Autarquia, foi intensificada a produção audiovisual no Município e os números reforçam a posição de Loulé como o Concelho com mais produção audiovisual no Algarve. Em 2014 registaram-se 10 rodagens que passaram pelo Concelho, em conjugação com o Loulé Film Office, entre as quais 1 para cinema, 2 para televisão, 4 para videoclips, 2 para publicidade e 1 para documentário. Este ano, o Loulé Film Office recebeu já 4 pedidos de localizações no Município e há algumas produções, até de grande dimensão, asseguradas.

No que respeita à capacidade de produção, Loulé conta já com algumas empresas a produzir com regularidade, bem como empresas especializadas no aluguer de equipamento para cinema e fotografia. Está também em estudo a criação de um estúdio de iniciativa privada.

Por: Município de Loulé

Fotos: CM Loulé / Mira

Categories: Loulé

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.