Nacional

SureScreen Diagnostics lança em Portugal teste rápido com 100% de sensibilidade para os anticorpos específicos da SARS-CoV-2

Uma das maiores empresas da área do diagnóstico, a britânica SureScreen Diagnostics, acaba de lançar em Portugal um teste rápido de deteção de anticorpos anti-SARS-Cov-2 com elevado grau de precisão. O novo teste, atualmente o escolhido pelo hospital público londrino Guy’s and St. Thomas como o teste padrão no protocolo de rastreio de doentes COVID-19, apresenta resultados em 10 minutos e está disponível nas farmácias.

O teste COVID-19 Coronavirus Rapid Test Cassette da SureScreen Diagnostics identifica a resposta imunológica ao coronavírus após o início da infeção. É capaz de detetar até os casos assintomáticos e necessita apenas de uma amostra de sangue através de uma picada no dedo para fornecer um resultado, tal como num teste de glicemia.  

A deteção de anticorpos anti-SARS-Cov-2 é qualitativa, ou seja, o teste oferece uma resposta sim/não quanto à presença de anticorpos, mas apresenta-se como uma alternativa rápida, simples, prática e mais barata que os testes quantitativos, feitos nos laboratórios de análises clínicas. Tem a Certificação CE, uma vez que cumpre todos os requisitos essenciais em matéria de segurança e proteção da saúde.  

Até ao momento, existem mais de 30 milhões de pessoas infetadas com a COVID-19 e mais de 900 mil mortos em todo o mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) defende a realização de testes de diagnóstico por forma a rastrear a comunidade de forma mais célere e aumentar a eficiência na tomada de decisão terapêutica.  

Ao contrário dos testes laboratoriais, que implicam mais custos e recursos, os testes rápidos da SureScreen Diagnostics representam uma enorme economia de tempo e identificam a infeção de forma simples e célere, correspondendo à recomendação da OMS. Os testes rápidos permitem, por exemplo, despistar rapidamente doentes de risco, profissionais de saúde ou funcionários e utentes de lares de idosos. Além disso, conseguem, de forma quase imediata, acabar com a dúvida de exposição a uma situação de risco ou entre uma infeção e sintomas gripais. Alguns países da Europa, como é o caso da França, já estão a comparticipar este tipo de testes para identificar o maior número de infeções possível e controlar focos de doença. 

Num Ensaio Clínico de comparação entre o teste rápido SureScreen e o teste serológico semi-quantitativo (ELISA)1, o teste que chega agora às farmácias obteve um dos melhores resultados de especificidade e sensibilidade (100%) entre os sete testes analisados. É integralmente produzido no Reino Unido e testado por entidades de referência a nível mundial, como oKings College London, a Imperial College London, a UZ Leuven Belgium e a Fundação Champalimaud. 

COMO FUNCIONA? 

Incorporados na tira de teste estão os anticorpos que se ligam a um biomarcador específico de COVID-19: a imunoglobulina G (IgG) e a imunoglobulina M (IgM). Quando a amostra é adicionada a uma extremidade do teste, ela flui ao longo da tira e interage com esses anticorpos. Se o paciente contraiu COVID-19, os biomarcadores no sangue ligam-se aos anticorpos na tira de teste, deixando uma linha visível. Se o paciente não tiver COVID-19, nenhum biomarcador deve estar presente no sangue e somente a linha de controlo (C) será visível. Existem linhas de teste separadas para IgG e IgM e apenas uma precisa estar visível para um resultado positivo. O teste pode também ser feito com amostras de soro ou plasma. 

O teste é feito na farmácia para garantir total segurança e acompanhamento quanto à avaliação do grau de risco de infeção, avaliação dos sintomas e explicação sobre o procedimento. A pessoa será seguida em função do resultado, sendo informada sobre as recomendações e ações futuras. O preço do serviço de despistagem – teste com acompanhamento pelo profissional de saúde –  está abaixo dos 30 euros. 

Os testes de diagnóstico deverão ser realizados em vários momentos após a infeção de forma a respeitar o período natural de produção de anticorpos no organismo. Podem ainda ser utilizados em conjunto com os testes quantitativos (que identificam a caracterizam o estado de imunidade dos doentes) para aumentar a precisão do diagnóstico. 

O QUE SÃO IgG E IgM ? 

As imunoglobulinas são os próprios anticorpos e fazem parte do nosso sistema imunológico. A IgM é a primeira imunoglobulina a ser produzida. A presença de IgM é um indicador de infecção precoce. A presença de IgG é um indicador de infeção em estágio posterior (geralmente 7 dias ou mais após a infeção). 

Referência: 

1 – Pickering, Suzanne & Betancor, Gilberto & Galão, Rui & Merrick, Blair & Signell, Adrian & Wilson, Harry & Ik, Mark & Seow, Jeffrey & Graham, Carl & Acors, Sam & Kouphou, Neophytos & Steel, Kathryn & Hemmings, Oliver & Patel, Amita & Nebbia, Gaia & Douthwaite, Sam & O’Connell, Lorcan & Luptak, Jakub & McCoy, Laura & Edgeworth, Jonathan. (2020). Comparative assessment of multiple COVID-19 serological technologies supports continued evaluation of point-of-care lateral flow assays in hospital and community healthcare settings. 10.1101/2020.06.02.20120345. 

Categories: Nacional, Saúde