Albufeira

ALBUFEIRA | O espanto da Polaroid marca o Dia Internacional da Família num passeio pela costa

Assim que os motores do “Belize Segundo” se acionaram, ouviu-se um alto e alegre “Eia!”: estava dado o sinal de partida de um passeio pela costa. A bordo, 32 agregados familiares, compreendidos por 59 adultos e 34 crianças. Este foi um modo de celebrar em Albufeira o Dia Internacional da Família, registado a fotografias “polaroid”.

Pais e filhos começaram a chegar cerca das 16h00 à Marina de Albufeira, onde os esperava a equipa de técnicos do Município com camisolas alusivas ao Dia Internacional da Família e uma equipa de fotografias Polaroid.

Para as crianças a magia começou aqui, por ficarem na posse de uma fotografia onde constava a sua família. A procura dos locais de sombra fez com as famílias se juntassem e desde logo começassem a trocar impressões várias: primeiro, sobre a temperatura, depois a idade das crianças, escolas e outras experiências. Para Leonor Henriques, que se fez acompanhar do irmão e de dois netos, “as pessoas devem tentar dar-se bem, porque precisamos uns dos outros. Podermos conhecer pessoas novas ao longo da costa, é maravilhoso”. Desde criança que Leonor não andava de barco e este dia permitiu-lhe também homenagear o pai, “um homem do mar que tinha um barquinho ali na antiga Praia dos Pescadores”.

Rui Mourinho foi perentório em dar os parabéns ao Município de Albufeira, na medida em que “está a criar incentivos para que passemos mais tempo com os nossos familiares; o trabalho ocupa-nos o tempo todo e há que parar e arranjar formas de estarmos mais tempo com a família”. Maria Alexandra, que se fez acompanhar da filha e do marido, corrobora esta posição, afirmando que “é uma forma excelente de regressarmos a uma vida social, na medida em que parece não haver tempo para nada e estamos a empobrecer muito com isso; quem mais sofre, é a família”.

Recorde-se que Albufeira assinala o Dia Internacional da Família desde a abertura do Gabinete da Família, em 2009, e em todas as edições tem vindo a oferecer programas diferentes, destinados a todos aqueles que desejem participar. A par disso, e ao longo dos últimos anos, o Município tem vindo também a proporcionar diversos apoios de carácter pontual ou permanente às famílias que residem em Albufeira, portuguesas e estrangeiras, nomeadamente através de apoios à renda de casa, alimentação, medicamentos, transportes, emprego, formação, auxílios económicos para educação e bolsas de estudo.

Maria Ferrão, salientou a necessidade de se olhar para as famílias com mais cuidado: “com os abonos que se praticam, com os salários tão exíguos face ao custo de vida, de que futuro é que podemos falar? Os abonos não convidam ninguém a ter filhos, pelo que esta célula da sociedade que é de facto, de grande importância, está numa situação de grande debilidade.” A família Ferrão, em número de sete elementos, participou pela primeira vez nesta iniciativa do Município de Albufeira e salientou que “para as crianças será uma experiência inesquecível, será a sua primeira viagem de barco, na presença da família e as primeiras experiências são de uma importância enorme para a vida de uma pessoa”.

Algumas das famílias que se juntaram à iniciativa estão há pouco tempo em Albufeira. É o caso da família de Evgéni Slemschii, da Moldávia, que vive neste concelho há dois anos e teve neste 15 de maio a primeira oportunidade de conhecer outras famílias. Com dois filhos e mulher, Evgéni disse que ansiavam poder ver algum golfinho: “se não os virmos, pode acontecer para uma próxima, pois eu espero muito que a Câmara Municipal organize mais coisas destas, para que os nossos filhos possam encetar amizades e nós possamos trocar experiências de vida e conhecimentos com outras famílias”.

Responsável por este pelouro, a vice-Presidente Ana Pífaro afirmou que é precisamente essa a intenção do Executivo, ou seja, organizar ações voltadas para as famílias, “até porque temos um número muito elevado de famílias estrangeiras que necessitam de se integrarem na sociedade, de conhecerem outras famílias, de fazerem amigos aqui em Albufeira”.

Não obstante de um apoio efetivo a 60 famílias que está a ser prestado atualmente, o objetivo quanto ao apoio familiar vai mais longe: “temos os valores, temos uma cultura a preservar e temos informação que necessita de ser partilhada para que todos vivam melhor em Albufeira”, continuou aquela responsável.

Com uma camisola do evento, um grande sorriso e sentada ao centro da fotografia de grupo em Polaroid, Ana Pífaro revelou-se satisfeita com a resposta das famílias e garantiu que a atenção a este fator social passará a ser uma matéria cada mais relevante no dia a dia do Executivo: “o que une as famílias é a solidariedade entre os seus elementos, mas hoje em dia as pessoas estão cada vez mais afastadas no seio do seu próprio lar: é como se a palavra, de onde deriva lareira, e que era onde todos se sentavam para conversar, deixasse de fazer sentido; há menos filhos, mas eles estudam até muito tarde e nem sempre têm a oportunidade de obter emprego, pelo que as famílias são cada vez mais pequenos aglomerados de adultos distanciados uns dos outros. Para além da situação financeira não ser a melhor, outro problema é o do envelhecimento das famílias o que nos preocupa bastante”, rematou a vice-Presidente.

O dia 15 de maio ficou assim na memória de 104 albufeirenses, sendo que a viagem pela costa será, certamente, “para mais tarde recordar”: assim que o Belize Segundo saiu da Marina, o “Eia!” foi em som tão alto, que a alegria ficou totalmente confirmada.

Categories: Albufeira