AGENDA

Saiba tudo sobre a X FEIRA MEDIEVAL DE SILVES – 2013

feira_medieval_silves

A décima edição da FEIRA MEDIEVAL DE SILVES terá lugar entre os dias 2 e 11 de agosto de 2013, realizando-se este evento no centro histórico da cidade. Serão, pois, 10 dias de recriação histórica do período medieval da antiga capital do Reino do Algarve, uma recriação que nos permitirá descobrir um pouco mais sobre o período entre a primeira conquista cristã da cidade (ocorrida em 1189, no reinado de D. Sancho I) e a reconquista muçulmana (ocorrida em 1191).

Este ano há uma novidade, em termos de horários: a feira funcionará das 18h00 à 01h00, como habitualmente, mas às sextas-feiras e sábados estará aberta das 18h00 às 02h00.

Dois torneios a cavalo por dia, um espetáculo teatral no castelo, muita dança e animação, levarão os visitantes numa verdadeira viagem no tempo, onde será possível ter uma visão do que a cidade terá sido outrora e da sua importância incontornável na história do Al-Gharb. Para além disso, este evento mostra que o concelho, apostando no rigor e na qualidade, é uma zona chave e alternativa ao Turismo de Sol e Praia.

A organização da Feira está a cargo da Câmara Municipal de Silves.

História da Feira Medieval de Silves

A primeira Feira Medieval feita na cidade de Silves foi organizada pela Escola Secundária de Silves, em 1996.

A 14 e 15 de Agosto de 2004 é feita uma “Feira Quinhentista”, como forma de comemorar os 500 anos do Foral Manuelino de Silves, durante a qual foram recriados alguns momentos característicos da vida quotidiana da época e a leitura do Foral.

Em 2005 fez-se a primeira Feira Medieval, já com organização da autarquia, com um número ainda relativamente pequeno de figurantes e de grupos envolvidos, mas com grande empenho de todos.

De então para cá, todos os anos, no mês de agosto, Silves enche-se dos sons, dos falares, das cores e dos aromas próprios do tempo em que a cidade era capital do Sul do país, sendo a Feira Medieval de Silves uma referência a nível nacional.

Uma estória dentro da História

Silves entre Conquistas (1189-1191)

A Silves dos princípios do Séc. XII é descrita por Edrici, geógrafo muçulmano:

«Silves, bela cidade edificada numa planície, está rodeada por forte muralha. Os arredores estão cobertos de hortas e pomares. Bebe-se água de um rio, que banha a povoação pelo sul e move moinhos. O oceano fica apenas a três milhas, a ocidente. Tem um porto sobre o rio e estaleiros. As montanhas próximas produzem grande quantidade de madeiras que se exportam para longe. A cidade é bonita e nela se vêem elegantes edifícios e mercados bem fornecidos. A população, bem como a dos povoados vizinhos, é constituída por árabes do Iémen e outros que falam um dialeto árabe muito puro. Sabem também dizer versos e, em geral, são eloquentes e hábeis, tanto a gente do povo como a das classes elevadas. Os habitantes do campo são extremamente hospitaleiros, ninguém os excedendo neste ponto. A cidade de Silves faz parte da província de Axinxine cujo território é celebrado pelos figos que produz, enviados para todas as regiões do Ocidente e que são de uma excelência e doçura incomparáveis.

De Silves a Badajoz, 3 jornadas. De Silves à fortaleza de Mértola, 4 jornadas. De Mértola a Huelva, 2 jornadas curtas.

De Silves ao estreito de Azauia, porto e vila, 20 milhas. De lá a Sagres, vila à beiramar, 18 milhas.

Daí ao cabo do Algarve, que avança pelo oceano, 12 milhas. Daí à igreja do Corvo, 7 milhas.»

