Algarve

PALP contra Exploração de Petróleo e Gás Natural no Algarve

Acaba de ser apresentado o movimento social Plataforma Algarve Livre de Petróleo (PALP), movimento este criado este mês de Março na sequência da iniciativa de um conjunto de cidadãos e entidades da região do Algarve.

palp

Neste momento, fazem parte da PALP entidades tão diversas como a Glocal Faro, o Movimento Algarve Livre de Petróleo, a Quercus – ANCN, a Almargem, a New Loops, a SPEA – Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves e a Peace and Art Society.

A Plataforma Algarve Livre de Petróleo está aberta à participação e ao envolvimento de todos os cidadãos da região e do país que queiram juntar-se na defesa de um Algarve Sustentável e contra a exploração de petróleo na região.

Esta plataforma pretende, nesta sua primeira comunicação pública, alertar toda a população da região do Algarve para os riscos inerentes à exploração de hidrocarbonetos na costa algarvia. Segundo notícias publicadas na imprensa nacional e regional, o início das primeiras perfurações poderá concretizar-se já este ano, o que confere, no entender da PALP, “uma gravidade extrema a esta decisão política, uma vez que os cidadãos do Algarve não foram informados, nem consultados, neste processo que afetará decisivamente as suas vidas“.

Este novo movimento salienta ainda que “não houve qualquer debate público sobre as consequências para a região de uma tomada de decisão desta natureza, nem há conhecimento de qualquer estudo de impacto social e ambiental. Nada se conhece do contrato entre o Estado e as empresas de exploração petrolífera. O silêncio e o secretismo político à escala governamental, regional e local sobre este assunto é ensurdecedor. Os algarvios foram postos à margem neste processo“.

Assim sendo, este conjunto de cidadãos que se posiciona em defesa de um Algarve sustentável informa que vai “solicitar aos presidentes de todas as câmaras municipais da região esclarecimentos sobre todas as decisões já tomadas no âmbito da exploração de hidrocarbonetos no Algarve; sobre as condições estipuladas no contrato de exploração entre o Estado e as empresas petrolíferas e sobre o posicionamento político dos responsáveis dos municípios algarvios sobre a exploração de petróleo e gás natural no Algarve“.

A Plataforma Algarve Livre de Petróleo vê com “muita apreensão” o futuro da região, tendo em conta os “possíveis impactos ambientais que uma medida destas pode ter; a incompatibilidade entre uma região de turismo que se quer de excelência e a exploração de hidrocarbonetos; as perfurações de alto risco numa zona de alta perigosidade sísmica; o impacto na economia da região com esta mudança clara de paradigma de desenvolvimento; as eventuais perdas de recursos que um derrame acidental de hidrocarbonetos traria para actividades igualmente importantes no Algarve como a pesca, a aquacultura, a salicultura e finalmente, o impacto na qualidade de vida das pessoas que aqui residem“.

Tendo em conta todos estes fatores, a Plataforma Algarve Livre de Petróleo solicitou também “reuniões com os executivos municipais de modo a poder expor com maior clareza as suas preocupações“.

Categories: Algarve

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.