Empresas

Joana Garcia doa 2647 queijos artesanais ao pessoal médico de três hospitais do país

A queijeira vai fazer chegar queijos de meia cura aos médicos e enfermeiros do Hospital Curry Cabral, em Lisboa, Hospital de Évora e de S. João, no Porto.

A queijeira Joana Garcia, proprietária da Queijaria Monte da Vinha, no Vimieiro, Alentejo, vai doar esta semana 2647 queijos artesanais de meia cura ao pessoal médico de três hospitais do país, como contributo na luta contra a pandemia de Covid-19 no nosso país. Essa doação, que ronda o valor de 4000€, chegará aos guerreiros da linha da frente dos hospitais Curry Cabral, em Lisboa, do Hospital de Évora, e do Hospital de S. João, no Porto. É a sua forma de homenagear estes profissionais e de fazer a sua parte na sociedade.

Esta não é a primeira doação que Joana Garcia faz desde o começo da pandemia. No início de abril, ofereceu 1000 queijos – que estavam destinados à Classe Executiva da TAP – à Associação Crescer e ao projecto “É um Restaurante”, que está a confecionar e distribuir 200 refeições para os sem-abrigo. Depois disto, seguiu-se uma acção de divulgação para tentar escoar a produção de queijos que Joana já tinha em stock – e esta correu tão bem que gerou encomendas de Norte a Sul do país. Joana Garcia vendeu mais de 11 900 queijos, em caixas de cinco – e por cada caixa vendida, a atribuiu um a esta causa solidária.

“Descobri que as pessoas são muito generosas”, afirma Joana Garcia. “E o melhor de tudo, foi ter conseguido salvar famílias e postos de trabalho. Dei o que tinha – e recebi imenso de volta. Na verdade, tem sido uma experiência humana incrível”, salienta a queijeira. Por isso, esta semana, Joana Garcia vai entregar 2647 queijos de meia cura às equipas médicas dos hospitais Curry Cabral, em Lisboa, ao Hospital de Évora e ao hospital de S. João, no Porto, fruto dessa acção de solidariedade. A queijeira, que em outubro do ano passado viu o seu queijo amanteigado ser considerado um dos melhores do mundo nos World Cheese Awards, em Itália, está satisfeita com o seu contributo e com o desenrolar das coisas, apesar de tudo, neste contexto complexo que é o da pandemia.

Sobre a Queijaria Monte da Vinha

Em 2004, Joana Garcia deixou de estar satisfeita com a profissão de advogada e decidiu dar uma volta à sua vida. Foi o pai, natural do Vimieiro, “terra de queijeiros”, quem lhe deu a dica: por que não aproveitar o facto de o irmão de Joana estar a vender leite de 500 ovelhas para se lançar… a fazer queijo? Sem qualquer experiência no assunto, Joana investiu dez meses da sua vida a meter a mão na massa e a experimentar – e a deitar muito leite e queijo fora, antes de conseguir atingir a sua meta: diferenciar-se. Fazer queijos de dimensões menores (125 g e 70g) e de pasta muito amanteigada são duas das suas características identificadoras. Com uma equipa de 7 mulheres, produz queijos amanteigados, de meia cura e de pasta dura. Mas é provavelmente o seu queijo amanteigado de ovelha o mais único de todos. “Não se encontram queijos amanteigados de ovelha tão pequenos no mundo”, afirma. Esse saber português, certificado como artesanal, obteve um reconhecimento internacional nos World Cheese Awards, em Bérgamo, Itália, em Outubro de 2019, com a conquista de uma medalha de ouro para o queijo amanteigado do Monte da Vinha.

Categories: Empresas, Nacional, Saúde