In: Portugal na Espanha Árabe; António Borges Coelho, pp.. 51 e 52

Descrição de Silves por um cruzado:

«(…) Tem muitas casas e mansões ameníssimas; é cingida de muros e fossos, de tal modo que nem uma só choupana se encontra fora dos muros, e dentro de eles havia quatro ordens de fortificações, a primeira das quais era como uma vasta cidade estendida pelo vale chamado “Rovale”. A maior estava no monte e davam-lhe o nome de “Almedina” tendo outra fortificação na encosta que desce para o mesmo vale a fim de proteger o canal das águas e um certo rio chamado “Arade” ou “Drade”, outro corre para o mesmo, o qual se chama “Odelouca”; e sobre o canal há quatro torres, de modo que por aqui se provesse sempre água em abastança a cidade superior, e tem esta fortificação o nome de “Coirasce” . As entradas pelas portas eram de tal modo angulosas e tortuosas, que mais facilmente seriam escaladas os muros do que entrariam alguém por elas. Abaixo da primeira era o castelo que se chamava “Alcay”. Também havia uma grande torre no “Rovale”, e tinha uma estrada coberta para “Almedina”, de modo que dela se podia ver o que se passava de fora dos muros da “Almedina”, e os que acometessem os muros de revés pudessem ser atacados da torre, e da parte oposta, e esta chamava-se “Alvierna”(..) também se deve notar que as torres estavam tão perto dos muros de cada cidadela, que qualquer pedra atirada de uma delas cursava até à terceira e em algumas partes ainda eram mais próximas.

In: relação da derrota Naval, Façanhas, e sucessos dos cruzados que partirão do Escalada para a terra Santa do Anno de 1189. Escrita em Latim por Hum dos mesmos cruzados, Traduzida e Anotada por João Baptista da Silva Lopes, Lisboa 1844, pp. 14,15 e 16.

Contar a nossa história, mostrando a riqueza do património da cidade, a forma como se deu o crescimento urbano, o desenvolvimento socioeconómico e cultural e dar a conhecer o espírito de tolerância religiosa é uma das características mais significativas deste evento. Pequenos apontamentos cénicos, dois torneios e um espetáculo diário têm lugar em distintos locais dentro do espaço da Feira, convidando os visitantes a serem, também eles, participantes nesta “estória dentro da História”.

A X Feira Medieval de Silves recria, mais uma vez, tempos gloriosos desta cidade  histórica e proporciona toda a vivência dessa época, num cenário natural único, constituído pelo traçado característico do tecido urbano e pela imponência dos seus monumentos, dando aos visitantes a possibilidade de experimentarem uma atmosfera única, que nos recorda os habitantes e factos de outrora e na qual se alicerçam importantes traços da nossa identidade e memória coletiva.

Silves – 10 dias de história numa cidade entre conquistas

02 de agosto – Estamos em Setembro de 1189 e a cidade acabou de ser tomada por D. Sancho I que, para tal, contou com a ajuda dos Cruzados que se deslocavam para a Terra Santa. É preciso reorganizá-la de acordo com as raças e credos e dar posse da mesma a pessoa de confiança do nosso Rei. D. Sancho nomeia seu governador D. Mendo Mem Gonçalves de Sousa (o Sousão) e coloca à frente dos destinos da Igreja D. Nicolau, o notável clérigo que aqui chegou com os cruzados.

03 de agosto – É preciso reerguer as muralhas depois dos estragos feitos por altura do cerco porque os chefes mouros não se resignarão e não tardarão a organizar-se para lutar pelo que já foi seu – a bela e importante praça de Silves. Os muros da cidade são mandados restaurar e o Bispo D. Nicolau abençoa-os e concede indulgências aos cavaleiros e outros soldados. Há batismo dos recém-conversos.

04 de agosto – Desde o Norte de África o chefe Almóada Iacube Almansor ordena a seu irmão, vali de Córdova e principal chefe militar na Península, que envie tropas poderosas contra Silves, para que esta nossa grandiosa cidade possa ser reconquistada.

05 de agosto – Mahomede Ibne Iuçufe chega a Silves e cerca a nossa cidade. Pouco depois engrossam as suas fileiras as tropas de Iacube, que aqui chegaram, tanto por terra como por mar. O chefe Almóada deixa Silves cercada e avança para norte devastando tudo o que lhe surge por diante.

06 de agosto – Quando chegaram as catapultas iniciaram-se os assaltos, mas a resistência faz-se notar porque a cidade, agora sob o comando de Rodrigo Sanches, é militarmente forte e abala o ímpeto dos sitiantes. As tropas Almóadas recuam por ordem do califa.

07 de agosto – Aqui em Silves vamos vivendo em sobressalto, porque Almansor organiza outra investida a norte, cerca Alcácer do Sal que toma com as suas máquinas de guerra e avança de novo para Silves que se encontra agora isolada das bases portuguesas e entregue a si própria.

