Desporto

VILAMOURA | Quase não há mar para tantas velas

  • Os melhores velejadores da Europa invadiram o Centro de estágios Vilamoura Sailing desde outubro passado e só sairão de Portugal para começar as suas participações nas grandes provas internacionais de cada classe.
  • As condições meteorológicas excecionais explicam a longa presença em águas portuguesas da elite mundial da vela.

O centro de estágios Vilamoura Sailing atingiu a sua capacidade máxima com a presença de cerca de 4 centenas de velejadores que integram as mais importantes classes olímpicas de todo o mundo.

Foram cerca de 70 países que escolheram Vilamoura para fazer a sua preparação de inverno, antes de começarem os campeonatos da Europa e do Mundo das respectivas classes.

Se já não é novidade a preferência por Vilamoura das melhores equipas de vela olímpicas – classes Nacra 17, 49er, 49er FX, 470, Ilca 4 e Ilca 6 – a verdade é que nunca foi tão prolongada a sua estadia em Portugal. As equipas começaram a chegar no início de outubro e só deverão partir a tempo de competir no prestigiado Troféu Rainha Sofia, em Espanha, perfazendo 6 meses em águas algarvias.

Também o número de velejadores que chegam a Vilamoura não tem parado de crescer. Neste momento, perto de 400 atletas usufruem diariamente das boas infraestruturas da Marina de Vilamoura e dos serviços logísticos e de apoio disponibilizados pelo Vilamoura Sailing.   

Desde 2018 que o Vilamoura Sailing aproveita a presença de tantos velejadores de classes olímpicas para realizar a prova Portugal Grand Prix, competição pontuável para o Ranking Mundial das classes 49er, 49er Fx e Nacra 17.

A partir de domingo, dia 20 e até 23 de fevereiro os dias de treino transformam-se em alta competição, com centenas de velejadores olímpicos a darem espetáculo ao largo de Vilamoura. Muitos destes atletas são verdadeiros ícones da vela mundial. 

É o caso do francês Franck Cammas, com recordes em várias travessias atlânticas, vitórias na Volvo Ocen Race e Extreme 40.

Pela primeira vez, o Portugal Grand Prix irá integrar também o Campeonato da Europa de Raceboard, disciplina do Windsurf.

Com a importância crescente deste Portugal Grand Prix na própria estruturação dos estágios destas equipas, a direção do Vilamoura Sailing adquiriu já uma frota de embarcações J70, uma classe altamente competitiva, para integrar na edição do Portugal Grand Prix do próximo ano:

“Adotámos uma estratégia de crescimento, para além das classes olímpicas. O Vilamoura Sailing investiu numa frota própria de J70, proporcionando assim aos atletas a possibilidade de competir, durante uns dias, numa classe altamente competitiva e noutros 5 dias na sua classe. O nosso objetivo é ter, em 2023, perto de 70 ou 80 embarcações J70 no Grand Prix, tornando esta prova ainda mais aliciante e de nível altamente competitivo”, refere Nuno Reis, diretor do Vilamoura Sailing.

O Portugal Grande Prix 2022 arranca já no próximo domingo, com muitas centenas de velas a encherem o horizonte de Vilamoura. As condições meteorológicas previstas continuam a ser as ideais para esta verdadeira frota de luxo.  

Categorias:Desporto, Quarteira