Olhão

Presidente da Autarquia anuncia metas a cumprir até final do mandato

O presidente da Câmara Municipal, António Miguel Pina, aproveitou a sessão solene de comemoração do Dia da Cidade para fazer uma retrospetiva do que tem sido o trabalho desenvolvido por este executivo, bem como para anunciar objetivos e investimentos que irão ser iniciados ou concluídos até final do mandato.

O autarca começou por evocar o episódio da história de Olhão que se assinala anualmente a 16 de junho, Dia da Cidade: “Em 1808, há precisamente 208 anos, nesta data, expulsámos as tropas napoleónicas do nosso território e fomos num barco, o caíque Bom Sucesso, ao Brasil dar a boa nova ao Rei”, para caracterizar aqueles que considera atributos únicos do povo olhanense: “Somos e continuaremos a ser um povo de convicções e princípios! Tal como no passado, no presente e no futuro iremos continuar a lutar para conseguir aquilo que é justo para a nossa cidade”.

O Dia da Cidade começou frente ao edifício dos Paços do Concelho, com a cerimónia do hastear da bandeira, que contou com a presença, para além de muitos populares, da fanfarra dos Bombeiros Municipais de Olhão, da Banda Filarmónica 1.º de Dezembro de Moncarapacho e de diversos grupos de escuteiros do concelho. Seguiu-se a deposição de uma coroa de flores junto ao monumento de homenagem aos Heróis da Restauração de 1808.
As comemorações do feriado municipal de Olhão prosseguiram com a inauguração de duas novas instalações escultóricas, da autoria da artista plástica olhanense Isa Fernandes, em dois dos largos do Caminho das Lendas, o Largo do Gaibéu e o Largo da Fábrica Velha, que ganham agora nova vida e motivos acrescidos de visita.
A comitiva dirigiu-se de seguida à zona do Bairro dos Pescadores, onde decorreu a inauguração do Centro Comunitário e Refeitório Social Ana Dias, mais uma valência da Associação Verdades Escondidas que vê, assim, reforçados os meios de prestação de apoio àquela comunidade.
Já durante a sessão solene, António Miguel Pina passou em revista o trabalho desenvolvido desde que o seu executivo tomou posse, começando por referir que “quando vencemos as eleições em setembro de 2013 havia, fruto da crise que vivíamos em Portugal, que reduzir o passivo da autarquia e das empresas municipais, bem como reorganizar esta grande ‘empresa’”. Esta reorganização passou, segundo o edil, por consolidar financeiramente a autarquia sem, contudo, perder de vista o apoio às camadas da população social e financeiramente mais debilitadas.
Através de uma gestão criteriosa do orçamento autárquico conseguiu-se, segundo o presidente da Câmara Municipal, reduzir o IMI em 20%, investir na atribuição de manuais escolares a todos os alunos do 1º Ciclo, iniciar os trabalhos de reparação no parque habitacional da autarquia, concluir os regulamentos para atribuição de casa e apoio à renda, lançar o Projeto Cuidar e duplicar os apoios às IPSS do concelho.
Depois de “arrumada a casa”, António Miguel Pina traçou em linhas gerais aquilo que pode ser esperado da sua gestão até final do mandato, com destaque para intervenções de reabilitação e ampliação em vários equipamentos escolares do concelho, a extensão do Projeto Cuidar às populações mais novas, através de um rastreio visual a todas as crianças com 5 anos, a requalificação do Circuito de Pinheiros de Marim, intervenções em todos os parques infantis do concelho, requalificação dos polidesportivos da Cavalinha e do Bairro 28 de setembro, construção da ecovia Faro-Olhão, bem como um investimento de cerca de 4 milhões de euros na requalificação dos 800 fogos de habitação social.
Ainda no âmbito da habitação social, António Miguel Pina anunciou a passagem da gestão do parque habitacional da autarquia para a empresa municipal Fesnima, o que virá criar “novas regras de administração, bem como exigir de uma forma rigorosa um assumir das responsabilidades por parte de quem usufrui de um bem que é de todos”.
O futuro próximo de Olhão passará também, garante o autarca, por uma segunda vaga de intervenções de reabilitação na frente ribeirinha da cidade: “Tenho a garantia por parte da Docapesca que até ao final do mês de agosto vai ser lançado o concurso para a construção das infraestruturas e aumento do número de embarcações, bem como a exploração daquele espaço”.
“Com as medidas que já implementámos e aquelas que estamos a desenvolver, pretendemos criar um concelho com mais emprego, com uma educação de qualidade, a par de um projeto social e de juventude adequado aos tempos modernos, um concelho onde sejam criadas condições para a instalação de novas empresas nos setores do turismo, das pescas, da aquicultura, ou da agricultura”, concluiu o líder da autarquia.
A ocasião contemplou também a cerimónia de imposição da Medalha Municipal de Mérito Grau Ouro a dois olhanenses: o advogado António Cabrita e o jornalista Augusto Madureia. Foram igualmente homenageadas as duas funcionárias que completam em 2016, 25 anos ao serviço da autarquia: Isabel Rocha e Maria de Fátima Peleira.
Finalmente, houve lugar para a entrega dos Diplomas de Mérito Escolar aos alunos do secundário que concluíram o ano letivo 2014-2015 com a melhor média no 10º, 11º, 12º anos e curso profissional, respetivamente Mariana Lopes, Igor Gago, Miguel Rodrigues e Priscila Viegas.
As comemorações do Dia da Cidade de Olhão contaram também com a inauguração de duas exposições: uma da Rede de Arquivos do Algarve, intitulada “A Identidade do Algarve: Forais, Alvarás e Cartas Régias”, que se encontra patente no Arquivo Municipal António Rosa Mendes e onde pode ser visto o original do alvará régio conferido a Olhão pelo Príncipe Regente D. João, em 1808; a outra, que se encontra patente na Biblioteca Municipal José Mariano Gago, uma coletiva de pintura que reúne trabalhos dos alunos do Centro de Pintores Olhanense.
O dia terminou no Jardim Pescador Olhanense, onde Quim Barreiros atuou perante milhares de pessoas que quiseram, assim, comemorar o Dia da Cidade de Olhão.

Categories: Olhão