08 de agosto – Em Silves, Rodrigo Sanches defende-nos como pode, mas Iacube não capitula e já intensificou o cerco com a ajuda de Ibne Uazir, um dos homens que tinha perdido a cidade e que agora, como chefe Almóada, no-la quer reconquistar. Os assaltos à cidade são contínuos e as catapultas não param de disparar.

09 de agosto – Uma falha na vigilância do passeio de ronda permitiu a penetração de um grupo berbere que ocupa agora parte da fortaleza dando-se ali combates renhidos. O Bispo D. Nicolau, sempre presente, acorre a benzer os sitiados incutindo-lhes vigor e ânimo, mas o nosso governador, Rodrigo Sanches, vê-se isolado na velha alcáçova e o assédio redobra de intensidade.

10 de agosto – Muitos de nós foram feitos prisioneiros e é-nos exigida a rendição. O nosso governador, Rodrigo Sanches, solicita um prazo aos sitiantes para perguntar a El-Rei D. Sancho se devemos entregar o castelo. A resposta do Rei tarda em chegar; resta-nos continuar a resistir e esperar as ordens do nosso rei.

11 de agosto – Passaram dez dias sem resposta de El-rei. Estamos cansados, as muralhas estão fragilizadas e as tropas mouras são em muito maior número. Não nos restará outro destino que não seja a rendição, mas é precisa a autorização de D. Sancho. Eis que chega mensageiro com a sua resposta, vamos capitular e negociar as condições. Os nossos soldados aem da cidade rumo ao Norte e os mouros entram no castelo gritando vitória de Almansor. Estamos de novo sob domínio muçulmano.

Torneio Medieval continuará a ter duas edições diárias

Diariamente, pelas 20h00 e pelas 22h30, numa liça construída de forma a fazer jus à época, decorre um Torneio Medieval. Os visitantes poderão, pois, apreciar momentos únicos, em que vários cavaleiros, árabes e cristãos, se defrontam renhidamente, sentados nos cerca de 900 lugares marcados do espaço.

Os combates, com temáticas distintas, no mesmo dia, são entrecortados por momentos onde pontuam artes como a falcoaria, o malabarismo, o manejo de bandeiras, ou, simplesmente, o humor, com a presença de bobos.

Este espetáculo é pago, podendo os bilhetes ser adquiridos no Secretariado da Feira, até às 18:00 horas de qualquer um dos dias do evento, bem como em qualquer bilheteira.

Espetáculo “Augúrio” – Castelo de Silves

Este ano, o espetáculo encenado no Castelo de Silves está a cargo do Grupo Pipempé. Intitulado “Augúrio”, guiar-nos-á ao universo fantástico e imaginário dos tempos medievos, onde lendas e medos se misturavam com a realidade vivida no quotidiano. A sinopse deste espetáculo é a seguinte:

Na época remota em que as investidas invasoras deram descanso curto ao povo xelb, este, essencialmente rural e mergulhado em medos e superstições, encontra proteção sob uma ordem religiosa que se quer impor. As manifestações da natureza e longos períodos de fome anunciam o castigo divino e, o medo da punição inspira a rituais coletivos enlaçados pela magia e pelo poder. Nesta incerteza, Augura-se de tudo. Com uma paisagem musical de temas criados para o espetáculo e tocados ao vivo, aliada a imagens visuais, acrobatas e malabaristas de fogo, as personagens do povo e do mundo fantástico levam-nos numa viagem festiva para os sentidos. Celebra-se a herança das representações simbólicas que nos mostram como o encantamento e a realidade se combinam fazendo da vida um mistério. Será bom Augúrio?

Banquete Medieval

A Feira Medieval de Silves terá, em 2013, um “Banquete Medieval”, que ocorrerá diariamente, pelas 21h00, no Castelo.

Recriar o ambiente de um repasto dos tempos de esplendor da história da cidade é o grande objetivo de mais este evento que terá lugar durante a Feira. Pretende-se proporcionar uma experiência única aos visitantes, num espaço privilegiado: o Castelo de Silves. Ao mesmo tempo, quem participar no banquete poderá acompanhar o espetáculo “Augúrio”, que terá lugar, também, no interior do Castelo. Não faltarão as danças, música e histórias, que levarão os visitantes a experimentarem a “História Interminável” desta cidade.

O “Banquete Medieval” incluirá deliciosos pratos, tais como: Javali c/ castanhas, Veado com nozes, Ganso, Perdiz e Faisão (estes pratos são acompanhados com arroz de pinhão ou arroz de passas); Porco preto, porco no espeto e feijoada de lebre (estes pratos são acompanhados por arroz de açafrão). Bebidas: cerveja, sumos, águas, vinhos, sangria e água dos deuses.

