Faro

FARO | Município monitoriza micromobilidade partilhada

Sistema que agrega dados fornecidos pelas operadoras vai permitir regular circulação na via pública em tempo real. Novo operador privado vai colocar trotinetas elétricas a partir desta semana em Faro.

O Município de Faro pretende monitorizar e controlar, em tempo real, todo o fluxo de tráfego de trotinetas, bicicletas e outros veículos de mobilidade partilhada suave que venham a operar no concelho pelo que está a testar uma nova plataforma, através de um projeto-piloto com a empresa francesa Vianova. O objetivo é ajudar a regular a circulação na via pública, determinando os locais onde estas podem ser bloqueadas ou onde o seu parqueamento é interdito.

A plataforma de monitorização, para análise de dados, será carregada com a informação fornecida pelas operadoras de micromobilidade, podendo assim a autarquia determinar, pontualmente, alterações de trânsito ou um limite de equipamentos que poderão ficar estacionados nos “hotspots” (rede de pontos de paragem para trotinetas e bicicletas já definidos e delimitados para o efeito pela Câmara Municipal de Faro).

No âmbito da entrada de um novo operador de trotinetas elétricas partilhadas no concelho, o Município de Faro promoveu na segunda-feira, dia 3, mais uma reunião da Comissão de Acompanhamento da Mobilidade Sustentável (que incluiu os responsáveis da Câmara de Faro, da PSP, GNR, da Universidade do Algarve e o presidente da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta entre outros) com os representantes da empresa Bolt, que implementou ontem esta nova oferta de mobilidade partilhada.

A Bolt vai ter em Faro cerca de 200 trotinetas equipadas com localizadores GPS, que vão permitir visualizar no mapa da aplicação da empresa quais os locais indicados para recolha e entrega dos equipamentos, de acordo com os “hotspots” definidos pela Câmara Municipal.

Nesta reunião, foi ainda feito um balanço de um ano de mobilidade partilhada no Concelho de Faro. Segundo os dados coligidos e fornecidos pelas empresas que operaram em 2019, cada uma delas teve, ao longo do último ano, uma frota média de 156 trotinetas, tendo uma média de 3 rotações diárias por veículo. A distância média diária percorrida por cada trotineta em Faro foi de aproximadamente dois quilómetros (2.038 metros).

Recorde-se que, em fevereiro de 2019, foi assinado o Memorando de Entendimento de apoio aos Princípios da Mobilidade Partilhada, com o objetivo de “planear as cidades e a mobilidade juntas”, “projetar com acesso a todos” ou “evoluir rumo à emissão zero”.

Nesse sentido, para permitir melhorar a circulação na cidade e, ao mesmo tempo, contribuir para a sua descarbonização, a autarquia tem também em curso a preparação de um dossiê com vista à contratação de um serviço de bicicletas públicas partilhadas.

Simultaneamente, a edilidade já deu início à rede de infraestruturas cicláveis de forma a serem mais amigas dos modos suaves e aprovou, na Praia de Faro, a primeira Zona 30 (em que a circulação rodoviária se deve fazer abaixo de 30 quilómetros por hora), regulamentação que deverá ser alargada a outras zonas da cidade e do concelho.

Na oportunidade, o Município informa ainda que se iniciam hoje, dia 4 de Fevereiro, os trabalhos de construção do primeiro troço da Ecovia do Algarve, trabalhos englobados na empreitada de requalificação da EM527, que permitirão fazer a ligação entre a rotunda da Praia de Faro e a rotunda do Aeroporto, em prolongamento da ciclovia que atualmente termina nesta última. Este troço de ecovia tem a particularidade de representar simultaneamente o primeiro segmento da Secção 1 da Eurovelo 1, rota ciclável que se inicia na Noruega e que pertence à Rede Europeia de Ciclovias. O investimento municipal é superior a 690 mil euros.

Categories: Faro