AGENDA

Mákina de Cena estreia “Dois perdidos no horror elíptico da sobremodernidade” no Cineteatro Louletano | 9 de outubro

Estreia já esta sexta-feira, 09 de Outubro, no Cineteatro Louletano, a mais recente produção da Mákina de Cena/ MdC Teatro, Dois perdidos no horror elíptico da sobremodernidade.

Nesta encenação, Carolina Santos desafiou cinco atores locais (amadores e semi-profissionais) a navegar pelo universo beckettiano de À espera de Godot.

A obra-prima de Samuel Beckett serviu de inspiração e fio condutor a uma dramaturgia que, inusitadamente, foi predecessora da realidade. Já antes de o planeta encerrar devido à pandemia, a equipa deste projeto navegava em cenários pós-apocalípticos, distanciamentos reais e metafóricos e questionamentos de uma realidade absurda, cada vez mais absurda…

Como já nos vem vindo a habituar, Carolina Santos imprime ao espectáculo uma vertente fortemente física, com partituras de movimento que complementam e enriquecem o texto, à maneira do método de Jacques Lecoq, onde a encenadora se formou teatralmente. O resultado? Uma tragicomédia que nos leva a refletir sobre o absurdo da existência, da espera e das relações humanas.

Este espectáculo tem financiamento da Câmara Municipal de Loulé/Cineteatro Louletano, no âmbito da Bolsa de Apoio ao Teatro, contando igualmente com apoio da Algarpalcos, Gostomatic, Loulecópia e Águas Fastio.

Sinopse

Dois perdidos no horror elíptico da sobremodernidade baseia-se naquela que aparenta ser uma inevitabilidade da condição humana: a espera e a fé (ou a dúvida?). Assumidamente inspirada na primeira e mais famosa peça de Samuel Beckett (À espera de Godot, um dos textos mais representativos do Teatro do Absurdo), esta criação adquiriu a sua própria identidade através de uma outra dramaturgia. Aqui, quem espera não são vagabundos. São trabalhadores precários de um certo serviço de transferes que aguarda a chegada de um determinado cliente – há dias, meses, anos?… – no hall de um qualquer aeroporto. Dois perdidos… é um espectáculo tragicómico, entre a espera e a esperança, naquele não-lugar por onde passam todos os absurdos do mundo.

Ficha Técnica e Artística

  • Interpretação: Filipa Rodrigues, João Caiano, Pedro Paulino, Renato Brito, Tata Regala
  • Encenação: Carolina Santos
  • Assistência de encenação: Mariana Teiga
  • Dramaturgia e espaço cénico: Carolina Santos, com inspiração no universo godotiano, de Samuel Beckett
  • Música: excertos de “Years”, de Bartholomäus Traubeck, “They Say Nothing Stays the Same” e “Mockroot” de Tigran Hamasyan
  • Voz off: Carolina Santos
  • Sonoplastia, construção cenográfica e grafismo: Marco Martins
  • Figurinos: Ana Karina
  • Desenho de luz: Valter Estevens
  • Fotografia: Daniel Pina e Carolina Santos (foto de cartaz)
  • Direção de Produção: Patrícia Amaral
  • Apoios: Câmara Municipal de Loulé/Cine Teatro Louletano, Algarpalcos, Empro Wines and Drinks, Gostomatic, Loulecópia
  • Duração: 75 minutos
  • Classificação etária: M/ 12

Categories: AGENDA, Loulé