Sobremesas: Pêra bêbadas e maçãs embrulhadas.

Preços:

 Até aos 6 anos: Grátis

 Dos 6 aos 10 anos: 15,00 €

 Maiores de 10 anos: 40,00 €

Nota: O preço inclui a entrada no espetáculo “Augúrio”, que tem lugar no Castelo. O bilhete poderá ser reservado com antecedência mínima de 24 horas através dos seguintes contactos:

 Email: turismo@cm-silves.pt

 Telemóvel: 91 050 37 40

Poderá, ainda, ser adquirido no próprio dia no Secretariado da Feira Medieval, nas bilheteiras oficiais do evento e no Castelo.

Experiência Medieval

Na edição de 2013 da Feira Medieval de Silves haverá, mais uma vez, a oportunidade de os visitantes poderem regressar ao passado através do conceito “Experiência Medieval”.

A organização pretende proporcionar, através deste tipo de visita ao evento, uma vivência única, que oferecerá aos aderentes a oportunidade de participar ativamente nesta recriação histórica, encarnando e experimentando o quotidiano de um personagem nobre. Este é um convite para viver com toda a emoção e nobreza estes festejos, desfrutando, de uma forma privilegiada, das sensações proporcionadas pelo teatro, música, iguarias e aromas característicos desta época áurea da capital do reino do Algarve.

A “Experiência Medieval” é uma forma exclusiva de vivenciar os momentos mais marcantes desta viagem, que ficará certamente na memória dos nossos convidados.

Benefícios exclusivos da Experiência Medieval: Acompanhamento personalizado permanente, welcome drink, traje, torneio, banquete, espetáculo no castelo (com entradas diretas no perímetro da feira e nos espetáculos sem estar sujeito a filas de espera; lugares privilegiados nos espetáculos pagos – torneio e castelo), momentos de animação personalizados e oferta de recordação da Feira Medieval de Silves.

Preços:

 Até aos 6 anos: Grátis

 Dos 6 aos 10 anos: 30,00 €

 Maiores de 10 anos: 60,00 €

Nota: As reservas deverão ser feitas com antecedência mínima de 24 horas através dos seguintes contactos:

 Email: turismo@cm-silves.pt

 Telemóvel: 91 050 37 40

 Presencialmente no Secretariado da Feira Medieval ou nas bilheteiras oficiais do evento.

“Xilb dos Pequenos” – o espaço infantil da Feira Medieval

A Feira Medieval também acolhe os mais novos num espaço especialmente criado e pensado para elas. Chama-se “Xilb dos Pequenos”, recordando a palavra árabe que deu origem ao nome da cidade.

Nesse espaço, dinamizado por técnicos da Divisão de Património Histórico – Arqueológico e Museus e pela Casa do Povo de SB Messines, as crianças entre os 6 e os 14 anos poderão permanecer por um tempo limite de 1h30, realizando diversas atividades, próprias para essa faixa etária.

As crianças que participem nestas ações do “Xilb dos Pequenos”, apenas poderão abandonar o espaço na presença do adulto responsável e mediante a assinatura de uma ficha de inscrição, que será preenchida previamente.

Todos os pertences de valor que a criança possa trazer consigo (relógios, anéis, fios, etc..) deverão ser guardados pelo adulto que se responsabilizará por ela, não assumindo a organização qualquer responsabilidade pelo possível desaparecimento de algum desses objetos. Lanches ou garrafas de água de cada criança deverão ficar devidamente guardados em saco ou mochila identificados com o nome da criança.

Os trajos da Feira Medieval de Silves

Os trajos são uma das imagens mais significativas do rigor e qualidade da Feira Medieval de Silves. Propriedade da Câmara Municipal, foram produzidos pelo estilista António Gracias, um filho da terra.

Vários roupeiros disponibilizam, a quem o desejar, fatos de homem, mulher e criança, que são alugados por um valor simbólico (ver preços, mais à frente neste documento).

