Opinião

A Taberna da Ti Cidália: O segredo mais bem guardado de Quarteira, por João Carlos Santos

Artigo de Opinião de João Carlos Santos

João Carlos Santos

Seguramente, muitos de nós em determinada altura das nossas vidas, frequentámos ou ouvimos falar da célebre taberna da Ti Cidália. Desde 1963, data avançada pelas filhas da fundadora deste estabelecimento (Teresa e Clarinda), que a taberna da Ti Cidália era um ponto de referência para o encontro dos Homens do Mar. É certo que teve um período de inatividade, mas com esta louvável e absolutamente preciosa sensibilidade e visão para a sua recuperação, temos hoje a oportunidade de reviver com um pingo de atualidade este singular espaço de memória, este verdadeiro Património Cultural de Quarteira.

Neste local, presentemente com uma paisagem diferente daquela que tinha no passado, os Homens do Mar podiam beber o seu cálice de vinho ou comer uma bucha, procurar companhas para trabalhar a bordo dos barcos e até fazer as contas da maré, tudo com um cenário de uma magnífica e extensa praia banhada pelo nosso mar Quarteirense.

Hoje em dia temos uma realidade diferente, a estrada que passava em frente à taberna já não existe e o idílico “areal paisagem” encontra-se substituído por uma fenomenal vista panorâmica sobre o Porto de Pesca de Quarteira. Figura desta forma como o segredo mais bem guardado de Quarteira, em muito pela sua genuína simplicidade, exaltando aspetos que confortam o olhar, tal como os diversos ladrilhos policromados que polvilham de uma forma deliciosamente desorganizada o chão da Taberna, ou até mesmo os alcatruzes pendurados na parede servindo de floreiras.

Ao entrar, se olharmos para o lado direito, somos confrontados com três prateleiras, onde podemos ver petromaxes, balanças, vertedores em madeira, fotografias de embarcações afetas à casa e alguns tesouros vindos do fundo do Mar. Em tudo a Taberna da Ti Cidália respira, inspiração e desafia a um olhar atento à tradição de Quarteira.

A sua carta gastronómica apresenta diversas opções. No entanto, aconselho as apetitosas  sardinhas assadas, os belíssimos carapaus e as banais, mas riquíssimas em sabor, cavalinhas zip zip que, acompanhadas por uma batatinha cozida e um fresquinho vinho da casa, prometerão com toda a certeza futuras e ansiosas visitas à Taberna da Ti Cidália.

Contudo, existe a necessidade de cobrir com calçada ou asfalto os dois únicos caminhos de acesso ao local e desta forma fomentar um melhor saneamento e mais segurança pedonal para quem visita a taberna. Para finalizar, é disto que Quarteira precisa! De cultura aliada à tradição expressa em espaços físicos de memória. Logo, é fundamental conservar e restaurar o pouco Património Cultural edificado existente na nossa freguesia, seja ele traços de simples arquitetura algarvia.

O quarteirão envolvente à Taberna poderia funcionar enquanto um Pólo da Pesca em Quarteira, tendo como ex-libris o Estaleiro Artesanal do Mestre Casinhas, personificado num tão desejado “Grande Museu do Mar e Pesca de Quarteira”, conservando toda aquela zona e exaltando-a com os contornos de grande centro ligado à pesca na localidade.

Teresa e Clarinda, desejo-vos as maiores felicidades e os parabéns pela vossa iniciativa.

Categories: Opinião, Quarteira