Faro

35 horas de trabalho na Câmara de Faro | Proposta do PS aprovada com o voto da CDU

Os vereadores do Partido Socialista apresentaram hoje na reunião do Executivo Municipal uma proposta para a fixação das 35 horas de trabalho semanal a partir do próximo dia 1 de novembro.

Depois de dois anos de teimosia e preconceito ideológico do Governo de direita e, simultaneamente, da coligação PSD e CDS-PP na Câmara Municipal de Faro, que rejeitou duas propostas socialistas para a implementação de jornadas de 35 horas de trabalho, o Tribunal Constitucional tomou a decisão a todos os títulos previsível de que cabe a cada autarquia fixar o horário de trabalho, sublinhando a autonomia do poder local.

De acordo com o acórdão de 7 de outubro o Tribunal Constitucional declara a inconstitucionalidade, com força obrigatória geral, das normas que conferem aos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e da administração pública legitimidade para celebrar e assinar acordos coletivos de empregador público, no âmbito da administração autárquica, resultantes do artigo 364.º, n.º 3, alínea b), e do n.º 6, do da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, aprovada em anexo à Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, por violação do princípio da autonomia local, consagrado no artigo 6.º, n.º 1, da Constituição.

Face a este acórdão e cumprindo a palavra dada nos últimos atos eleitorais os autarcas do PS apresentaram uma moção na reunião do Executivo Municipal para a implementação das 35 horas de trabalho na Câmara Municipal de Faro com efeitos a partir de 1 de novembro e o agendamento oficial desta proposta na reunião do próximo dia 15.

Refira-se que a moção dos vereadores do PS foi aprovada sem o apoio do presidente e dos vereadores do PSD e do CDS-PP mas com o voto favorável do vereador da CDU.

Leia na íntegra a proposta do PS Faro:

Implementação das 35 horas de trabalho a 1 de novembro na Câmara Municipal de Faro

Considerando que o Tribunal Constitucional chumbou a participação do Governo nos acordos coletivos de 35 horas nas autárquicas como se pode ler no acórdão de 7 de outubro hoje divulgado:

“O Tribunal Constitucional declara a inconstitucionalidade, com força obrigatória geral, das normas que conferem aos membros do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e da administração pública legitimidade para celebrar e assinar acordos coletivos de empregador público, no âmbito da administração autárquica, resultantes do artigo 364.º, n.º 3, alínea b), e do n.º 6, do da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, aprovada em anexo à Lei n.º 35/2014, de 20 de junho, por violação do princípio da autonomia local, consagrado no artigo 6.º, n.º 1, da Constituição”;

Considerando que cabe às autarquias e apenas a estas decidir livremente sobre a redução do horário de trabalho, em função dos acordos coletivos de trabalho que estabeleçam com os sindicatos – sem que o Governo e o Ministério das Finanças tenha direito legal de se pronunciar face à autonomia do poder local;

Considerando que o Partido Socialista foi autor nesta mesma câmara municipal de propostas de para o estabelecimento do horário de trabalho das 35 horas semanais, sempre reprovadas pelos membros do Executivo PSD/CDS-PP com os mesmos argumentos do Governo da coligação de direita;

Os eleitos do Partido Socialistas propõem que a Câmara Municipal de Faro instituíram com efeitos a partir de 1 de novembro o horário de trabalho das 35 horas semanais em função da autonomia do órgão autárquico reconhecido pelo próprio Tribunal Constitucional.

Edifício dos Paços do Concelho de Faro

Edifício dos Paços do Concelho de Faro

Categories: Faro