A Gastronomia: uma atração para todos os gostos

No que toca à gastronomia são dadas a todos os participantes indicações muito claras, no sentido de que os alimentos confeccionados não deverão conter ingredientes desconhecidos na Idade Média, como a batata, os pimentos, entre outros (sobretudo, devido ao facto de serem provenientes do continente americano). Procura-se, igualmente, estimular o trabalho de pesquisa e recolha de receitas de origem medieval e a sua reprodução, podendo os visitantes encontrar, na feira, o “coelho na abóbora”, as carnes assadas no espeto, a doçaria mais antiga, de que é exemplo a receita que se segue:

Manjar Branco | Ementa

1 peito de galinha

7.5 dl de leite

500 gs de açúcar

250 gs de farinha de arroz

1 col de sopa de água de flor de laranjeira

Coza o peito de galinha em água temperada com um pouco de sal, desfie-o e pise-o muito bem no almofariz. Junte-lhe o leite, o açúcar, a água de flor de laranjeira, 2 dl de água da cozedura e a farinha.Deixe ferver até formar uma papa consistente e gelatinosa. Retire do lume e sobre discos de barro vaze duas colheradas sobrepostas desta papa. Repita a operação até esgotar toda a massa. Finalmente, leve os doces ao forno muito forte para que a superfície superior escureça.

“Xilb”: a moeda da Feira Medieval de Silves volta a circular

Durante os dias em que decorre este evento, será utilizado o “Xilb”, uma moeda valida apenas no espaço da Feira e que concorre, como os demais elementos cénicos, trajos e animação, para a criação de um ambiente muito característico e único.

Os visitantes podem trocar os seus euros por esta moeda, numa barraca de câmbios, embora, caso não o desejem fazer, possam continuar a usar os euros, já que ambos são moeda corrente dentro do recinto.

Haverá três tipos de moeda:

 ½ XILB = € 0,50

 1 XILB = € 1,00

 5 XILB = € 5,00

Segurança e Limpeza: uma atenção constante

São tidos cuidados específicos e muito rigorosos no que toca à Segurança e à Limpeza no espaço onde decorre o evento.

Há um especial respeito pelas leis nacionais e comunitárias referentes a Feiras e Mercados temporários. Nesse sentido, são instalados pontos de água potável, bem como canalização e lava-loiças em todas as barracas dedicadas à comercialização de géneros alimentícios, de modo a permitir a lavagem de utensílios ou alimentos. Também as normas da segurança alimentar são devidamente respeitadas, havendo uma estreita colaboração entre a organização e a ASAE.

A limpeza do recinto é realizada diariamente pelos nossos serviços . Os espaços públicos mostram sempre asseio. A limpeza das barracas e tabernas é da responsabilidade dos seus promotores.

Há um plano de emergência específico para o evento, que contempla todas as situações de risco possíveis, estando os elementos da Proteção Civil Municipal encarregues de monitorizar em permanência e no local, em colaboração com as demais entidades responsáveis pela segurança pública, todos os aspectos que se prendem com a segurança. Para além disso, uma empresa de segurança privada vela, 24h00 sobre 24h00, pela segurança de barracas e haveres dos expositores, bem como pelos visitantes da Feira.

A imagem da X Feira Medieval

Fotógrafos Convidados

Quando se assinala a X Feira Medieval de Silves, o Município convidou alguns fotógrafos amadores, que trabalham como professores na Escola EB 2,3 Garcia Domingues (Silves), para que pudessem, com a ajuda de alguns modelos (todos eles voluntários), produzir as imagens que seriam usadas na comunicação deste evento.

Desta forma simples, procurou-se envolver a comunidade, nomeadamente algumas pessoas que, na escola onde trabalham, têm dinamizado ações sobre esta arte, quer junto dos docentes, quer sobretudo dos alunos, que vão, desse modo, desenvolvendo o gosto e competências para melhor poderem fotografar.

Damos a conhecer os fotógrafos que colaboraram na criação da imagem da X Feira Medieval:

Adriano Costa tem 39 anos, é natural de Lourenço Marques, Moçambique. Professor e adjunto da direção do Agrupamento Vertical Dr. Garcia Domingues, em Silves, é Fotógrafo amador, premiado em alguns concursos de fotografia locais (Cabanas de Tavira – 1.º prémio 2010, Monchique – melhor fotografia do tema religião, 2010).

Dilar Neves nasceu em Almodôvar, em 1960. Viveu 29 anos em Odivelas e fez o ensino secundário no Liceu Rainha Dona Leonor, em Lisboa. Licenciada em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura de Lisboa, lecionou na Escola Secundária de Montejunto – Cadaval e fez a especialização em ensino na Escola Superior de Educação de Lisboa.

