Nacional

81% de todas as publicações realizadas nas redes sociais sobre Diversidade, Equidade e Inclusão são de mulheres

  • Estudo mostra que portugueses ‘falam’, em média, nas redes sociais 461 vezes por mês sobre estes temas;
  • É sobre ‘Inclusão’ que mais ‘falam’;
  • A análise, uma iniciativa da Merck, conclui ainda que são as mulheres quem mais menciona estes temas e que o tom dessas mesmas menções é, no geral, negativo;
  • Municípios e meios de comunicação social são os perfis digitais que mais falam do tema;
  • Efemérides continuam a ser momentos privilegiados de comunicação.

O que dizem os portugueses nas redes sociais sobre ‘Diversidade’, ‘Equidade’ e ‘Inclusão’? Qual o tom das mensagens que partilham? Quem mais comunica sobre estes temas? Foram estas as perguntas que serviram de base para um estudo de ‘social listening’, uma iniciativa da Merck com o apoio do Buzzmonitor, uma ferramenta de social media, que conclui que a ‘Inclusão’ é o tema sobre o qual mais se fala, com mais do dobro das menções da ‘Diversidade’ e ‘Equidade’, sendo os meios de comunicação regionais os que mais partilham sobre este assunto. Em média, os portugueses mencionam estes temas nas redes sociais 461 vezes por mês.

De janeiro a outubro deste ano analisaram-se os posts partilhados no Facebook, Instagram e Twitter, para perceber de que forma estava o tema da ‘Diversidade’, ‘Equidade’ e ‘Inclusão’ representado nas principais redes sociais e quais as interações identificadas. Contas feitas, há em média 268 menções à ‘Inclusão’ todos os meses, 102 à ‘Equidade’ e 91 à ‘Diversidade’, o tema menos comunicado.

E, com exceção da ‘Equidade’, onde é no Instagram (52%) que se encontram mais referências, tanto a ‘Diversidade’ como a ‘Inclusão’ apresentam mais menções no Facebook (66% e 67,9% respetivamente).

E quando é que mais se fala? A avaliação permite concluir que as menções são uma constante ao longo do ano para os três temas, mas que as efemérides surgem como momentos de picos de comunicação no caso da ‘Diversidade’ (por exemplo, o Dia Mundial da Diversidade Cultural para o Diálogo e o Desenvolvimento) e da ‘Equidade’ (Dia Internacional da Mulher ou o Dia Internacional da Igualdade Feminina). No que diz respeito à ‘Inclusão’, são as menções ao tema feitas por altas entidades, instituições e organizações que mais motivam o aumento do volume de publicações.

Esta análise permite ainda concluir que, no caso da ‘Diversidade’, são os Municípios e Câmaras Municipais os que mais comunicam sobre o tema, como por exemplo, o Município de Gouveia ou de Montemor o Novo.  Já no que diz respeito à ‘Equidade’, são os meios de comunicação social que geram mais publicações, como o Jornal Expresso, Breves Jornal, Observador ou Jornal Público. Sobre a ‘Inclusão’, continuam a ser os perfis de meios de comunicação social que mais abordam o tema – voltamos a encontrar o Breves Jornal, Diário de Notícias da Madeira, JM Madeira e Funchal Madeira.

Por último, o estudo permite também concluir que as mulheres são quem mais faz partilhas nas redes sociais sobre os três temas, sendo negativo também para as três temáticas o tom identificado nas mensagens. Numa totalidade de 2.303 publicações, 1.874 (81%) são realizadas pelo género feminino.

Pedro Moura, Diretor Geral da Merck, afirma que “é natural que sejam as mulheres as que mais publicações fazem sobre o tema pois ainda vivemos numa sociedade em que urge proporcionar igualdade de oportunidades a homens e mulheres, em particular no tecido empresarial. Este ano fizemos um Desk Research que concluiu que vão ser precisos mais 30 anos para que o salário médio seja o mesmo para mulheres e homens. Para sustentar estes dados e perceber a importância da mulher ter o mesmo papel que o homem no mercado de trabalho, estamos a desenvolver o projeto ‘As One for Diversity’, em parceria com a AESE Business School, para avaliar a realidade de diferentes indústrias no que diz respeito à diversidade de género.”

A Merck pauta as suas ações internas pelos princípios da Diversidade, Equidade e Inclusão de culturas, idades e género. Esta é uma preocupação que a empresa entende como prioritária não apenas a nível interno, mas também a nível externo. Por esse motivo, e com o objetivo de compreender como se pode potenciar a comunicação e implementação de ações benéficas para a sociedade destes três temas online, decidiu, no início deste ano, analisar o panorama digital.

Sobre o estudo

Este projeto teve como principal desafio a realização de uma análise de Social Listening ao tema da Diversidade, Equidade e Inclusão no ano de 2022 (janeiro a outubro), nas plataformas Facebook, Instagram e Twitter.

objetivo desta análise é perceber de que forma está representado o tema da Diversidade, Equidade e Inclusão nas principais redes sociais e de que forma há interação sobre o tema:

      ●          Quais os sub temas mais abordados dentro desta temática;

      ●          Volume de menções ao tema nas redes sociais;

      ●          Quais as redes sociais onde o tema está mais presente;

      ●          Que meios de comunicação social, a nível das redes sociais, falam sobre o tema;

      ●          Quem são os embaixadores do tema;

      ●          Conceitos relacionados com o tema (wordcloud);

      ●          O que os portugueses escrevem em concreto nas redes sociais? 

      ●          Tom e sentimento das menções.

Em termos de abordagem estratégica, esta análise teve como base pesquisas de menções dos três temas principais com os sub-temas principais que lhe estão associados:

      ●          ((Diversidade) (género OR racial OR ética OR cultural OR gerações OR geração OR “diferenças entre gerações” OR géneros OR raciais OR culturais));

      ●          ((Equidade) (social OR género OR salarial OR “Igualdade de género” OR “Igualdade de salário” OR “Igualdade entre mulheres e homens” OR “Igualdade entre homens e mulheres” OR “Igualdade para diferentes culturas” OR racial OR ética OR cultural OR géneros OR raciais OR culturais OR salário));

      ●          ((Inclusão) (social OR género OR racial OR ética OR cultural OR géneros OR raciais OR culturais OR deficiência OR deficiências OR incapacidade OR incapacidades OR discriminação OR “Inclusão de pessoas com incapacidades” OR “Inclusão de pessoas com deficiência” OR “Discriminação salarial” OR “Discriminação cultural”)).

Sobre a Merck

A Merck é uma empresa líder em ciência e tecnologia, que opera nas áreas de Healthcare, Life Science e Electronics. Cerca de 52.000 colaboradores trabalham para marcar uma diferença positiva em milhões de vidas de pessoas, todos os dias, criando formas de viver mais felizes e sustentáveis. Desde tecnologias avançadas de edição de genes e descobertas únicas de formas de tratar as doenças mais desafiantes, até ao desenvolvimento da inteligência dos dispositivos – a Merck está em todo o lado. Em 2021, a empresa gerou vendas de 19,7 mil milhões de Euros nos países onde atua.

A exploração científica e empreendedorismo responsável foram fundamentais para os avanços tecnológicos e científicos da Merck. Tem sido assim que a Merck prosperou desde a sua fundação em 1668. A família fundadora continua a ser o acionista maioritário do grupo de empresas cotado em bolsa. A Merck detém os direitos globais sobre o nome e a marca Merck. As únicas exceções são os Estados Unidos e o Canadá, onde a empresa atua como EMD Serono em Healthcare, MilliporeSigma em Life Science e EMD em Electronics.

Categorias:Nacional