Nacional

Covid-19 provoca aumento nas consultas relacionadas ao excesso de peso

A obesidade e o excesso de peso são dois graves problemas de saúde com os quais a sociedade se acostumou a conviver apesar das mensagens de alarme difundidos pela comunidade científica que alertam sobre os perigos derivados dos mesmos, como são problemas cardíacos e respiratórios, diabetes, até treze tipos diferentes de cancro e, neste momento, um maior risco frente ao coronavírus.

Mas algo está a mudar na percepção que os portugueses têm da sua saúde e que está a provocar um aumento de 200% das consultas a profissionais de acordo com dados da Unidade de Tratamento da Obesidade por Endoscopia do Hospital St. Louis de Lisboa. “Estamos a ser contactados por muitas pessoas que querem perder peso, não apenas porque estão a engordar durante o confinamento, mas também porque se deram conta de que se não o fazem são mais vulneráveis frente à Covid-19 ou a qualquer outra epidemia que esteja por chegar”, afirma o Dr. Gontrand López-Nava, director desta unidade.

Dr. Gontrand López-Nava

Segundo a OMS, todos os anos morrem, no mínimo, 2.8 milhões de pessoas por causa da obesidade e o excesso de peso e, em pandemias como a actual, que afecta já a mais de dois milhões de pessoas, o índice de mortalidade das pessoas obesas dispara pelos problemas derivados da sua doença. “Estamos a ver como estas duas pandemias convergem, o que nos está a fazer tomar consciência da gravidade do problema e tomar medidas para o deter, este tempo em casa está a servir para nos questionarmos como queremos enfrentar o futuro, daí que estejamos a começar a fazer exercício e nos proponhamos a eliminar esses quilos a mais com ajuda profissional”, explica do Doutor Gontrand López-Nava.

Os dados dos pacientes que estão a requerer tratamento na Unidade de Tratamento da Obesidade por Endoscopia do Hospital St. Louis de Lisboarevelam que estes estão a engordar uma média de um quilo por semana durante o confinamento, além do seu excesso de peso anterior. Este aumento de peso e o medo a não sobreviver a outra pandemia explicam esta crescente motivação para emagrecer, mas o Doutor Gontrand López-Nava adverte da importância de não o tentar fazer sozinhos: “95% das dietas que se iniciam acabam pro fracassar, para conseguir resultados reais e duradouros no tempo é necessário interferir com a fome e a saciedade reduzindo o estômago por endoscopia, ou introduzindo um balão intragástrico, mais um bom seguimento nutricional e psicológico durante todo o processo. Neste momento a ajudar deste dentro do estômago e o psicólogo da unidade ajudam a definir metas realistas e a conseguir atingi-las, controlando a ansiedade que esta pandemia está a gerar nos comportamentos alimentares”.

Cada vez existem mais apoios e alternativas para emagrecer, técnicas que, como a endoscopia bariátrica, são muito pouco invasivas e conseguem perdas de peso rápidas e eficazes. “A ansiedade, a falta de saciedade e a lentidão na obtenção de resultados são os principais factores de boicote das dietas de emagrecimento, mas actualmente podemos modificar o estômago através da boca, sem cicatrizes e de forma muito segura, para reduzir o apetite e conseguir resultados muito bons se os combinarmos com o exercício e uma boa alimentação”, conclui o Doutor Gontrand López-Nava.

O Doutor Gontrand López-Nava é uma referência mundial na endoscopia bariátrica, destacado pelas suas técnicas de redução do estômago por endoscopia como o melhor método para combater a obesidade por via oral. É doutor Cumlaude em Medicina e Cirurgia, professor na Sociedade Americana de Endoscopia Gastrointestinal e publicou inúmero artigos acerca deste tema em revistas internacionais. É membro de diferentes sociedades científicas internacionais e actualmente participa, a pedido da prestigiosa Clínica Mayo, a na introdução das suas técnicas nos E.U.A e também em países árabes e latino-americanos.

Categories: Nacional, Saúde