Nacional

Portugal participa num dos maiores projetos de inovação a nível mundial

Energia Limpa: uma revolução para o mundo

E fez-se história! A recente descoberta de cientistas americanos, esta semana, numa abordagem da fusão nuclear conhecida como confinamento inercial, aponta caminhos para novas fontes de energia limpas, algo que pode vir a revolucionar o mundo. Mas serão necessárias algumas décadas ao nível de desenvolvimento de processos e de I&D para lá chegar e poder constituir-se como uma solução comercial.

Entretanto, o ITER – International Thermonuclear Experimental Reactor – o maior projeto de inovação da atualidade onde o a organização portuguesa ISQ participa – está a construir o primeiro reator experimental de fusão nuclear, do tipo Tokamak, capaz de gerar um retorno de energia positivo e demonstrar a viabilidade científica e técnica da fusão nuclear como fonte de energia limpa. Simultaneamente irá testar e capacitar a indústria no domínio das tecnologias necessárias para o funcionamento de um reator comercial deste tipo.

A tendência atual de mercado será no sentido da construção de pequenos reatores nucleares – do tipo Tokamak – devido ao facto de serem mais fáceis de construir, em mais curto espaço de tempo, e da necessidade de geração/produção de energia limpa no mundo.

O ITER, com um investimento total estimado em 20.000 milhões de eurosainda está em fase de construção e só dentro de alguns anos é que poderá fazer a prova de conceito agora feita com um modelo de fusão nuclear diferente, nos Estados Unidos.

De realçar que existem diferenças entre reatores de fusão nuclear e reatores de fissão nuclear. Os de fusão são intrinsecamente mais seguros, produzem resíduos menos radioativos e o custo do combustível é muito inferior.

“O ISQ é uma das poucas entidades portuguesas que atua como fornecedor de primeira linha, colaborando diretamente com o ITER e a F4E (Fusion for Energy) através da prestação de serviços em âmbitos tão diversos como: formação, inspeção, ensaios, desenvolvimento de tecnologia de controlo não destrutivo, engenharia de processos de ligação e serviços de suporte à engenharia de base (design e análise). A carteira total de contratos do ISQ para as entidades, ITER ORG e F4E totaliza, ao longo dos últimos anos, um valor superior a 22 milhões de Euros”, refere Pedro Matias, presidente do ISQ.

Os serviços implementados e em execução assumem grande importância para o resultado final de construção, tendo um carácter de inovação (incluindo design de base, suporte à engenharia, desenvolvimento de nova tecnologia ou metodologias), tendo como objectivo final a garantia de qualidade e o cumprimento com as especificações dos produtos|componentes fabricados.

“No campo do desenvolvimento tecnológico destacam-se vários projetos na área do controlo não destrutivo e soluções de processos de soldadura ligados aos componentes mais importantes da máquina (como Vacuum Vessel os Magnets)”, acrescenta Pedro Matias.

Na área de Garantia de Qualidade e Controlo de fabrico, o ISQ é o parceiro de referência da F4E sob a forma de um contrato quadro que atribui ao ISQ a responsabilidade de acompanhamento de fabrico de componentes fornecidos pela UE, e com fabricos dispersos por Espanha, Itália, Alemanha, França, Reino Unido, Finlândia e China, entre outros. O ISQ integra também as equipas F4E de Garantia de Qualidade.

O ITER é o maior investimento científico da atualidade onde o ISQ participa no âmbito das suas áreas de competência. Resulta do acordo internacional entre USA, Japão, Rússia, Coreia do Sul, China, India e União Europeia.

Categorias:Nacional