Desporto

VILAMOURA | À conversa com Ricardo na primeira sessão V-Talks

Ricardo Pereira, ex-guarda redes da seleção nacional de futebol, foi o orador convidado da primeira “V-Talks” que decorreu ontem ao fim da tarde no Cerro da Vila, em Vilamoura.

A sessão foi apresentada por Scott Bennett, da Vilamoura World, segundo o qual o facto de Ricardo ter sido convidado para esta primeira sessão “faz todo o sentido, uma vez que ele é embaixador de Vilamoura”, anunciando que as V-Talks serão uma série de conversas mensais, organizadas pela Vilamoura World, tendo como objetivo inspirar, educar e partilhar pontos de vista sobre vários temas, pretendendo trazer conversas inspiradoras, todos os meses, ao público em geral.

Ricardo começou por considerar “um privilégio ter sido a primeira pessoa a ser convidada. Para mim, é uma importância maior do que podem imaginar”.

O ex-futebolista foi uma figura marcante do Euro 2004, em Portugal, e o protagonista de um dos momentos mais emocionantes do campeonato, ao defender e marcar uma grande penalidade nos quartos de final da prova, frente a Inglaterra. Nesta conversa, moderada por Brendan de Beer, editor do The Portugal News, Ricardo contou, na primeira pessoa, como viveu esses momentos de sucesso e como geriu a sua carreira que passou pelo Montijo, Boavista, Sporting, Betis de Sevilha, Leicester City, Vitória de Setúbal e Olhanense.

Ricardo confessou ainda que gostaria de ter acompanhado o Euro 2004 por fora para poder ter sentido o que os portugueses sentiram, toda a envolvência que aconteceu, com tantas bandeiras nas janelas e todas as concentrações de apoio à seleção, considerando ter sido um momento maior do Portugal de hoje. Falou ainda de Scollari, considerou Luís Figo o melhor jogador que já conheceu e falou da sua candidatura à liderança da Associação de Futebol do Algarve (AFA), sustentando, a esse propósito, que “o meu projeto continua a não existir na AFA. Temos que lançar as bases, investir nos mais novos para podermos colher depois. Nessa altura, dei o exemplo da Alemanha e os resultados estão hoje à vista. Temos que dar condições aos jovens que serão os atletas de amanhã”.

Ricardo considerou ainda que a candidatura à presidência da AFA “foi uma boa experiência, conheci muitas boas pessoas, tive experiências menos positivas mas foi uma aprendizagem para a vida”.

Quanto ao futebol algarvio, Ricardo sustenta que “o Algarve devia ter clubes na I Liga. O Algarve é uma região e devia ter uma equipa fortíssima. Na I Liga não há nenhuma equipa abaixo de Setúbal. É preciso investir na formação para quando chegarem lá acima, aos seniores, não ser preciso recrutar jogadores. O Algarve tem clubes históricos como o Farense, o Portimonense, o Olhanense e o Louletano. Se o Algarve estivesse representado na I Liga por uma destas equipas, as crianças teriam uma motivação porque quereriam jogar nesse clube. Assim, perdem o brilho, agarram-se a outras coisas que os distraem”.

Neste contexto, e questionado pelo público, Ricardo considerou mesmo a possibilidade de convencer um investidor para criar um clube de raiz no Algarve, como aconteceu com o clube britânico AFC Bournemouth que passou da falência à Premier League em poucos anos.

“V-Talks” pretende ser uma plataforma de discussão aberta a oradores referenciados nas áreas da cultura, história, desporto, tecnologia, atualidade ou mesmo desenvolvimento pessoal. As sessões vão acontecer em todos os meses do ano com entrada livre.

Por: Jorge Matos Dias / PlanetAlgarve

Categories: Desporto, Quarteira