Há 11 anos veio viver para o Algarve, passando a leccionar na escola Garcia Domingues, as disciplinas de Educação Visual e Pintura e sendo coordenadora do Departamento de Expressões e dinamizadora do projeto para o 1.º ciclo “Aprender com Expressões”.

A Fotografia surgiu-lhe na adolescência quando os pais lhe ofereceram uma máquina fotográfica Kodak. Durante o curso de Arquitetura adquiriu conhecimentos sobre Linguagem Visual, que lhe permitiram desenvolver mais o gosto por esta arte. Dinamizou clubes de fotografia nas duas últimas escolas onde esteve, com grande adesão por parte dos alunos.

Já ganhou alguns prémios dos quais se destaca o último: Melhor Fotografia do tema “Percursos” nas Caminhadas Fotográficas de Monchique.

Gonçalo Arez nasceu em Portalegre, em 1972. Licenciou-se em Educação Física e Desporto na Faculdade de Motricidade Humana.

Aos 24 anos, veio por amor para o Algarve, pelo qual se apaixonou também e de onde não tenciona sair. Atualmente é professor de Educação Física na Escola EB 2,3 Garcia Domingues.

Se desde cedo quis ser Professor de Educação Física, já a paixão pela fotografia é mais recente, apesar de sempre ter estado presente na sua vida, pela mão do seu pai (também ele amante da fotografia) e da objetiva da sua “clássica” Yashica. A passagem para o lado de trás da objetiva acontece motivado inicialmente pelo desejo de criar memória futura de momentos e viagens e por, nesta sua segunda passagem profissional por Silves, ter havido o encontro com outros amantes desta arte, com os quais foi partilhando esta paixão.

Nuno Garção tem 35 anos e é natural de Portalegre, sendo Professor de Matemática e Ciências da Natureza na Escola E.B. 2,3 Dr. Garcia Domingues, em Silves. Mestre em Didática da Matemática pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, é ainda Fotógrafo amador, premiado em alguns concursos de fotografia (Cabanas de Tavira – 2.º prémio 2010, Olhão – menção honrosa na categoria digital 2011).

Paulo Guerreiro nasceu em Loulé, no ano de 1974, onde sempre viveu e licenciou-se em Ensino da Informática pela Universidade do Algarve. Atualmente é professor de informática no Agrupamento de Escolas de Silves.

Já em criança sempre apresentou um grande interesse pelas tecnologias e em particular a informática. Adora a possibilidade que esta ferramenta lhe oferece de poder utilizar a criatividade na criação de soluções em torno das tecnologias da informação.

O interesse pela fotografia surgiu por acaso, através de amigos que partilham do mesmo gosto.

Em relação ao estilo de fotografia, sente uma especial atração pelo detalhe, precisão e pormenor, algo que tenta retratar através de fotografia de macro/natureza. Na outra vertente da fotografia, o estilo de fotografia noturna, acha, muito interessante o resultado que se consegue obter ao fotografar a escuridão da noite.

Sessão Fotográfica

Numa intensa tarde de trabalho, com muitas horas de exposição a temperaturas altas, fotógrafos e modelos percorreram os espaços mais emblemáticos da cidade – Castelo, Catedral, Largo do Município, Portas da Cidade, Igreja da Misericórdia – e fizeram diversas fotos, que espelham o seu olhar, o olhar característico e único de quem estava por trás da objetiva. Descontraidamente, sem grandes aparatos técnicos, apenas com as suas máquinas pessoais e com a sensibilidade característica de quem trabalha, mesmo que de forma amadora, nesta área, todos mostraram grande empenho e entusiasmo.

O trabalho começou com a caracterização, a cargo de Terezinha Guinote, proprietária do Instituto de beleza ART EFFECTS, que também se associou de forma gratuita a este trabalho. Os quatro modelos passaram pelo Salão, que se situa nas Piscinas Municipais de Silves, onde foram penteados e maquilhados, de modo a poderem ser fotografados e daí partiram para a sessão fotográfica, tendo usado trajos que são, todos eles, pertença do guarda-roupa da Feira Medieval de Silves e alguns adereços cedidos por Miguel Amaral.

Apoio: ART EFFECTS, Instituto de Beleza (Contato: Teresinha – 282441434;

https://www.facebook.com/#!/pages/arteffects/193169940726302)

Spot Feira Vídeo | Também com o intuito de promover os jovens talentos da comunidade, o spot vídeo da X Feira Medieval de Silves criado e editado pelo jovem João Ribeiro, formado pela ETIC – Algarve.

