Consumidor

Novas etiquetas de eficiência energética para eletrodomésticos

Escolher eletrodomésticos de baixo consumo é uma das formas mais eficazes de poupar energia e água. A etiqueta energética da União Europeia permite-lhe conhecer dados importantes sobre o consumo e a eficiência de um eletrodoméstico.

Chegaram ao mercado as novas etiquetas de eficiência energética com mudanças importantes relativamente aos frigoríficos, máquinas de lavar roupa e loiça.

Por agora estas novidades apenas irão abranger esses eletrodomésticos, sendo que no caso de fornos, máquinas de secar e exaustores continuam com as etiquetas antigas.

Novas etiquetas energéticas 2021: frigorificos, máquinas de lavar e lava-loiças

A etiquetagem energética existe desde 1995, e embora tenha contribuído para a melhoria da eficiência dos eletrodomésticos elétricos ao longo destes anos, já foi alvo de algum tipo de revisão. Alguns anos após a incorporação das classes A +, A ++ e A +++, a União Europeia aprovou uma nova revisão que representa mais uma alteração nestas etiquetas e que entrou em vigor a 1 de março de 2021.

O principal aspecto desta modificação é que envolve uma nova escala, ou seja, um produto que até 2020 era pertencente à classe A +++, com a nova designação pode ser da classe C ou classe D. É importante mencionar que o produto não mudou e nem consome mais do que antes. A mudança é apenas referente à etiqueta energética.

Porque é que a etiqueta energética mudou?

Em primeiro lugar, pelo comportamento dos próprios utilizadores, que cada vez mais exigem programas mais rápidos e adaptados à realidade que permitam, por exemplo, a limpeza eficiente de recipientes de plástico.

Em segundo lugar, devido aos avanços tecnológicos aplicados aos eletrodomésticos nos últimos anos. Muitos produtos foram fabricados e obtiveram na sua maioria as classificações da classe A + ou muito mais altas e portanto, a etiqueta de energia atual perdeu a sua função original.

Quais são as mudanças mais significativas para o consumidor?

  • As classes de eficiência A +, A ++ e A +++ desaparecem
  • A nova escala começa na classe A (mais eficiente) até à classe G (menos eficiente).
  • Surge ainda um código QR no canto superior direito da etiqueta, sendo uma forma dos consumidores acederem pela primeira vez à base de dados europeia EPREL, sendo possível consultar mais informações sobre os equipamentos que desejam comprar.

Esta base de dados permite ainda que as entidades competentes controlem e analisem de forma constante a veracidade nas atribuições das classes energéticas.

Segundo a Selectra Portugal, o consumidor vai continuar a ser beneficiado, já que será possível continuar a poupar na energia e na água, pois a alteração não interfere na eficiência energética dos eletrodomésticos.

Ressalta também que a União Europeia alterou os testes a que são submetidos os electrodomésticos para o cálculo dos dados de consumo, pelo que não é possível comparar os valores nem os índices de eficiência da etiqueta anterior com os dados da nova etiqueta.

A classe energética de fornos, exaustores e máquinas de secar

Em vigor desde 2012, a etiqueta energética dos eletrodomésticos é uma ferramenta muito útil para que possa escolher os modelos mais eficientes. Fornos, exaustores e secadores continuam a manter esta etiqueta.

As informações na etiqueta de energia são refletidas com pictogramas neutros para fornecer informações adicionais muito importantes sobre um eletrodoméstico: a sua capacidade, o consumo de água ou de energia ou o próprio nível de som emitido.

Categories: Consumidor