Opinião

Insuficiência Cardíaca: escute o seu coração, por Dr. Carlos Morais

Dr. Carlos Morais, cardiologista e presidente da Associação Bate Bate Coração

Dr. Carlos Morais, cardiologista e presidente da Associação Bate Bate Coração

A insuficiência cardíaca é uma doença progressiva que afeta doentes cujo coração não consegue bombear sangue suficiente para responder às necessidades dos outros órgãos.

O risco de desenvolver esta doença aumenta com a idade e calcula-se que, atualmente, mil em cada 100 mil pessoas acima dos 65 anos sofram desta patologia. Todos os anos são diagnosticados mais de 600 mil casos de insuficiência cardíaca na Europa. Esta é um das principais causas de internamento hospitalar nos idosos.

Existem dois tipos de insuficiência cardíaca. Quando o músculo cardíaco não consegue bombear sangue adequadamente para fora do coração, estamos perante um caso de insuficiência cardíaca sistólica. Quando os músculos do coração ficam rígidos e não conseguem preencher-se de sangue facilmente, falamos de insuficiência cardíaca diastólica.

O controlo da pressão arterial consegue reduzir os riscos de ocorrência desta doença, que se associa a sintomas como a falta de ar, o cansaço inexplicado, o inchaço dos membros inferiores e o aumento do volume do abdómen. Os sinais da doença são comuns a outras patologias e confundidos, muitas vezes, com a idade avançada do doente, o que torna o diagnóstico difícil.

Entre os fatores de risco da insuficiência cardíaca está a hereditariedade, a hipertensão arterial, episódios de enfarte do miocárdio, válvulas cardíacas anormais, cardiomiopatia e diabetes. O tabaco, a ingestão de álcool, o consumo de sal em excesso e o sedentarismo são fatores de risco a evitar. É importante que os doentes com insuficiência cardíaca adotem um estilo de vida saudável, introduzindo na dieta alimentos como frutas, vegetais, legumes, carnes brancas. A prática de exercício físico pode melhorar os sintomas, mas deve ser recomendada pelo cardiologista.

O alívio da insuficiência cardíaca passa pelo tratamento farmacológico e pelo controlo adequado destes fatores de risco. O acompanhamento médico é fundamental para manter a doença estável e controlada.

Para mais informações visite: www.batebatecoracao.pt

Categories: Opinião, Saúde

1 reply »

  1. Meu filho tem cardiopatia congênita não é fácil ele quer levar uma vida normal preciso fazer um outra cirurgia nele . Me ajudem sou do sudoeste do Pará aqui não tem hospital e difícil todos os dias ele tomar remédios pra pressão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.