Pacotes de Açúcar | Com o apoio da DELTA, este ano circulará uma coleção de sete (7) pacotes de açúcar, cada um deles com uma fotografia de um dos fotógrafos que colaboraram na produção da imagem do evento. Haverá, ainda, um pacote com a imagem genérica de promoção do evento.

Marca d’água da Feira Medieval de Silves

Na procura de uma identidade única da Feira Medieval de Silves, foi criada a marca d’água, a partir da composição de dois elementos gráficos reproduzidos de achados arqueológicos efetuados no Concelho de Silves, que remontam ao período que a Feira Medieval de Silves recria.

A composição gráfica destes dois elementos simboliza a forte influência Mourisca e Cristã, que Silves teve no seu passado histórico e que esteve sempre presente nas recriações históricas que fazem parte da animação da Feira Medieval de Silves.

Pretende-se, desta forma, que este elemento gráfico seja unificador de todas as imagens gráficas da Feira Medieval de Silves, passando a ter presença obrigatória nos suportes gráficos e merchandising da mesma, a par do logotipo da Autarquia de Silves.

A Feira Medieval de Silves: uma referência de qualidade e rigor

Ao longo das edições passadas, o evento vem crescendo e acumulando um sucesso significativo, solidificando-se como uma referência neste segmento de produtos, não apenas na região, mas a nível nacional. Este reconhecimento só é possível pelo trabalho de todos os intervenientes e pelos critérios rigorosos de qualidade, que são adotados na seleção e adequação de todas as decisões.

Para os comerciantes é indiscutível que a Feira Medieval se assume como um negócio, mas para a Câmara Municipal Silves representa uma montra do espólio patrimonial, político e cultural que é inerente ao título Silves. Nesse sentido, são tidos cuidados específicos na concepção/preparação do evento, que são consequência direta do conceito que se pretende implementar nesta Feira, ou seja, a reconstrução de um ambiente histórico, que reflita, com rigor, não apenas os ambientes da época medieva, mas os factos, modos de vida e hábitos (sociais, gastronómicos, políticos, religiosos) vividos na cidade, pelas gentes da época, com qualidade e segurança.

Deste modo, quer a animação, quer a decoração e materiais usados no recinto (onde não podem usar-se, por exemplo, plásticos), quer a seleção de factos históricos a destacar – TODOS ELES LIGADOS À HISTÓRIA DA CIDADE -, são fruto de um cuidado muito particular por parte da organização, de modo a que quem participa no evento se sinta transportado para outro tempo, vivendo uma experiência única e irrepetível.

A Feira Medieval de Silves em números

Tempo de preparação do evento: 5 meses

Número de pessoas envolvidas na organização, montagem, preparação e funcionamento do evento:

 Divisão de Obras Municipais: 43

 Departamento Sociocultural: 120

 OUTROS Sectores da Autarquia: 30

 Número de expositores: 144

 Número de tabernas: 50

 Pessoas envolvidas na animação: 150

Número de Visitantes da Feira: 100 mil

Eventos diários

18h00 – Abertura da Feira Medieval e Cortejo pelas Ruas e Largos da Medina

18h30 – Teatralização do episódio diário – Largo da Sé

19h00 – Leitura do Edital – Portas da Cidade

20h00 – Torneio de Armas a Cavalo na Liça – Praça Al’ Muthamid

20h00 – Banquete real no Castelo

21h30 – Augúrio – Castelo de Silves

22h30 – Torneio de Armas a Cavalo na Liça – Praça Al Muthamid

00h00 – Juizo final – Largo da colegiada

01h00 – Encerramento

Todas as noites poderá participar nas arruadas, festejos e folguedos que enchem as ruas!

Os grupos participantes nesta grande festa medieval percorrem constantemente a Medina, enchendo as praças e os becos de pregões, música e cor!

Eventos especiais

» “9 estudos, 9 Reis” – Exposição de Escultura de Villares Pires

Local: Igreja da Misericórdia» “O Quotidiano de Silves entre Conquistas” – Exposição temporária

Local: Museu Municipal de Arqueologia de Silves

Grupos Participantes

Teatralizações –Grupo Cénico Vivarte;

Grupos de Animação Musical

Percutunes (Portugal); Troubadores, (Portugal); Al-Medievo (Portugal); Mozarabes (Portugal); Eduardo Ramos (Portugal); Cuerno de Cabra (Espanha)

Grupos de Dança

Grupo de Danças Medievais Dá para Pular (Portugal); Grupo de Danças Orientais (Portugal); Dança Tanora (Egipto)

Grupos de Animação de Rua

Saltimbanco Charneca; Grupo Cénico Vivarte; Grupo Cénico Pipempé

Torneio

Cavaleiros do Tempo (Portugal)

Preços de Bilhetes

 Pulseira para os dez dias da Feira: €3,00 (antes da Feira); €4,00 (durante a Feira)

 Bilhete Diário: €2,00

 Aluguer de Trajo: Adulto – €3,00 | Criança – €2,00

 Torneio de Armas a Cavalo na liça (inclui a entrada no recinto da Feira): €5,00

 Teatralização Augúrio – Castelo de Silves (inclui a entrada no recinto da Feira): €5,00

Experiências Medievais: Até aos 6 anos: Grátis | Dos 6 aos 10 anos: 30,00 € | Maiores de 10 anos: 60,00 € (inclui: Acompanhamento personalizado permanente, welcome drink, traje, torneio, banquete, espetáculo no castelo com entradas diretas no perímetro da feira e nos espetáculos sem estar sujeito a filas de espera, lugares privilegiados nos espetáculos pagos – torneio e castelo -, momentos de animação personalizados e oferta de recordação da Feira Medieval de Silves)

Banquete Medieval: Até aos 6 anos: Grátis | Dos 6 aos 10 anos: 15,00 € | Maiores de 10 anos: 40,00 € (inclui: entrada no espetáculo “Augúrio”, que tem lugar no Castelo)

» A pulseira estará à venda a partir do dia 15 de julho e poderá ser adquirida nas Juntas de Freguesia de Pêra, Armação de Pêra, Alcantarilha, SB Messines, Algoz, Tunes e S. Marcos da Serra, em vários pontos da cidade de Silves (Piscinas Municipais, Biblioteca Municipal, Castelo, Museu de Arqueologia, Centro de Interpretação do Património Islâmico e Casa da Cultura Islâmica e Mediterrânica), em vários restaurantes e hotéis do concelho e no comércio local de Silves SB Messines e Armação de Pêra.

» Quem pretender adquirir o bilhete diário, deverá dirigir-se às bilheteiras, que se encontram espalhadas pela cidade, junto das portas de entrada na Feira.

» As crianças até 1,30 m de altura estarão isentas do pagamento de entrada na Feira.

» Os bilhetes de todas as atividades poderão ser adquiridos no Secretariado da Feira Medieval, que se situa no Torreão das Portas da Cidade.

» Estarão, também, à venda no Castelo os bilhetes das atividades que se realizem no seu interior.

» Os trajos deverão ser alugados nos Roupeiros Reais.

Tome parte na festa! Seja mais uma das personagens da Feira Medieval de Silves e viva uma história interminável!

Media Partners – RTP | SUL INFORMAÇÃO | RUA FM

No dia 5 de agosto estará em Silves o programa “Verão Total”. A partir da Praça Al-Mutamid (à entrada da cidade) João Baião e Helena Coelho conduzirão uma emissão de cerca de 6 horas em direto, onde se dará a conhecer as riquezas do concelho de Silves, em diversas áreas, bem como a própria Feira Medieval, que estará a decorrer nesse dia.

O “Verão Total” é o programa que a RTP que, de 2.ª a 6.ª feira, durante os meses julho e agosto, a partir de uma cidade, região ou localidade portuguesa, chega a todos os espetadores nacionais e internacionais, já que é visto na RTP Internacional. É uma verdadeira viagem pelo nosso país em formato televisivo, num registo de Entretenimento Familiar e que, desta feita, trará Silves a todos os que acompanham a emissão desta estação de televisão.

Pode acompanhar tudo sobre o programa em https://www.facebook.com/veraototal.

Apoios – AEROVIP | AQUALAND | AQUA Portimão | CAIXA DE CRÉDITO AGRÍCOLA (SILVES) | CONTINENTE | DELTA Cafés | GALP ENERGIA | PUBLIRÁDIO | SUPER BOCK/UNICER | TURISMO DE PORTUGAL – ALGARVE | ZOOMARINE

O Município de Silves

Categories: AGENDA, Silves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.